Empresas vão fabricar ventiladores pulmonares em Santa Catarina

Com apoio da FIESC, a iniciativa é resultado de acordo entre as empresas WEG e Leitung dentro do programa Mais Respiradores
A iniciativa faz parte do programa Mais Respiradores, coordenada pelo SENAI

A companhia catarinense WEG S.A. assinaou um acordo de transferência de tecnologia com a empresa Leistung Equipamentos - fabricante de Equipamento Médico-Hospitalares - para produzir respiradores artificiais que serão utilizados por pacientes com Covid-19.

O acordo é fruto dos esforços da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) e da Associação Catarinense de Medicina (ACM), para a ampliação da disponibilidade nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) do estado e do país de respiradores pulmorares, aparelhos considerados cruciais nos casos graves da doença causada pelo novo coronavírus.

O presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, destaca que a iniciativa mostra a capacidade técnica e o engajamento social da indústria catarinense. “A FIESC e os Institutos SENAI de Inovação, ao lado da ACM, fazem um papel de articulação. Identificamos que existem produtores nacionais, com capacidade de produção limitada, adequada ao mercado existente antes do surgimento do novo coronavírus, e que existem empresas com capacidade de realizar a produção em grandes escalas”, explica. Outros projetos do gênero estão em negociação.

Cada ventilador pode salvar de 10 a 20 vidas

Pelo contrato assinado entre as empresas, a WEG passa a ter a licença para produzir o respirador com base técnica no aparelho de ventilação mecânica pulmonar Luft-3 da Leistung. Conforme o anúncio da Weg, a empresa vai utilizar a estrutura das suas fábricas de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, para produzir os respiradores e trabalha com a possibilidade de fazer ajustes ao projeto para agilizar a produção.

A projeção é fabricar 50 ventiladores por dia, com entregas a partir da segunda quinzena de maio. A implantação da linha de produção seguirá todos os protocolos sanitários de higienização e demais medidas protetivas recomendadas pelas autoridades de saúde para as indústrias, informou a Weg. 

Mais Respiradores

Esta é uma das frentes de ação para a ampliação do número de respiradores nos hospitais do país, intitulada Mais Respiradores e coordenada em âmbito nacional pela FIESC e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) de Santa Catarina. As outras são a importação, a adaptação de produtos similares e o conserto de máquinas que estavam danificadas.

No âmbito da importação, a FIESC e a ACM articularam a aquisição, pelo governo catarinense, de 200 aparelhos chineses. O trabalho contou com parceria da Intelbras.

A frente voltada para a adaptação de produtos similares está atuando no sentido de adequar aparelhos veterinários para uso humano. Técnicos dos institutos SENAI, com apoio de médicos indicados pela ACM, estão pesquisando soluções a serem agregadas por uma indústria do estado de São Paulo e pode vir a produzir mil máquinas por mês. Mas estes aparelhos seriam indicados para casos menos graves.

A quarta frente de ação consiste no conserto de máquinas danificadas. A equipe do Instituto SENAI em Joinville, reforçada por técnicos da Whirpool e da GM, iniciou a manutenção de aparelhos recebidos da rede pública catarinense.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

SENAI Amazonas cria respirador para pacientes infectados por coronavírus
SESI Ceará vai custear capacitação de médicos que vão tratar covid-19
FIEMG ajuda na ampliação de leitos hospitalares para pacientes com covid-19

Comentários