Contrato Verde e Amarelo dá continuidade à modernização das leis trabalhistas

Presidente do Conselho de Relações do Trabalho da CNI, Alexandre Furlan, fez a afirmação durante audiência pública sobre a Medida Provisória que cria o programa de incentivo à contratação de jovens
Alexandre Furlan (E): "Estamos a tratar de uma nova modalidade que visa inserir jovens no mercado de trabalho, do qual hoje eles estão alijados".

O presidente do Conselho de Relações do Trabalho da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Alexandre Furlan, afirmou nesta quarta-feira (12) que o Contrato Verde e Amarelo é um passo importante na continuidade da modernização trabalhista. Ele participou de audiência pública na Comissão Mista do Congresso Nacional destinada a examinar a Medida Provisória nº 905/2019, que criou novo modelo de contrato de trabalho voltado a incentivar a contratação de jovens sem experiência.

Publicada em novembro de 2019, a MP foi prorrogada e terá que ser votada nos próximos 60 dias para se tornar lei.
 
“O Contrato Verde e Amarelo é a continuidade daquilo que temos chamado de modernização das leis trabalhistas e caminha no sentido do nosso desenvolvimento econômico. Estamos a tratar de uma nova modalidade que visa inserir jovens no mercado de trabalho, do qual hoje eles estão alijados”, enfatizou Furlan.

De acordo com o dirigente da CNI, o programa dá aos jovens a oportunidade do primeiro emprego e de interagir com trabalhadores mais experientes. “Aquele que se mostrar um bom trabalhador terá muita chance de ser incorporado à empresa ao final do Contrato Verde e Amarelo”, destacou. 

O modelo criado pela MP 905 permite a contratação de jovens de 18 a 29 anos que nunca tiveram emprego formal, com prazo de contrato máximo de dois anos. Segundo o governo, o trabalhador contratato por esse sistema custará entre 30% e 34% a menos para a empresa.

Medida Provisória traz outros avanços importantes   

O presidente do Conselho de Relações do Trabalho da CNI observou que outras medidas importantes foram criadas pela MP 905. Ele mencionou a desburocratização dos procedimentos para trabalho aos domingos e feriados e o estabelecimento de orientações sobre acordos com a fiscalização do trabalho e o Ministério Público do Trabalho (MPT), como prazos e destinação de multas. 

“Os Termos de Ajustamente de Conduta com o MPT eram perenes. Com a Medida Provisória, as partes deverão de dois em dois anos revisar o Termo, de acordo com as novas condições de trabalho e a Lei, o que é positivo”, afirmou Furlan.

Relacionadas

Leia mais

Investimento em saúde e segurança do trabalho aumenta produtividade
Reforma trabalhista gerou aumento do diálogo nas relações do trabalho, diz Alexandre Furlan
Conselho de Relações do Trabalho avalia propostas de avanço na modernização trabalhista

Comentários