Brasil precisa de uma política estruturada para avançar em ciência, tecnologia e inovação

Dados divulgados pelo IBGE mostram que país está numa posição muito desfavorável. CNI e MEI defendem que o país estruture políticas para garantir financiamento e segurança jurídica para investimentos na área
Para a CNI, as dificuldades provocadas pela pandemia da COVID-19 vêm mostrando o tanto que a área de ciência, tecnologia e inovação é importante e necessária para o enfrentamento de crises

As empresas consideradas inovadoras no Brasil investiram R$ 67,3 bilhões em atividades inovativas no ano de 2017, o que corresponde a 1,95% da receita líquida total das vendas no mesmo ano.

É o que mostra a Pesquisa de Inovação (Pintec), divulgada nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com os dados, entre 2015 e 2017, 33,6% das 116.962 empresas brasileiras com dez ou mais trabalhadores fizeram algum tipo de inovação em produtos ou processos, o que significa 2,4 pontos percentuais a menos que na pesquisa anterior (que avaliou o período entre 2012 e 2014). Na indústria, a queda foi ainda maior, de 36,4% em 2014 para 33,9% em 2017.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) considera que as dificuldades provocadas pela pandemia da Covid-19 vêm mostrando o tanto que a área de ciência, tecnologia e inovação (CT&I) é importante e necessária para o enfrentamento de crises do ponto de vista econômico e social.Na avaliação da CNI, os dados da Pintec mostram que os investimentos em inovação estão abaixo do potencial brasileiro. O Brasil, apesar de ser a nona maior economia do mundo, aparece apenas na 66ª posição no mais importante ranking que mede a atividade inovativa dos países – o Índice Global de Inovação.

"Esta é uma oportunidade para que o Brasil consiga se posicionar entre as 30 economias mais inovadoras do mundo até 2030”, afirma Gianna Sagazio

Para a diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio, um dos passos importantes para que o Brasil se torne um país mais inovador é aprovação da Política Nacional de Inovação. Recentemente, a CNI e a Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) – grupo coordenado pela CNI que reúne lideranças de mais de 300 das principais empresas com atuação no país – enviaram ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) contribuições para a construção dessa política.

“Esta é uma oportunidade para que o Brasil tenha uma estratégia ambiciosa na área e, com isso, consiga se posicionar entre as 30 economias mais inovadoras do mundo até 2030”, afirma Gianna. “A agenda de inovação é urgente e precisa ser vista como prioridade de país. A capacidade das empresas inovarem é determinante para aumentar o desenvolvimento econômico e social do Brasil”, acrescenta a diretora. Segundo ela, a inovação terá fundamental importância para a superação da crise ocasionada pelo coronavírus.

Entre os eixos prioritários para a inovação no Brasil defendidos pela CNI estão a criação de um ambiente institucional e regulatório favorável à CT&I; a oferta de instrumentos de subvenção econômica e de crédito compatíveis com o risco tecnológico; e o apoio do Estado ao desenvolvimento científico, para que haja um ambiente favorável à produção de conhecimento e tecnologias de ponta.

A CNI defende ainda a ampliação de investimentos públicos e privados em inovação, bem como o aprimoramento de instrumentos de apoio à CT&I e a desburocratização das leis de apoio à inovação. Outro fator imprescindível para o desenvolvimento do país por meio da inovação é a maior integração do setor industrial com as universidades e os governos. 

Pesquisa da CNI mostra que indústria precisará dar salto de inovação
O estudo mais recente da CNI mostra que, em 2019, um em cada três empresários acredita que a indústria brasileira precisará dar um salto de inovação nos próximos cinco anos para garantir a sustentabilidade dos negócios em curto e longo prazos. Para 31% de CEOs, presidentes e vice-presidentes de 100 indústrias – 40 de grande porte e 60 pequenas e médias – o grau de inovação da indústria será alto ou muito alto nos próximos cinco anos, principalmente por questão de necessidade.

De acordo com dados da pesquisa da CNI, 6% dos empresários consideram a indústria brasileira muito inovadora. Para 49%, o grau de inovação da indústria brasileira é baixo ou muito baixo. Entre os fatores que justificam a avaliação estão a ausência de cultura de inovação no país e nas empresas, citada por 25% dos empresários; a falta de financiamento e investimentos em inovação, citada por 18,8%; e o cenário de crise econômica, lembrado por 14,6%.

Empresas parceiras da MEI são mais inovadoras
De acordo com levantamento da CNI, com base nos dados da Pintec anterior, relativos a 2014, as empresas que participam da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) investem 46,3% a mais em pesquisa e desenvolvimento (P&D) do que a média nacional. Segundo o levantamento da CNI, que levou em conta o desempenho de empresas da MEI na base de dados da Pintec. 

De acordo com os dados, as empresas participantes da MEI investem 1,13% da sua receita líquida de vendas em P&D, enquanto a média nacional de investimentos é de 0,77% da receita líquida própria de vendas em P&D, conforme a Pintec relativa a 2014, que englobava 132.529 empresas. A amostra representativa na pesquisa da CNI contemplou 160 empresas – 80% delas implementaram inovações de produto e de processo simultaneamente contra 15% das demais empresas brasileiras que investem em inovação.

Conheça a agenda de inovação proposta pela CNI e pela MEI 
- Aprimorar os instrumentos de apoio à inovação, com foco no empreendedorismo e no desenvolvimento de negócios inovadores;
- Priorizar tecnologias disruptivas e transversais e sua combinação (IA + IoT + 5G);
- Criar e instalar um órgão ligado à Presidência da República, voltado à tomada de decisão em CT&I;
- Aprimorar a Lei do Bem, de forma a permitir a contratação de outras empresas para a realização de P&D externo; e permitir que os dispêndios com P&D possam ser abatidos em mais de um ano fiscal;
- Assegurar recursos para CT&I sustentados ao longo dos anos;
- Identificar novas fontes e possíveis oportunidades de redirecionamento de recursos para inovação;
- Melhorar a qualidade da educação e formar profissionais especializados, com base em currículos e atividades;
- Desburocratizar e fortalecer os ambientes empreendedores.

Eixos prioritários de uma Política Nacional de Inovação (PNI)
A CNI entende que a PNI deve produzir conhecimento e transformá-lo em riqueza; melhorar a qualidade de vida dos cidadãos; gerar desenvolvimento socioeconômico; e ser o principal instrumento orientador do planejamento das iniciativas de pesquisa, desenvolvimento e inovação.

A CNI sugere ainda que a Política Nacional de Inovação tenha como eixos prioritários:
1 - Criação de um ambiente institucional e regulatório favorável à inovação: isto quer dizer simplificar o ambiente de negócios e facilitar a produção de conhecimento e sua transformação em riqueza e bem-estar social. Desse ponto de vista, defende-se o aprimoramento de leis, do sistema de propriedade intelectual e de normas técnicas, por exemplo.
2 - Oferta de instrumentos de subvenção econômica e de crédito compatíveis com o risco tecnológico: o Brasil dispõe de mecanismos de apoio à inovação, mas é preciso focar naqueles que apresentam elevado potencial de induzir a inovação de maior conteúdo e risco tecnológico, as quais são menos passíveis de captar recursos no mercado privado de capitais;
3 - Apoio ao desenvolvimento científico: para criar um ambiente favorável à produção de conhecimento e tecnologias de ponta, é fundamental que o Estado apoie a ciência brasileira, fortalecendo as instituições de formação e pesquisa para que contribuam com o trabalho de inovação das empresas e com a solução de problemas da sociedade;
4 - Estruturação de programas nacionais transversais: é importante definir desafios e articular programas orientados a tais temas específicos, como a difusão de tecnologias para elevar a produtividade do conjunto da economia; a transformação digital das empresas; e a capacitação de recursos humanos para atuar na era digital.
Para tornar a política mais objetiva e transparente, sugere-se que o documento-base contemple ainda pontos como: governança dos atores do ecossistema de inovação; desafios estratégicos para o país; metas factíveis e fundamentadas a serem alcançadas em um horizonte de 10 anos; e formas de monitoramento e avaliação das ações.

INVESTIMENTO MÉDIO ANUAL EM PESQUISA E DESENVOLVIMENTO (P&D)
Brasil – US$ 40,5 bilhões
Coreia do Sul – US$ 84,25 bilhões
Alemanha – US$ 110,09 bilhões
Japão – US$ 155,10 bilhões
China – US$ 442,72 bilhões
EUA – US$ 483,68 bilhões

Debate sobre a Pintec 

A CNI realiza nesta quinta (16) às 18h um bate-papo ao vivo para debater os resultados da Pintec e o cenário da inovação no Brasil. Participarão a diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio; o secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Julio Semeghini; o secretário de Empreendedorismo e Inovação do MCTIC, Paulo Alvim; e o coordenador de Pesquisas Econômicas Estruturais e Especiais do IBGE, Alessandro Maia Pinheiro. 

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Com inovação, indústria vai atender rapidamente a demanda por equipamentos contra covid-19
Construir política nacional de inovação ganha ainda mais relevância em meio à pandemia, defende CNI
MEI Tools oferece conjunto de ferramentas para empresas brasileiras inovarem

Comentários