A indústria une forças contra o coronavírus

Conheça as iniciativas de empresas, sindicatos, associações, federações e do Sistema Indústria para ajudar o Brasil a superar a crise do coronavírus

A indústria e o poder público estão trabalhando juntos para melhorar a capacidade de prevenção, diagnóstico e superação do novo coronavírus. Construção de centro de tratamento à Covid-19; produção de álcool 70%, produtos de limpeza, máscaras e aventais hospitalares para a distribuição gratuita para comunidades carentes e unidades hospitalares; aumento na produção e conserto de respiradores mecânicos; cursos on-line gratuitos e um edital de inovação no valor de R$ 10 milhões para apoiar projetos que ajudem na prevenção, diagnóstico e tratamento da covid-19. As ações se multiplicam para ajudar o Brasil a enfrentar a pandemia.

Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Serviço Social da Indústria (SESI), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e o Instituto Evaldo Lodi (IEL) têm liderado iniciativas próprias e estimulado o setor produtivo a dar a sua contribuição, diante de um momento extremamente desafiador com a paralisação de parte das atividades produtivas.

As ações articuladas com governos estaduais, prefeituras e entre as próprias empresas levam produtos básicos para áreas vulneráveis e reforçam a importância da integração entre lideranças empresariais e políticas para o Brasil superar este momento. “A indústria está fazendo a sua parte, não apenas com o intuito de garantir o suprimento de itens primordiais para a contenção da crise como o de diminuir os impactos da crise sobre a economia”, afirma o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

Estrutura do Sistema Indústria está dedicada ao combate do coronavírus

A CNI está em permanente contato com as 27 federações estaduais de indústrias e as mais 60 associações industriais para encontrar soluções e alternativas para diminuir os efeitos da crise causada pela pandemia sobre a economia e o setor produtivo. Uma das frentes foi a apresentação de 37 propostas ao governo federal, que incluem medidas nas áreas de tributação, política monetária, financiamento e legislação trabalhista para ajudar as empresas a resistiram a queda de atividade econômica causada pela pandemia.

O SENAI colocou toda a rede de 27 Institutos de Inovação e 60 Institutos de Tecnologia a serviço do combate ao novo coronavírus. O Edital de Inovação para a Indústria, lançado no último dia 18, terá R$ 10 milhões para apoiar projetos que busquem a prevenção, o diagnóstico e tratamento da covid-19 e seus efeitos. São exemplos de iniciativas que podem participar soluções para a fabricação de respiradores mecânicos e o desenvolvimento de testes rápidos de detecção. As inscrições podem ser feitas no site do Edital de Inovação.  

O SENAI Cimatec montou, em apenas 36 horas, uma linha de envasamento de álcool líquido 70% toda em inox, a pedido do governo da Bahia, com um tanque de recebimento de 2 mil litros. 

O SESI tem produzido uma série de conteúdos com orientações sobre medidas que as empresas podem tomar para diminuir as chances de contágio entre os colaboradores, garantir a segurança nos processos de vacinação contra o H1N1 e até como as indústrias podem elaborar planos de contingência contra o coronavírus. O SESI RS antecipou a vacina contra o H1N1 no Rio Grande do Sul. Já o SESI RJ destinou uma unidade ao combate à covid-19.

O IEL ofereceu, gratuitamente, cursos on-lines e webinars voltados para a gestão. Ao todo são 11 cursos de ensino à distância com duração entre 4 a 16 horas e três seminários pela internet a serem realizados em 8, 15 e 22 de abril, sempre às 20h. O foco é manter a produtividade e a performance de quem está em regime de trabalho remoto.  

Federações, associações, sindicatos industriais e empresas integram mobilização contra o coronavírus

Empresas de todo o país estão engajadas em ajudar os municípios a se prepararem para atender um número crescente de pessoas diagnosticadas com a covid-19. As ações vão desde parcerias e doações ao SUS até a disponibilização de logística privada para entregar itens básicos aos locais mais afetados pela pandemia. Confira as iniciativas: 

LEITOS AMBULATORIAIS E UNIDADES DE TRATAMENTO

Em São Paulo, cidade com o maior número de casos confirmados até o momento, a Ambev, a Gerdau e o Hospital Albert Einstein se aliaram à Prefeitura de São Paulo para construir um novo Centro de Tratamento para a covid-19, com 100 leitos que atenderão o público exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Será um anexo do Hospital Municipal M’Boi Mirim – Dr. Moysés Deutsch, na zona sul da cidade. Os primeiros 40 leitos serão entregues em apenas 20 dias – até o fim de abril serão 100. A unidade de saúde, posteriormente, será integrada à rede pública de saúde do município.

Quem também vai apoiar o SUS são as Lojas Renner. O grupo vai destinar R$ 4,1 milhões para hospitais públicos em Santa Catarina (São José, em Criciúma, e São Donato, em Içara), Rio Grande do Sul (hospitais Conceição e Clínicas, de Porto Alegre) e São Paulo (unidades de referência e como o InCor). A comunidade do bairro Bom Jesus, em Porto Alegre, onde moram 35 mil pessoas, próximo à sede administrativa da empresa, também deve ser beneficiada. A empresa informou que esse é o esforço inicial, mas novas medidas podem ser adotadas.

O Itaú Unibanco vai doar R$ 150 milhões, por meio da Fundação Itaú Social e do Instituto Unibanco, para infraestrutura hospitalar, compra de equipamentos, cestas de alimentação e kits de higiene a serem distribuídos para comunidades vulneráveis e ajudar na contenção e tratamento de infectados.
 

RESPIRADORES MECÂNICOS

Uma parceria entre a Associação Brasileira de Engenharia Clínica (Abeclin) e o SENAI vai transformar montadoras de veículos paradas por conta da crise econômica causada pelo coronavírus em oficinas de conserto de respiradores mecânicos. Os profissionais das próprias montadoras colocados em férias coletivas ou com os contratos de trabalho suspenso viraram voluntários para consertar respiradores. O mapeamento inicial dos aparelhos inoperantes chegou a 3 mil unidades em todo o país, mas os coordenadores do projeto acreditam que o número pode ser muito maior.

A expertise e a alta tecnologia usadas na construção de aviões da Embraer estão sendo colocadas à disposição de outras empresas e centros de pesquisas do Brasil para desenvolver equipamentos e soluções para o combate ao Covid-19. A ação integrada trabalha na fabricação de peças para a indústria de ventiladores, filtros de alta eficiência e respiradores. Entre as estratégias estudadas está o desenvolvimento de sistemas de exaustão para controle biológico, que pode converter leitos regulares em áreas de tratamento intensivo, por meio da tecnologia de filtros de alta eficiência de absorção de partículas de ar, já existentes nos sistemas de ar condicionados das aeronaves.

A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) levantou junto ao governo a necessidade de produção adicional de 2 mil respiradores mecânicos por mês e tem articulado com as empresas fabricantes dos componentes para organizar uma linha de produção capaz de atender a demanda. 

No Ceará, o SESI doou R$1 milhão para a Secretaria de Saúde estadual adquirir equipamentos para atender os pacientes com covid-19. A ação fez parte do engajamento de empresários locais, que juntaram R$ 5 milhões para ajudar o estado. Ação semelhante ocorreu em Pernambuco, onde cerca de 80 representantes da iniciativa privada, entre eles diversos membros da Federação de Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE), se uniram para arrecadar recursos e comprar equipamentos para hospitais do estado.

A Associação Nacional dos Fabricante de Veículos Automotores (Anfavea) anunciou que as montadoras estudam usar as 37 fábricas que estão paradas no Brasil para produzir respiradores, equipamentos fundamentais no tratamento da covid-19. Uma das ideias é usar impressoras 3D para fabricar peças de ventiladores e montadores a serem montados por empresas especializadas.

Em Santa Catarina, um grupo de empresas, lideradas pela Federação de Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), importou 200 respiradores mecânicos, em parceria com o governo do estado. É o primeiro resultado prático do programa + Respiradores, uma iniciativa da Rede SENAI de Institutos de Inovação. Os equipamentos serão doados ao SUS. 

O grupo que engloba a MRV, Banco Inter e LOG CP anunciou a compra no valor de R$ 10 milhões em respiradores mecânicos para a rede hospitalar do estado de Minas Gerais, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG).

ÁLCOOL 70% E LIMPEZA

WEG vai produzir álcool gel em sua fábrica de tintas e vernizes no município de Guaramirim (SC) para doar a hospitais públicos de Jaraguá do Sul (SC), onde a indústria foi fundada. De acordo com a empresa, os hospitais da região já enfrentam problemas de abastecimento por causa da alta demanda. A licença junto para fabricar o produto junto à Secretaria de Estado da Saúde e à Anvisa foi conseguida com o apoio da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC).

A Bombril vai começar a produzir álcool em gel, produto que não constava no seu portfólio, nesta semana. O primeiro lote será doado para funcionários e entidades assistencialista, antes do produto ser colocado à venda.

As usinas sucroalcooleiras da Bahia vão produzir para a rede pública de saúde do estado 190 mil litros de álcool a 96%. Com a diluição para 70%, a Bahia terá cerca de 260 mil litros para distribuir. Ainda no estado, a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB) e os sindicatos de Saneantes, de Cosméticos e de Açúcar fornecerão assistência e apoio técnico na desinfecção e higienização para reabrir o Hospital Espanhol, onde serão tratados pacientes diagnosticados com covid-19. 

As indústrias ligadas ao Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso (Sindalcool) estão produzindo álcool 70% para serem distribuídas em áreas emergenciais a pedido do governo do estado. O primeiro carregamento, com 15 mil litros em mais de 800 garrafões, foi entregue no último sábado (21), na sede do 1º Batalhão do Corpo de Bombeiros, em Cuiabá.

Ação semelhante partiu dos produtores de cachaça de 11 engenhos que integram a Associação dos Produtores de Cachaça de Areia (APCA), na Paraíba. Em medida inicial, as empresas doaram 100 litros de álcool para o sistema público de saúde da região. 

Em outra frente, a Ambev também começou a produzir álcool em gel para doar a hospitais públicos. A unidade de produção da cervejaria em Piraí (RJ) será usada para fabricar etanol e garrafas onde serão envasadas 500 mil unidades de álcool em gel, que serão doadas a hospitais públicos em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Ypióca entregou 100 mil frascos de álcool em gel para o Ceará, estado que também registra número alto de casos confirmados de covid-19 no Brasil, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Quem também vai doar álcool é o Grupo Cosan, por meio da Raízen, maior produtora de etanol a partir da cana. A empresa obteve autorização da Anvisa para produzir álcool etílico 70%. Cerca de 4 mil litros serão destinados a hospitais da rede pública da Grande São Paulo, região brasileira mais afetada pela incidência da Covid-19.

Marfrig vai começar a produzir álcool gel na sua planta do interior de São Paulo. Serão 10 toneladas por mês de álcool em gel. Inicialmente o produto será distribuído para as 12 unidades da companhia instaladas no Brasil. Os lotes seguintes serão entregues para os 18 mil colaboradores da indústria e entregues para unidades de saúde onde a Marfrig atua.

Pernod Ricard Brasil, fabricante de bebidas como Chivas e Absolut, vai doar 36 mil litros de álcool 70% para hospitais do estado do Rio de Janeiro.

A Natura parou de produzir, temporariamente, as linhas de maquiagem e perfumaria. As fábricas vão produzir apenas itens essenciais de higiene pessoal, álcool em gel e líquido. Parte da produção será doada. 

O reforço na produção de álcool em gel 70% para a distribuição em unidades hospitalares e comunidades carentes só foi possível graças à uma articulação da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosmético (Abihpec) junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para simplificar temporariamente a autorização de produtos antissépticos e sanitizantes como álcool gel. Antes o processo de registro podia durar 180 dias. Pela nova regra, basta a empresa notificar a Anvisa sobre a fabricação.

SABONETES

A Ypê vai doar 46 toneladas de sabão para a comunidades carentes de São Paulo e Rio de Janeiro. Esse volume equivale a 225 mil barras do produto. A fabricante de detergente também vai passar a produzir álcool em gel, produto que atualmente não faz parte do seu portfólio, para entregar a unidades de saúde.

JBS, por meio da divisão JBS Higiene & Limpeza, com planta em Lins, interior de São Paulo, iniciará a produção de 2 milhões de sabonetes que serão distribuídos em diferentes regiões do país até 4 de abril. Ao todo, serão doados mais de 300 mil kits a lares de idosos próximos às fabricas da empresa e favelas das cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, em ação coordenada junto à Central Única das Favelas (Cufa), que será responsável pela distribuição. Colaboradores da empresa em todo o país também serão beneficiados com a ação.  

A Granado Farmácias / Perfumaria Phebo  doou 1470 litros de sabonete líquido a projetos sociais atendidos pelo Unicef no Rio de Janeiro. 

TESTES PARA DIAGNÓSTICO E PESQUISA

Petrobras vai doar ao SUS 600 mil testes para diagnóstico do novo coronavírus, importados dos EUA – 400 mil para o Ministério da Saúde e 200 mil para a Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, importados dos EUA. A empresa também que vai disponibilizar parte da capacidade de processamento de computadores de alto desempenho (HPC) para colaborar com pesquisas de universidades sobre o combate ao coronavírus.

No Paraná, testes para diagnosticar o novo coronavírus em 10 minutos são o novo serviço do Hilab, laboratório da Hi Technologies, startup paranaense que receberá o apoio financeiro e de estrutura do SENAI PR. A proposta da Hi Technologies é uma das primeiras aprovadas pela chamada especial do Edital de Inovação para Indústria que apoiará projetos de diagnóstico, prevenção e tratamento à Covid-19. O Hilab é uma solução para exames rápidos e que já está disponível em farmácias de mais de 250 cidades brasileiras desde 2017. O dispositivo é capaz de transformar a amostra de sangue coleta em uma versão digital, que é ncaminhada pela internet para biomédicos. Com a ajuda de algoritmos de inteligência artificial, especialistas emitem o laudo em minutos. O paciente recebe o resultado no smartphone via SMS ou e-mail.

Vale vai comprar 5 milhões de kits de testes rápidos para o novo coronavírus, com os quais o resultado sai em 15 minutos. Eles foram adquiridos da China e serão entregues ao governo brasileiro até meados de abril. 

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Mobilizadas pela Associação Brasileira das Indústrias Ópticas (Abióptica), as empresas do setor se juntaram para ajudar a sociedade e os profissionais da saúde. A Essilor doou 5 mil óculos de proteção para o Hospital das Clínicas, de São Paulo. A Allprot também entrou no mutirão e doou 400 óculos para unidades de saúde de Campinas e também para o Hospital das Clínicas.

A Vila Romana vai confeccionar 20 mil máscaras para uso domiciliar com o estoque dos tecidos. Toda a produção vai ser doada para comunidades carentes.

A Alpargatas vai lançar uma “corrente do bem” por meio da marca Havaianas e de alguns parceiros de negócios. A empresa fará uma doação inicial de 100 mil kits de produtos essenciais para comunidades vulneráveis afetadas pelo coronavírus. A empresa vai adaptar suas linhas de produção para fabricação de produtos para profissionais da saúde, tais como jalecos, calçados e outros itens

Na PUC-Rio, impressoras 3D operadas por um grupo de pesquisadores e professores de diversas instituições do estado produzem equipamentos utilizados por médicos e enfermeiros do Sistema Único de Saúde (SUS) no estado. O grupo inclui representantes da Unirio, Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), SENAI, Governo do Rio de Janeiro, Instituto Nacional de Tecnologia (INT), Coppe UFRJ, Grupo DASA, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, Marinha do Brasil e o SOS 3D Covid 19.

Riachuelo confeccionou mais de 10 mil aventais hospitalares que serão distribuídos gratuitamente para unidades de saúde.    

Vale também está comprando equipamentos de proteção individual, como óculos, luvas e máscaras, para médicos e enfermeiros. O material será doado ao governo brasileiro.

Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) está apoiando empresas do setor para direcionarem a produção para itens essenciais no combate à pandemia, como luvas, máscaras e jalecos. A ideia é que base industrial nacional consiga atender à demanda pelos produtos, já que muitos deles estão sendo importados para suprir a necessidade do momento.

A loja de roupas My Basic, em parceria com a HJ Têxtil, vai produzir máscaras em algodão que serão doadas para pessoas vulneráveis à contaminação. A entrega será feita pela ONG Missão Belém que atende moradores de rua.  

BONFIO, empresa de linhas e fios, de Americana (SP), aderiu à campanha do SENAI SP para a produção de 600 mil máscaras, doando insumos. As máscaras serão distribuídas aos hospitais públicos do estado e nas comunidades mais carentes de proteção social. 

Já a Malwee anunciou a doação de mais 5 mil itens de material hospitalar descartável para o Hospital e Maternidade Jaraguá do Sul (SC), que se prepara para receber casos de Covid-19. As toucas e aventais foram costuradas em parceria com as confecções Sperafico e Thailua, ambas de Jaraguá do Sul. Outras 900 máscaras descartáveis serão doadas diretamente do estoque para hospitais de Jaraguá e para o Hospital de Pomerode.

Grupo Lunelli produziu 30 mil máscaras que serão distribuídas a profissionais de saúde e segurança  pública. Por serem de tecido, as máscaras precisam ser higienizadas antes do uso. O kit acompanha um folder com as instruções de como higienizar e utilizar a máscara de tecido. A empresa também doou 10 respiradores ao hospital São José de Jaraguá do Sul (SC). 

Com a escassez de máscaras no mercado, a Indecense, fábrica de lingeries e moda praia em Guaporé (RS), decidiu ajudar. Nas últimas duas semanas, a linha de produção está toda voltada para a fabricação dos itens. A produção é doada para instituições de caridade e para grupos de risco que não têm condições de pagar.  

Sancris, que produz e comercializa linhas, fios e zíperes, está fazendo parte de uma ação, em parceria com a Latina Têxtil, que produz tecidos para moda e moda íntima; e a Diklatex, que fabrica tecido. As empresas vão produzir 25 mil máscaras de tecido para ajudar a Defesa Civil de Brusque e Balneário Camboriú (SC) para distribuição a quem precisa.

A Arezzo&Co se uniu a fornecedores de tecidos e fábricas para produzir 25 mil máscaras de proteção. Os tecidos foram doados por fornecedores. Mais de 12 fábricas cederam maquinários para um grupo de voluntários produzir o primeiro lote. As máscaras serão distribuídas pelas Secretarias de Saúde em Campo Bom, Novo Hamburgo e pela Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul.

LOGÍSTICA 

Souza Cruz disponibilizou sua rede de distribuição a empresas e governos estaduais para transportar doações de produtos essenciais na prevenção ao coronavírus como: detergentes, sabonetes, álcool gel, vacinas, máscaras, além de cestas básicas. Entre os locais atendidos pela empresa estão as cidades do Rio de Janeiro e do Distrito Federal.

A Volkswagen emprestou 100 veículos às prefeituras onde mantém fábrica: São Bernardo do Campo (SP), Taubaté (SP), São Carlos (SP) e São José dos Pinhais (PR) e também para o governo do estado de São Paulo. Os carros serão usados para o deslocamento de médicos, enfermeiros, transporte de medicamentos e equipamentos de saúde. A montadora também vai doar 2 mil máscaras protetoras 3M PFF-2 (S) nestas cidades. Estas máscaras são parte do estoque da fabricante e eram utilizadas em linhas de produção e montagem. A doação é feita em cooperação com a Defesa Civil. 

TECNOLOGIA 

SAP Brasilempresa de softwares de gestão de empresas, liberou, pelo período de 3 meses, o acesso gratuito a algumas ferramentas para ajudar as empresas neste período.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Comentários