Conheça as iniciativas do SENAI/Ceará no combate ao coronavírus

Produção de máscaras de proteção em larga escala e manutenção de aparelhos respiratórios são algumas das ações da instituição
Ao todo, 1.000 litros de álcool em gel devem ser produzidos nos próximos dias

Desde a intensificação do combate à covid-19, as indústrias químicas têm enfrentado um desafio na fabricação do álcool em gel: a escassez no mercado brasileiro de um ingrediente fundamental para o produto, o carbômero.

Com o objetivo de mitigar o problema, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) do Ceará uniu uma equipe de químicos e conseguiu validar em laboratório um dos compostos substitutos existentes no mercado, e autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para o carbômero não disponível.

O produto produzido pelo Instituto SENAI de Tecnologia (IST) conta ainda com glicerina (umectante) e vitamina E (hidratante para as mãos). Ao todo, 1.000 litros de álcool em gel devem ser produzidos nos próximos dias para serem doados para a Secretaria de Saúde do Ceará (SESA). A produção deve levar 10 dias.

Produção de máscaras em larga escala

Todas as unidades do SENAI em Fortaleza, Sobral e Juazeiro do Norte estão envolvidas na produção de máscaras de acetato, equipamentos utilizados pelos profissionais de saúde que estão em contato direto com pessoas infectadas com o coronavírus. Ao todo, 30.000 máscaras serão doadas para a SESA. 

Em relação a isso, a novidade vem do Instituto SENAI de Tecnologia de Maracanaú. Graças a uma solução desenvolvida pela equipe do Instituto, a velocidade da produção das máscaras deverá aumentar 4500%.

Os elementos que antes eram fabricados através de impressoras 3D, agora serão produzidos através de uma injetora. Cada impressora conseguia imprimir uma máscara a cada três horas, mas o novo processo produtivo permitirá a fabricação em larga escala, com uma produção diária de 3000 mil máscaras. 

"Isso foi possível graças a um molde desenvolvido pela equipe do IST, que permitirá o processo de produção de peças por injeção", explica o gerente do IST, João Giffoni.

A máquina injetora de plástico é usada no processo de fundir e moldar polímeros de acordo com a peça que será criada no processo de transformação. Nessa operação, o plástico é aquecido e injetado em um molde que em seguida é resfriado e, então poderá ser aberto para extração da peça.

Todo o funcionamento da injetora de plástico acontece por meio de um sistema hidráulico que regula a temperatura e mantém a força das tarefas. Da mesma maneira, a atividade é monitorada por um sistema de controle que mantém o bom funcionamento do processo.

Serão produzidos 1.000 aventais e 8.000 máscaras

Aventais hospitalares e máscaras TNT

No SENAI Parangaba, a produção de aventais hospitalares e máscaras descartáveis de TNT (as mais comuns, encontradas em farmácias) estão a todo vapor. Serão produzidos 1000 aventais e 8.000 máscaras. 

Manutenção de ventiladores mecânicos

Um dos grandes desafios no combate à covid-19 é a pouca quantidade de ventiladores existentes nos hospitais. Por isso, todos os ventiladores existentes precisam ser bem aproveitados. Em caso de defeito de uma das peças dos ventiladores, a demora pode ser grande para a manutenção ou substituição, além do preço alto.

Pensando nisso, o SENAI Ceará disponibilizou sua equipe de docentes e especialistas para criar peças que possam substituir as que apresentarem defeito. O grupo está de sobreaviso para entrar em ação se qualquer ventilador precisar de manutenção. Duas salas, com condições higiênicas e de isolamento, estão à disposição da equipe, em Jacareacanga.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

O aprendizado não pode parar
Indústrias do Rio de Janeiro doam 36 mil litros de álcool a hospitais
SENAI do Rio Grande do Norte doa 1,5 mil máscaras para hospitais públicos

Comentários