É urgente aprovar leis que modernizem o setor elétrico, diz presidente de Conselho da CNI

Em reunião do Conselho de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, especialistas e representantes do governo discutiram medidas para segurança hídrica e energética

Atual crise energética não se compara às de 2001 e 2014 porque hoje o Brasil é menos dependente das usinas hidrelétricas

Para aumentar a segurança energética, é urgente aprovar leis que modernizem o setor elétrico. A afirmação é de Marcelo Thomé, presidente do Conselho de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Coemas) da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em reunião nesta segunda-feira (28). Entre as propostas defendidas pelo setor industrial, está a criação de um mercado livre de energia no país.

Outro desafio é dar resolução mais ágil às demandas ambientais e de comunidades indígenas em relação à instalação de novas usinas hidrelétricas. “Quando se analisa os impactos é importante considerar as emissões de CO² por termos de usar térmicas em vez de hidrelétricas”, destacou Thomé.

A opinião é compartilhada pelo presidente do Fórum de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Setor Elétrico (FMASE), Marcelo Moraes. Segundo ele, é motivo de orgulho o Brasil ter a matriz elétrica mais limpa do mundo. “Está a anos-luz à frente das matrizes de outros países e da média mundial de energias renováveis”, ressaltou.

Domingos Andreatta, secretário adjunto de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia (MME), afirma que a atual crise energética não se compara às de 2001 e 2014 porque hoje o Brasil é menos dependente das usinas hidrelétricas. Ele destacou que houve crescimento de outras fontes renováveis, com destaque para a eólica. “Para 2030, deve haver um incremento de 27% na matriz energética do país e a participação das usinas hidrelétricas deve cair dos atuais 61% para 49%”, anunciou Andreatta.

De acordo com o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Thiago Barral, o que permite o país passar por essa crise energética com mais tranquilidade é a tendência de diversificação da matriz elétrica brasileira e o maior intercâmbio energético entre as regiões, com maior capilaridade do sistema de transmissão. “Isso se deve ao trabalho de dados e informações de qualidade que rebatem no planejamento de expansão da matriz elétrica”, afirma Barral.

"É importante considerar as emissões de CO2 por termos de usar térmicas em vez de hidrelétricas" - Marcelo Thomé, presidente do Coemas

Em relação à crise hídrica, Patrick Thomas, superintendente de Regulação da Agência Nacional de Águas (ANA), disse que pode haver impacto sobre os usos outorgados e atividades de turismo e lazer. Ele anunciou que poderão ser instaladas bombas flutuantes, além de reservatórios redundantes, para garantir o abastecimento hídrico e medidas como o aumento da geração hidrelétrica na Bacia do Rio São Francisco.

Instituto Amazônia+21 vai apoiar o financiamento de inovações sustentáveis na Amazônia Legal

O presidente do Coemas, Marcelo Thomé, apresentou a proposta do Instituto Amazônia+21, que será inaugurado em breve pelas Confederações Nacionais da Indústria (CNI), do Comércio (CNC) e da Agricultura (CNA) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

O intuito é assessorar projetos inovadores desenvolvidos por empreendimentos na região da Amazônia Legal, conectando-os com parceiros privados para financiamento.

Relacionadas

Leia mais

Secretário de Energia Elétrica do MME apresenta propostas para modernização do setor
Dois terços das indústrias têm prejuízos com falhas no fornecimento de energia elétrica, diz pesquisa da CNI
Financiamento do desenvolvimento sustentável da Amazônia passa por mais crédito

Comentários