Indústria brasileira na COP26

Liderado pela CNI, o setor apresentará as experiências empresariais bem-sucedidas em meio ambiente e sustentabilidade. Confira os preparativos e a cobertura do maior evento global sobre mudanças climáticas

Entre 31 de outubro e 12 de novembro a cidade escocesa de Glasgow vai sediar a nova rodada de debates e negociações que buscam, entre outros objetivos, reduzir as emissões de gases de efeito estufa no planeta. A agenda ambiental tem se tornado mais estratégica a cada ano e impactado diretamente a pauta da indústria, motivo pelo qual a Confederação Nacional da Indústria (CNI) vem acompanhando de perto as negociações para a COP26.

Uma atuação firme do Brasil na questão ambiental é essencial para que o país avance em questões estratégicas como a ascensão à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a efetivação do acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia.

A expectativa para a COP26 está muito voltada para a resolução de pontos pendentes da regulamentação do Acordo de Paris (o chamado Livro de Regras), entre os quais estão a regulamentação do mercado de carbono; os marcos temporais comuns para todas as Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs); e as tabelas de relato e cumprimento em transparência.

A CNI vai estar no estande do Brasil na COP26 para mostrar que o setor vem fazendo o dever de casa. Serão apresentados diversos casos de sucesso da indústria em áreas como clima, floresta, inovações e ambiente de negócios que mostram ações concretas voltadas para o meio ambiente e a sustentabilidade do país.

Para ficar por dentro sobre os pontos que devem ser retomados durante a COP26, a Agência de Notícias da Indústria reúne abaixo os conteúdos de interesse da indústria brasileira para você acompanhar o maior evento global sobre mudanças climáticas:

Relacionadas

Leia mais

O futuro é verde e o SENAI te leva até lá
Indústria brasileira vai para COP26 mostrar que é sustentável e para atrair investidores
VÍDEO - Por que o mercado regulado de carbono pode ser uma boa para o Brasil?

Comentários