Indústria brasileira vai para COP-26 mostrar que é sustentável e para atrair investidores

Liderado pela CNI, setor apresentará experiências empresariais bem-sucedidas em meio ambiente e sustentabilidade. Conferência ocorre de 31 de outubro a 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia

CNI defende a expansão do uso de fontes renováveis, como a solar, em projeto nacional que consolide a economia de baixo carbono

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostrará no estande do Brasil na 26ª Conferência das Partes sobre Mudanças Climáticas (COP-26), que ocorre de 31 de outubro a 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia, que o setor vem fazendo o dever de casa. Serão apresentados diversos cases de sucesso da indústria, que mostram ações já concretas para o meio ambiente e a sustentabilidade do país. Para isso, a CNI vai destinar o seu estúdio, na sede em Brasília (DF), para transmitir em tempo real a apresentação das experiências bem-sucedidas.

O ambiente da COP-26 é também uma oportunidade de atrair investimentos para o Brasil, que ainda possui participação tímida na obtenção de recursos no mercado internacional. Segundo dados levantados pela CNI, enquanto a Ásia – com a maior participação – abocanhou 38% dos recursos de fundos climáticos, a América Latina e o Caribe ficaram com apenas 4,5% do total. 

Indústria está comprometida com agenda climática

O recente relatório sobre mudanças climáticas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) reforça a urgência climática em que todos devem fazer sua parte para limitar o aumento da temperatura em 1,5° C.


“A agenda climática é uma oportunidade para se produzir e consumir de forma mais consciente e eficiente e, na COP-26, a indústria brasileira vai mostrar seu comprometimento com a questão ambiental, que vem de muito tempo”, complementa Robson Andrade.


O setor industrial brasileiro também participa ativamente com propostas para as negociações internacionais relacionadas ao clima e à sustentabilidade. A CNI defende um projeto nacional que consolide a economia de baixo carbono, baseada em quatro pilares: transição energética, precificação do carbono, economia circular e conservação das florestas. Conheça os detalhes abaixo:

Relacionadas

Leia mais

Mecanismo de ajuste de carbono na fronteira da União Europeia é debatido em Conselho da CNI
Indústria prioriza estruturação dos princípios ESG para Amazônia
Tecnologia será essencial para enfrentar mudança climática, próximo desafio global

Comentários