Delegação brasileira embarca para disputar o mundial de profissões técnicas na Rússia

63 jovens treinados pelo SENAI e pelo Senac viajaram para a Rússia, onde participam da WorldSkills, a olimpíada de educação profissional; Brasil é uma das delegações favoritas
Delegação brasileira no embarque para a Rússia

Expectativa e ansiedade se misturaram durante o embarque, neste domingo (18), da delegação brasileira que vai competir na WorldSkills em Kazan, na Rússia. Moradores de 12 estados, 63 jovens deixaram o Brasil para representar o país na olimpíada mundial de profissões técnicas, que ocorre entre os dias 22 e 27 de agosto.

Depois de dois anos de rigoroso treinamento, dos quais sete meses vividos em Brasília longe da família, Gabriele Raiser, de Blumenau (SC), não escondia a empolgação com a tarefa de representar o Brasil na categoria Vitrinismo. “É uma mistura de sensações muito louca, porque, ao mesmo tempo em que eu estou tranquila, porque eu sei o que estou fazendo, dá um nervosismo de imaginar o que vai acontecer. Tem uma ansiedade e um nervosismo, mas muito positivo”, conta a competidora, cuja meta é conquistar a primeira medalha de ouro para uma mulher brasileira no torneio.

A WorldSkills é a maior competição de educação profissional do planeta. A cada dois anos, jovens de até 22 anos disputam medalhas de ouro, prata e bronze em provas que reproduzem o dia a dia das profissões. Neste ano, na cidade russa, mais de 1.200 jovens de 63 países vão competir em 56 ocupações.

O Brasil terá representantes em todas as áreas. O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) treinou 56 participantes e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) orientou outros sete. A delegação verde e amarela é uma das favoritas da disputa.  Os brasileiros  ficaram em 1º lugar no pódio em 2015, quando a competição ocorreu em São Paulo e, na última edição, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, conquistou o 2º lugar.

Gildson Hugo Cardoso, de Alagoas, vai competir na ocupação Web Design

O caminho para Gildson Hugo Cardoso, de 21 anos, morador de Maceió (AL), para administrar a expectativa foi confiar no treinamento recebido. “A ansiedade é um dos fatores que a gente tem de controlar agora, o importante é estar com o pé no chão, confiar no trabalho que a gente fez e quando chegar lá, repetir o que fizemos no treinamento”, disse, confiante nas chances de obter uma medalha na ocupação Web Design, área em que o Brasil tradicionalmente tem bons resultados. “Minha expectativa é a melhor resultado possível, que é o ouro”, espera.

Carlos Augusto Leotte Brys é o representante brasileiro na ocupação Instalações Elétricas Prediais

A ansiedade pelo resultado não era apenas dos competidores. A mãe, a namorada e as irmãs de Carlos Augusto Leotte Brys, de Sapucaia do Sul (RS), foram até o Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, para se despedir do jovem. “Tínhamos que estar com ele neste momento”, explicou a mãe, Valquíria.

A festa da esperada medalha já está preparada. E não será a primeira. A família de Carlos Augusto, competidor de Instalações Elétricas Prediais, o acompanhou em cada passo da trajetória dele como competidor: viajou a Cachoeirinha e Gravataí para vê-lo vencer a seletiva estadual e comemorou a vitória nacional em Campo Grande, quando ele conquistou uma vaga na delegação brasileira. “Cada vez que ele ganhava, era faixa, churrasco, tudo o que tinha direito”, contou a orgulhosa mãe do competidor.

 A partir de agora, a família Brys já começa a contar os dias para a desejada festa da maior conquista da vida do jovem: o pódio em Kazan. As provas da WorldSkills serão realizadas entre os dias 23 e 26 e a cerimônia de premiação ocorrerá no dia 27. 

Relacionadas

Leia mais

Ainda não sabe o que fazer? SENAI está com vagas abertas em vários cursos
Espelho, espelho meu: catarinense busca o ouro em Terapia da Beleza no mundial de profissões
Segurança Cibernética: Impedir ataques na internet é o principal objetivo de ocupação inédita da WorldSkills

Comentários