Indústria de petróleo e gás investe nos objetivos do desenvolvimento sustentável

Setor mantém ações que incluem o cuidado com a saúde dos motoristas de transporte de combustíveis, o recolhimento e a reciclagem de embalagens e uma ferramenta que facilita a tomada de decisões em caso de derramamento de óleo no mar

Atenta às transformações em curso e às tendências mundiais, a indústria de petróleo e gás instalada no Brasil investe em iniciativas em prol do meio ambiente, da educação e da saúde da população. Entre as ações das empresas estão, por exemplo, o programa que ajuda a melhorar a saúde dos motoristas de transporte de combustíveis, a iniciativa que recolhe e recicla as embalagens plásticas de óleos lubrificantes, a valorização do ensino da área de ciências e uma ferramenta que facilita a tomada de decisões em caso de derramamento de óleo no mar. 

As ações desenvolvidas pelas empresas estão no estudo O Mapeamento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável no Setor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, que integra o conjunto de 14 documentos setoriais do Projeto CNI Sustentabilidade. "O petróleo e o gás são pilares fundamentais do sistema energético global e, como tal, são motores do desenvolvimento econômico e social", afirma o estudo organizado pelo Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP).

O Instituto considera que a transição energética deve contar com o desenvolvimento de novas tecnologias que confiram maior eficiência energética e melhor gestão de carbono à indústria, e sinais econômicos que viabilizem sua implementação nas operações.

O setor de petróleo tem hoje um papel preponderante na oferta mundial de energia – e continuará a ser relevante no longo prazo. Atualmente, cerca de 52,5% da energia primária mundial é suprida pelo setor de petróleo e gás.

Com a introdução de novas tecnologias renováveis na matriz energética mundial, esse percentual será reduzido ao longo do tempo, mas projeções indicam que o setor permanecerá suprindo uma parte significativa (50%, em 2040) da necessidade de energia do mundo. Em particular, o gás natural, que vem sendo apontado como um elemento fundamental na transição para uma economia de baixo carbono, principalmente na geração de eletricidade, para fazer frente à intermitência das fontes renováveis.

Secretário-geral do Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), Milton Costa Filho

O secretário-geral do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IDP), Milton Costa Filho, destaca que, para o setor ser sustentável e conceptivo, é preciso buscar a eficiência energética, provendo mais com menor custo e maior escala. “Iniciativas que fomentem o debate em torno da inovação, da segurança, meio ambientes e saúde são fundamentais para a garantir a competitividade do setor e a retomada do crescimento e dos investimentos de forma sustentável. Isso gera empregos, renda e tributos para a população,” salienta o representante. 

Além disso, o setor busca minimizar o impacto de suas atividades e aposta na proteção do ambiente, na saúde e segurança e nos direitos humanos, integrando os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) aos negócios das empresas. O estudo destaca as ações empresariais para o alcance desses objetivos. Confira as iniciativas empresariais que atendem aos objetivos do desenvolvimento sustentável.

•    Programa Saúde na Estrada, da Ipiranga Produtos de Petróleo S/A

A ação atende ao ODS 3 que pretende assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos em todas as idades. O programa da Ipiranga realiza, entre outras ações, exames clínicos gratuitos para motoristas de caminhões, incluindo exames para glicemia, pressão arterial, acuidade visual, índice de massa corporal e vacinas.

Os participantes também recebem informações sobre doenças sexualmente transmissíveis e dengue. Além disso, o projeto divulga materiais de comunicação que visam conscientizar e mobilizar os motoristas contra a exploração sexual de crianças e adolescentes. Desde que foi criados, em 2008, o programa visitou mais de 168 municípios, realizou 843 eventos e ajudou mais de 400 mil pessoas. 

•    Plataforma educativa Educação para o Desenvolvimento Sustentável de Comunidades Litorâneas, da Repsol Sinopec Brasil

A iniciativa, que atende ao ODS 4, que visa assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade para todos, oferece qualificação profissional a comunidades litorâneas do Rio de Janeiro e São Paulo.  Os cursos são ministrados em uma unidade móvel equipada com computadores e kits multimídia que atendem 25 alunos por turma.

Nas aulas são oferecidas palestras nas áreas de saúde e meio ambiente e cursos voltados para a comunidade pesqueira, como gestão de resíduos do mar, processamento de pescados, manutenção preventiva de motores, radioamador, pescador profissional e marinheiro auxiliar de convés e outras atividades relacionadas à atividade da pesca. Desde que foi criada, em julho de 2009, a Plataforma Educativa beneficiou 12 mil pessoas de 18 cidades. 

•    Projeto de Educação Ambiental Fortalecimento da Organização Comunitária (Pea-Foco), executado pela multinacional norueguesa Statoil

O programa, do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) atende ao ODS 5, que busca alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. São beneficiadas as mulheres que participam das atividades de pesca artesanal em nove comunidades e dois municípios da Bacia de Campos, no Rio de Janeiro. O projeto oferece palestras, cursos e incentiva as mulheres a participarem dos debates dos problemas regionais. 

•    Iniciativa Jovem e Iniciativa Empreendedora, da Shell do Brasil

O programa atende ao ODS 8, que visa promover o crescimento econômico sustentado e o emprego decente e produtivo para todos. Com as duas iniciativas, a empresa pretende formar no Brasil a maior rede de empresários comprometidos com o desenvolvimento sustentável e à inovação.

•    Tecnologia que mede a sensibilidade, da Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP)

A iniciativa está sintonizada com o ODS 9, que visa construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização sustentável e fomentar a inovação. O projeto, realizado entre 2011 e 2014, resultou em 22 mapas que mostram os diversos tipos de contorno da costa - manguezais, praias, margens de rios e outros - nos municípios de Canavieiras, Una e Belmonte, conforme o grau de sensibilidade de cada tipo de costa a eventuais derrame de óleo. É o mais completo e detalhado estudo do tipo realizado no Brasil e está à disposição das comunidades locais para desenvolver ações de preservação ambiental. 

•    Logística reversa de embalagem de óleos lubrificantes, do Instituto Jogue Limpo (união de indústrias de óleos lubrificantes)

A ação atende ao ODD 11, que visa tornar as cidades inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis. O projeto contrata empresas que recolhem e reciclam as embalagens plásticas de óleo lubrificantes. Desde 2005, o projeto recolheu 530 milhões de embalagens em 42 mil pontos de coleta espalhados pelo país. Foram 4.500 toneladas de plástico com destinação ambiental correta.

•    Iniciativa de petróleo e gás sobre o clima, grupo que reúne dez empresas do setor

A ação está alinhada ao ODS 13, que busca a adoção de medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos. O grupo de dez empresas, responsáveis por mais de um quinto da produção global de petróleo e gás,  decidiu, em novembro de 2016, que  investirá US$ 1 bilhão na próxima década no desenvolvimento de tecnologias capazes de reduzir as emissões de gases do efeito estufa. Fazem parte do grupo grandes multinacionais como Statoil, Shell, Repsol, Pemex, BP (British Petroleum).

•    Mapeamento ambiental para resposta de emergência no mar (Marem), de um grupo de empresas do setor

A iniciativa atende ao ODS 14, que busca a conservação e uso sustentável de oceanos e mares e dos recursos marinhos. O Marem é uma ferramenta técnica que indica áreas sensíveis e facilita o planejamento de respostas a emergências em casos de derramamento de óleo no mar. Também ajuda na tomada de decisões sobre estratégias de proteção e limpeza da costa.
 
•    Quilombos no projeto de educação ambiental, executado pela Shell do Brasil

A ação está alinhada ao ODS 16, que visa promover sociedades pacíficas, inclusivas, com acesso à Justiça para todos. A Shell Brasil executa o projeto do Ibama, que leva educação ambiental para as comunidades quilombolas da Bacia de Campos. Participam do projeto 21 comunidades de oito municípios do Rio de Janeiro e do Espírito Santo.  

SAIBA MAIS - Faça o download dos documentos que apresentam as ações da indústria brasileira para o desenvolvimento sustentável, divididos por setores de atuação, no site do CNI Sustentabilidade.

SÉRIE COMPLETA - Acompanhe a série Indústria Sustentável na página do especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Indústria extrativa reusa 85% de água e trabalha para diminuir geração de resíduos
Os 10 cursos do SENAI mais buscados em 2017
A intensidade é fraca, mas os sinais são de recuperação, afirma diretor da CNI

Comentários