Rede CIN auxilia empresa paraense a exportar pão de queijo, mostra TV Globo

Os empresários da indústria fizeram cursos e treinamentos para aprender como avaliar o mercado externo e enfim exportarem seus produtos
A fábrica paraense exporta pão de queijo dividindo espaço com o açaí

Conquistar o mercado internacional não é tarefa fácil. A Maryne Alimentos , indústria paraense que produz congelados como pão de queijo, pão francês, salgados, biscoito três queijos e Chipa Paraguaia, sabe bem. Foi por isso que a empresa procurou, há um ano e meio, a Federação das Indústrias do Estado do Pará ( FIEPA ). Com o auxílio da Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN) , coordenada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) , a indústria passou a vender pão de queijo para os Estados Unidos, nos estados da Flórida, Califórnia e Massachusetts. Além disso, a empresa está em negociação para vender também para o México, Paraguai e África ainda este ano. 

A empresa teve destaque no Pequenas Empresas & Grandes Negócios deste domingo (23). O programa da TV Globo mostrou que, com a Rede CIN, os empresários da indústria fizeram cursos e treinamentos. Aprenderam sobre merchandising, estudaram sobre marca, embalagem, passo a passo para exportar e desenvolveram estudo de consumo sobre a aceitação do pão de queijo lá fora. Por meio de especialistas e produtos variados, adequados às necessidades das indústrias, a Rede CIN consegue ajudar as pequenas empresas a superar as burocracias, encontrar linhas de financiamento adequadas e a destrinchar a legislação para a operação plena no comércio exterior. 

"O mercado interno nos últimos três anos tem vivido uma crise e a exportação acaba por compensar um pouco essa diminuição de resultado no mercado interno", diz Délcio Sá, um dos sócios da Maryne. Com a ajuda da Rede CIN, uma das soluções encontradas para facilitar as exportações do pão de queijo foi compartilhar os contêineres com o produto líder de vendas do Pará: o açaí, reduzindo custos não só para o exportador, como para o importador. 

A Maryne Alimentos existe desde 1993 e foi fundada pela mãe dos empresários Délcio e Diogo Sá, Maryanne Mendes. Ela começou a fazer pão de queijo em casa. O negócio cresceu, ela alugou um salão para aumentar a produção, contratou mais funcionários e depois fundou a indústria. No Brasil, a fábrica vende para as regiões Norte e Nordeste e está em negociação para começar a vender para a região Centro-Oeste. 

DIFICULDADES - O custo dos transportes e as altas tarifas cobradas por portos e aeroportos são, ao lado do excesso e complexidade das leis, os principais problemas enfrentados por micro e pequenas empresas brasileiras que operam no comércio exterior, mostra a pesquisa Desafios à Competitividade das Exportações Brasileiras - Micro e Pequenas Empresas, elaborada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) , em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Daí a importância de estabelecer parcerias com as federações de indústrias. "Realizamos estudos de mercado, apoiamos a empresa na prospecção de oportunidades de negócio para que ela identifique o seu comprador lá fora, tudo isso com a assessoria da federação de indústrias, que caminha com a empresa passo a passo", explica a gerente de serviços de internacionalização da CNI, Sarah Saldanha. 

ASSISTA - Veja a reportagem completa no site do Pequenas Empresas & Grandes Negócios 

Relacionadas

Leia mais

30 perguntas e respostas sobre o passo a passo das exportações
Cartilhas da Rede CIN explicam temas essenciais para melhorar as suas chances no comércio exterior
Brasil precisa inserir mais micro e pequenas empresas no mercado internacional, afirma Sarah Saldanha

Comentários