Institutos SENAI de Inovação buscam nova fórmula para produzir álcool em gel

O ISI Biomassa, no Mato Grosso do Sul, coordenará o projeto que foi aprovado dentro do Edital de Inovação para a Indústria na categoria “Missão Contra Covid-19”
Os institutos tem o objetivo de desenvolver pelo menos seis novas fórmulas

Devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a demanda por álcool em gel 70°, indicado para assepsia das mãos para auxiliar no combate à doença, aumentou de forma significativa no Brasil. Tal ação ocasionou a escassez de uma das matérias primas no mercado: o espessante ou polímero de acrílico conhecido como carbopol ou carbomer.

Buscando solucionar esse problema, o Instituto SENAI de Inovação em Biomassa (ISI Biomassa), localizado em Três Lagoas (MS), coordenará um projeto para encontrar novas fórmulas de produção de álcool em gel que substituem o uso do carbopol.

O projeto, realizado em parceria com o ISI Biossintéticos, do Rio de Janeiro (RJ), e o ISI Polímeros, de São Leopoldo (RS), foi aprovado dentro do Edital de Inovação para a Indústria na categoria “Missão Contra Covid-19” e receberá um investimento de R$ 2,6 milhões, financiado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

Na avaliação do diretor-regional do SENAI/MS, Rodolpho Caesar Mangialardo, o mundo vive uma situação delicada em que é necessária a união das instituições para combater o avanço da doença.

“Já atuamos no desenvolvimento de pesquisa e inovação para apoiarmos as indústrias brasileiras e esse é momento de utilizarmos toda a nossa expertise e nossa estrutura para fomentar ações com foco na saúde”, afirmou Mangialardo.

A diretora do ISI Biomassa, Carolina Maria Machado de Andrade, explica que o objetivo é desenvolver pelo menos seis novas fórmulas de álcool em gel, que serão disponibilizadas para potenciais produtores em todo país.

“Mato Grosso do Sul é um dos maiores produtores de etanol do país, uma matéria prima essencial, e temos uma parceria com a Adecoagro Vale do Ivinhema, localizada em Angélica (MS), que fornecerá esse etanol para fazermos o escalonamento industrial com o novo material que estamos pesquisando. A ideia é termos nos próximos 40 dias respostas iniciais sobre esse material”, finalizou Carolina.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

SENAI e TCE fecham parceria para manutenção de respiradores
Centro de triagem montado em ginásio do SESI já está funcionando
Respirador da UFPB, 37 vezes mais barato, ficará com licença aberta para empresas produzirem

Comentários