Sistema Indústria busca manter ações, apesar dos cortes

Decisão do governo federal de reduzir em 50% as contribuições empresariais para o Sistema S, por 90 dias, diminuirá em R$ 1 bilhão as receitas de SESI e SENAI em 2020
O Sistema Indústria oferece 2,3 milhões de matrículas em educação profissional e 1,2 milhão de matrículas em educação básica

O corte de 50% nas contribuições das empresas para o Sistema S por 90 dias, uma das medidas adotada pelo governo para combater a pandemia do coronavírus, vai reduzir em pelo menos R$ 1 bilhão as receitas do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e do Serviço Social da Indústria (SESI). Apesar da perda de receita, as entidades buscam preservar suas ações educacionais e sociais diante da crise, ainda que tenham que realizar ajustes em suas estruturas.

As duas entidades estão fazendo todos os esforços para honrar os compromissos assumidos com a sociedade, incluindo a manutenção dos empregos dos 62 mil colaboradores em todo o país, mas isso só será possível pelo período de 90 dias previsto na Medida Provisória 932/2020, que reduziu as contribuições. A MP também elevou em 100% a taxa cobrada pela Receita Federal para realizar o serviço de arrecadação, preservando os valores que ficam com o governo.

A perda de receita estimada poderá ser ainda maior em função da redução da atividade econômica provocada pela Covid-19, uma vez que a base de cálculo da contribuição compulsória das empresas será provavelmente menor. Se a redução da contribuição durar mais do que os 90 dias inicialmente previstos, até junho, poderão ser reduzidas vagas oferecidas na educação básica e na continuada, fechados centros de educação profissional e serviços tecnológicos, podendo também ser reduzido o número de vacinas aplicadas em ações do SESI.

Efeitos inevitáveis seriam o atraso na formação de mão de obra, piora nas iniciativas de educação básica de jovens de baixa renda e redução do atendimento à saúde do trabalhador. Também poderão ser afetados os serviços prestados pelo SENAI e pelo SESI para as 435 mil micro e pequenas empresas industriais existentes no país. Estas, embora isentas da contribuição, são beneficiadas pelas atividades de consultoria e apoio técnico, além dos cursos de qualificação profissional e serviços culturais e de assistência médica.

Efeito redistributivo

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, destaca que a aplicação dos recursos do SESI e do SENAI têm um relevante caráter redistributivo, principalmente para regiões com pouca atividade industrial, que recebem recursos para que as duas entidades promovam a qualificação de trabalhadores e a atração de investimentos. Hoje, o Sistema Indústria oferece 2,3 milhões de matrículas em educação profissional e 1,2 milhão de matrículas em educação básica.

Também é realizado 1,4 milhão de ensaios laboratoriais, além da aplicação de 1,1 milhão de vacinas e do atendimento a 4,1 milhões de pessoas com serviços de saúde e segurança. O corte dos recursos que custeiam a estrutura de ciência e tecnologia poderá implicar, também, na demissão de especialistas e pesquisadores que formam a maior rede de apoio à inovação do país, que conta com 26 Institutos SENAI de Inovação, 58 Institutos SENAI de Tecnologia e nove Centros de Inovação SESI. 

“Somos uma rede de proteção social dos trabalhadores da indústria e milhares de famílias brasileiras. O eventual corte aprofunda ainda mais a crise que estamos vivendo” - Robson Braga de Andrade

Além dessas ações tradicionais, em parceria com federações estaduais e associações setoriais da indústria, o SESI e o SENAI vêm realizando diversas ações de combate à pandemia, tais como o suprimento de hospitais públicos com insumos e equipamentos necessários ao tratamento da Covid-19 (máscaras, aventais, respiradores mecânicos, dentre outros) e a oferta gratuita de 100 mil vagas de cursos a distância. A princípio, todas essas ações serão mantidas durante a pandemia do novo coronavírus.

Robson Andrade afirma que serão empreendidos todos os esforços necessários para honrar os compromissos das entidades com a sociedade. “Ressaltamos, entretanto, que isso só será possível pelo período de 90 dias estabelecido na MP 932/2020 para a redução das contribuições do SESI e do SENAI”, alerta.

Federações estaduais

Dados preliminares da CNI mostram que, em apenas quatro das 27 unidades da Federação brasileira, o Sistema Indústria terá condições plenas de enfrentar três meses de cortes no orçamento, devido à especificidade das contribuições e da conformação do Produto Interno Bruto (PIB) industrial em cada estado e no Distrito Federal. “Somos uma rede de proteção social dos trabalhadores da indústria e milhares de famílias brasileiras. O eventual corte aprofunda ainda mais a crise que estamos vivendo”, diz Andrade.

Apesar dos riscos que o corte de recursos traz para as atividades desenvolvidas pelo Sistema Indústria, a CNI e as federações estaduais da indústria decidiram concordar com a aprovação, pelo Congresso Nacional, da Medida Provisória 932/2020. Tomada em reunião colegiada virtual, a decisão foi comunicada por meio de carta enviada no começo de abril ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e  ao presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“No nosso entendimento, medida provisória não é instrumento legal nem legítimo para tal providência. Entretanto, de forma solidária, concordamos com a aprovação da MP, tendo em vista a gravidade do atual momento, bem como a necessidade de recursos por parte das empresas para manterem suas estruturas e preservarem empregos”, registra a CNI no documento enviado, também, a todos os senadores, deputados federais e presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro.

Embora tenham concordado com o corte de 50% nas contribuições das empresas, a CNI e as federações estaduais manifestaram objeção veemente ao dispositivo da MP 932/2020, que aumenta de 3,5% para 7% a taxa de administração cobrada pela Receita Federal para fazer o recolhimento das contribuições compulsórias das empresas para, então, repassá-las às entidades dos serviços sociais autônomos. 

“A nosso ver, trata-se de um contrassenso, uma vez que a justificativa declarada dessa MP é a desoneração das empresas, além de se tratar de uma medida meramente arrecadatória, sem qualquer justificativa ou conformidade com o momento atual”, diz o presidente da CNI.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Mapa das iniciativas das federações para combater o coronavírus
SENAI oferece cursos online para trabalhadores com contratos suspensos
SENAI e USP trabalham em parceria para fabricar peças para respiradores

Comentários