Ei, NASA, olha estes projetos brasileiros!

No dia em que duas mulheres fizeram a primeira caminhada espacial exclusivamente feminina, a gente lembra de alguns projetos, apresentados no Torneio SESI de Robótica, que podem ajudar a melhorar o dia a dia dos astronautas em missões fora da Terra
Astronautas da NASA Christina Koch e Jessica Meir fizeram a primeira caminhada espacial só de mulheres - Fotos: NASA

Sexta-feira, 18 de outubro de 2019. Pela primeira vez, duas mulheres fizeram juntas uma caminhada espacial. As norte-americanas Jessica Meir e Christina Koch saíram da Estação Espacial Internacional para substituir um controlador de energia que estava com problema. 

A NASA, Agência Espacial dos Estados Unidos, pretendia fazer essa caminhada só com mulheres em março deste ano. Mas por falta de trajes adequados para as duas astronautas, precisou adiar a missão.

A busca por inovações e melhorias é rotina para quem trabalha com ciência e tecnologia. A NASA, claro, está sempre em busca de avanços. E dar uma "ajudinha" para a agência norte-americana, foi o desafio da Temporada 2018/2019 do Torneio SESI de Robótica FIRST LEGO League. Com o título “IntoOrbit”,  a edição explorou a temática espacial, envolvendo satélites, comunicação, sobrevivência e aspectos psicológicos em que os astronautas estão sujeitos em uma viagem espacial. Os competidores deviam apresentar soluções para alguns problemas enfrentados no espaço.

Vamos relembrar alguns projetos apresentados pelos estudantes que participaram da competição, para melhorar a vida dos astronautas no espaço.

Então vem com a gente nesta contagem regressiva... 

5. Coletor menstrual para astronautas 

Alunos do Liceu Franco-Brasileiro, colégio do Rio de Janeiro, criaram o CosmoCup, um coletor menstrual espacial. A diferença para os que existem no mercado é que os jovens desenvolveram uma película para evitar que, durante a higiene, o sangue se dissipe na espaçonave, por causa da falta de gravidade.

Saiba mais

4. Banho com menos água e mais hidratação

A equipe paulista AC/DC da Escola Eduardo Gomes, de São Caetano do Sul (SP) criou um novo jeito dos astronautas usarem gel de banho, removendo as células mortas da pele e dando maior sensação de frescor. Além disso, o produto economiza água. "Enquanto hoje em dia eles usam 4 litros para tomarem um banho, com o gel vão usar 15ml”, explica José Reginaldo Pereira, técnico da equipe.

Confira aqui o projeto.

3. Capacete anti-estresse

Chamado de Caemut, o Capacete Aliviador de Estresse com Múltiplas Terapias, usa três terapias: a reflexologia, a musicoterapia e a cromoterapia.

“Na reflexologia, a gente usa os princípios de pontos de acupuntura. Se ele for estimulado, ele acalma a pessoa. A cromoterapia a gente usa uma luz de led nesse capacete e essa luz tem uma ação no nosso corpo quando apontada para um determinado lugar, no caso, a cabeça, que faz o corpo relaxar, ficar mais harmonizado. E a gente tem também a musicoterapia que usa músicas mais calmantes”, explica Gabrielly Almeida, integrande da equipe do SESI Taguatinga (DF). 

Conheça o projeto.

2. Roupa contra a perda de massa óssea 

Uma roupa que se molda ao corpo e tem elástico em pontos estratégicos feita com cotton e theraband, materiais usados em tratamentos de fisioterapia. O modelo, desenvolvido para ser usado por astronautas, pode evitar a perda de massa óssea e muscular em viagens espaciais. O problema ocorre por causa da microgravidade.  

A equipe que trabalhou no projeto é a Galaxy Forces, do Serviço Social da Indústria (SESI) de Mossoró (RN). O técnico Leonardo da Silva explica as vantagens do modelo. “Com a roupa, eles conseguem forçar a musculatura dos membros superiores e evitar a perda óssea e muscular. Esse projeto vale tanto para os astronautas quanto para tratamentos de fisioterapia aqui na Terra e na própria reabilitação dos astronautas quando eles retornam’, diz ele.

Olha aqui que legal. 

1. Chiclete com pimenta que melhora o olfato e o paladar

No espaço, por causa da gravidade, os astronautas ficam com as vias superiores congestionadas e não conseguem sentir o sabor dos alimentos.

Para aliviar o problema, são utilizados medicamentos para desobstruir as vias nasais. Mas o hábito de usar continuamente esse tipo de remédio, além de viciar, pode causar problemas de saúde.

A solução criada foi o chiclete, que é uma goma de mascar feita com componentes da pimenta. Com este projeto, a equipe Gametech Canaã, do SESI de Goiás ficou com o 1º lugar geral do Aberto de Robótica de West Virginia, nos Estados Unidos.   

Tudo sobre o ciclete aqui

Relacionadas

Leia mais

Curso técnico ou superior? O SENAI tem vagas abertas para os dois
Programa Futuros Engenheiros está com inscrições abertas
Estudantes baianos criam dispositivo para levar doações a moradores de rua

Comentários