SENAI entrega máscaras descartáveis a hospital de São Paulo

Doação de material beneficiará área da saúde na luta contra a propagação da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus
O SENAI de São Paulo produzirá 200 mil máscaras por mês, durante três meses, totalizando as 600 mil

Diante da urgência que se apresenta no momento, com a propagação do novo coronavírus no país, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) de São Paulo entregou o primeiro lote de máscaras, das 600 mil que foram anunciadas na semana passada pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e do SENAI/SP, Paulo Skaf, durante videoconferência com empresários e o presidente da República, Jair Bolsonaro.

O primeiro lote, de 1.000 máscaras, foi entregue por Skaf ao diretor do Hospital do Rim, Doutor José Medina. O presidente da FIESP parabenizou os profissionais de saúde trabalho realizado. “Parabéns a você e a todos os médicos do Brasil, assim como enfermeiros e demais profissionais da saúde que estão na luta, como guerreiras e guerreiros nos hospitais, prestando atendimento à população de nosso país”, disse o presidente Skaf.

A instituição produzirá 200 mil máscaras por mês, durante três meses, totalizando as 600 mil anunciadas pela entidade. A fabricação é feita com material denominado não tecido, que após a confecção é esterilizado e embalado para ser distribuído.

A Escola SENAI Francisco Matarazzo foi a responsável pela produção do primeiro lote e, para acelerar o trabalho, outras unidades contribuirão para atingir a cota total de máscaras, que serão distribuídas a outros hospitais para atendimento aos pacientes.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

A importância da cal no combate ao novo coronavírus
Indústrias do Rio de Janeiro doam 36 mil litros de álcool a hospitais
SENAI do Rio Grande do Norte doa 1,5 mil máscaras para hospitais públicos

Comentários