Oficina de propriedade intelectual destaca o papel dos profissionais de comunicação na divulgação do tema

Workshop em São Paulo também teve palestra da cientista Joana D’arc Félix, que tem 15 patentes concedidas no Brasil e em 30 países
Evento reuniu interessados em aprofundar conhecimentos sobre propriedade intelectual

Quando o assunto é propriedade intelectual, conceitos como patente, indicação geográfica, desenho industrial e topografia de circuitos integrados despertam dúvidas em muita gente. Considerado complexo até mesmo por especialistas, o tema requer atenção ao ser divulgado para o público, que deve se informar cada vez melhor para saber como é feita a proteção jurídica de empresas, inventores e artistas. Para isso, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) promoveram a 3ª Oficina de Propriedade Intelectual para Profissionais de Comunicação Social. O evento aconteceu nesta terça (6), na sede da CNI, em São Paulo.  

O coordenador de Comunicação Social do INPI, no Rio de Janeiro, Marcelo Chimento, falou sobre o papel da imprensa na informação e na formação de opinião diante do tema propriedade intelectual. “A falta de conhecimento mais avançado no assunto e o fato de ele ser técnico leva à simplificação de termos, e essa simplificação pode acabar sendo malfeita. Ou, então, o assunto não é divulgado por ser tão específico. Nosso propósito é engajar os veículos de comunicação na transmissão correta dos conceitos relacionados à propriedade intelectual”. Na oficina, Chimento também deu dicas aos jornalistas sobre como encontrar personagens para reportagens sobre o assunto, além de tópicos para pautas.

Profissionais de diferentes instituições participaram do workshop interessados em aprender mais sobre propriedade intelectual. Luiz Deganello trabalha na TV Cultura desde 1973 e é diretor de programas na rede de televisão. Ele se inscreveu na Oficina para levar o conhecimento adquirido para o trabalho. “Nesse momento, estou trabalhando com o acervo da TV, que é riquíssimo. Me interessei muito em saber sobre a questão dos direitos autorais, que são complexos, e o que poderia fazer para aproveitar esse acervo e propor projetos para a diretoria. É um assunto que pede cuidado”, explica.

Mas o workshop também atraiu empresários e empreendedores em busca de conhecimento sobre registros de marcas, por exemplo. Formada em Comunicação Social e pós-graduada em Gestão de Vendas e Negociação, Carla Malvazzio participou do workshop para se preparar para abrir uma empresa. “A ideia de vir aqui foi aprender como funciona o registro de marca e a importância de se ter uma marca para o empreendedor. Até mesmo no dia a dia, a gente conhece pessoas que estão indo por esse caminho e não sabem como fazer, então, é uma forma também de ajudar. Vim atrás de conhecimento”, conta. 

No evento, os palestrantes reforçaram a importância do sistema de propriedade intelectual para a inovação. Para o diretor executivo do INPI, no Rio de Janeiro, Mauro Maia, falta conhecimento sobre a relevância da inovação para o desenvolvimento econômico e social do país. “Eventos como esse ajudam a disseminar conhecimento sobre o assunto no Brasil. Muitos empreendedores não sabem, por exemplo, como registrar marca e a importância disso para os negócios”, afirma.

"O maior prêmio que eu ganhei na vida foi o poder de transformação social" - Joana D'arc Félix

PALESTRA - Além da discussão sobre o papel da comunicação na difusão de conhecimento em propriedade intelectual, o evento contou com a participação da cientista brasileira Joana D’arc Félix, cuja trajetória de vida impressionou e emocionou os participantes. A pesquisadora e professora, que tem 15 patentes concedidas no Brasil e em 30 países, enfrentou um árduo caminho para estudar e ter sucesso no mundo da ciência. Joana passou fome na infância e na adolescência, e sofreu diversos tipos de preconceito, até se tornar doutora em química precocemente, quando tinha 24 anos. “Tirei forças do preconceito que sofri para seguir adiante”, diz.

Joana é professora de química na Escola Técnica Estadual Professor Carmelino Corrêa Júnior (ETEC) e mostra que desenvolver tecnologia de ponta não é exclusividade de grandes universidades e centros de pesquisa. Junto com os alunos, produz pesquisas que levaram à criação de tecnologias e, posteriormente, a novas patentes. “Meu objetivo foi levar a iniciação científica para esses jovens a fim de reduzir a evasão escolar. Isso desperta a curiosidade dos alunos, eles desenvolvem o raciocínio lógico e aprendem a interpretar texto”, explica. 

Por meio das patentes, Joana conseguiu proteger os inventos desenvolvidos na ETEC e conquistou, não apenas dezenas de prêmios, mas também benefícios para a instituição e para os alunos. “O maior prêmio que eu ganhei na vida foi o poder de transformação social. Só por meio da educação é possível mudar de vida”, finaliza.

Relacionadas

Leia mais

"Não vou sair do Brasil. Precisamos é lutar pelo que temos aqui", afirma cientista que tem mais de 15 patentes registradas
Dia Mundial da Propriedade Intelectual destaca papel das mulheres na inovação
Digitalização da economia traz novos desafios ao sistema de propriedade intelectual

Comentários