Etiene Medeiros quebra mais um recorde e se torna primeira campeã mundial do Brasil

A atleta do SESI de São Paulo cravou o melhor tempo nos 50m costas ao marcar 27s14 no Mundial de Budapeste, na Hungria
Com o tempo de 27s14, Etiene se tornou campeã dos 50m costas do Campeonato Mundial de esportes aquáticos, que está sendo disputado em Budapeste, na Hungria

Mais uma vez fazendo história. Depois de se tornar a primeira brasileira a ir ao pódio em um mundial júnior, a primeira medalhista e campeã em um mundial de piscina curta, garantir o primeiro ouro feminino da história do país em Jogos Pan-Americanos e ficar com vice no último mundial de piscina longa, Etiene Medeiros, atleta do Serviço Social da Indústria (SESI) de São Paulo voltou a brilhar e quebrar barreiras.

Nesta quinta-feira (27), a pernambucana cravou mais um título em sua carreira. Com o tempo de 27s14, Etiene se tornou campeã dos 50m costas do Campeonato Mundial de esportes aquáticos, que está sendo disputado em Budapeste, na Hungria. E, além do ouro, e de ouvir o hino do Brasil durante a premiação, a conquista a colocou mais uma vez como a primeira mulher brasileira a atingir um feito.

“Que prova! Acho que tive várias pessoas ao meu lado para essa prova. Foi uma temporada diferente, estava relaxada desde o início do ano. Fiquei um pouco nervosa na hora, mas foi engraçado, todas as nadadoras me desejavam boa sorte. Estou muito feliz. Foi por pouco, a chinesa é uma ótima adversária. Mas eu só tenho a agradecer”, comentou a nadadora em entrevista ao Sportv assim que saiu da água.

Após ficar bem próxima do recorde mundial, a Etiene passou pelas semifinais nos 50m costas com o melhor tempo da prova, 27s18, apenas um centésimo na frente da chinesa Yanghui Fu e ainda estabeleceu uma nova marca para sua vida. além da vaga na final, a nadadora do SESI de São Paulo conseguiu sua melhor marca pessoal (até então era 27s26), estabeleceu um novo recorde brasileiro e sul-americano, novo recorde das américas e terceira melhor marca da história.

Na final, em mais um duelo apertado com a chinesa Fu Yuanhui, a mesma que ficou com o ouro por 15 centésimos em 2015, Etiene voltou a brilhar, deu a volta por cima e ficou à frente por apenas um centésimo, quebrando mais uma vez os recordes estabelecidos no dia anterior. Aliaksandra Herasimenia, de Belarus, ficou com o bronze (27s23).

Relacionadas

Leia mais

Confira as mais lidas da Agência CNI de Notícias entre 24 e 30 de julho
SESI apresenta iniciativas de segurança e saúde no trabalho em encontro internacional
Debate destaca papel de SESI e SENAI no desenvolvimento do país

Comentários