Estudantes brasileiros participam de torneios de robótica nos Estados Unidos, Turquia e Uruguai

Eventos serão realizados neste mês de maio. Equipes são formadas por alunos de escolas públicas e particulares que conquistaram vagas no Festival SESI de Robótica, em março, no Rio de Janeiro
Em abril, as equipes brasileiras foram premiadas no principal campeonato de robótica do mundo, também nos Estados Unidos

Depois do principal mundial de robótica, em Houston, nos Estados Unidos, em abril, o calendário de torneios internacionais promovidos pela organização estadunidense FIRST em parceria com a LEGO segue com grande participação brasileira. As equipes garantiram vagas para as disputas durante o Festival SESI de Robótica, em março, no Rio de Janeiro. Os times são formados por estudantes de 9 a 16 anos, de escolas públicas e particulares de todo o Brasil.

A próxima competição será no Arkansas, nos Estados Unidos, entre 16 e 19 de maio. Duas equipes brasileiras vão disputar uma colocação no pódio: a AC/DC/EG, do Colégio Eduardo Gomes, em São Caetano do Sul (SP), e o time de garagem Stan Geek, do Rio de Janeiro. Entre os dias 22 e 25 de maio, será a vez das equipes Lego Bros, do SESI de São Gonçalo do Sapucaí (MG), e a Robotics School, do SESI de Ourinhos (SP), marcarem presença no Aberto Internacional da Turquia.

Único torneio da FIRST e LEGO na América Latina, o Aberto do Uruguai é o que vai reunir o maior número de equipes brasileiras: oito no total.  O evento será realizado de 30 de maio a 1º de junho. Serão três equipes do SESI de São Paulo:  X-Force (Bauru), Biotech (Barra Bonita) e Big Bang (Birigui) , uma do SESI de Alagoas: Robocamb (Maceió) e uma do SESI de Brasília: Legofield. 

As outras três são de escolas do Rio Grande do Sul: Galilegos (Colégio Santa Inês - Porto Alegre), Tecnoway (Rede Caminho do Saber - Caxias do Sul) e Just4Fun (Colégio Marista Pio XII - Novo Hamburgo). O torneio em Montevidéu vau reunir 66 equipes de países como Argentina, Colômbia, México, Estados Unidos, Espanha, África do Sul e Israel.

Nos torneios internacionais, os times seguem com o desafio Into Orbit (Em Órbita). Os estudantes precisam pesquisar sobre as questões relacionadas a viver e viajar no espaço e devem identificar e propor uma solução inovadora para um problema físico ou social enfrentado durante as viagens de exploração espacial.

Na arena, os robôs feitos pelos próprios alunos com peças de LEGO ainda precisam cumprir missões como se locomover em áreas com crateras, ajudar um astronauta a voltar em segurança para a base espacial e até mover satélites para a órbita. Tudo de maneira lúdica na mesa de competição.

BRASIL É DESTAQUE MUNDIAL EM ROBÓTICA – O bom trabalho em robótica feito pelo Brasil foi reconhecido no principal campeonato do gênero, realizado pela FIRST entre os dias 17 e 20 de abril em Houston, nos Estados Unidos. No mundial, que reuniu mais de 15 mil estudantes de 74 países, os alunos brasileiros levaram para casa prêmios em diversas categorias.

Na FIRST LEGO League (FLL), em que competem jovens de 9 a 16 anos, o país conquistou três troféus importantes: 1º lugar na categoria Design do Robô, com a equipe Red Rabbit, da escola SESI de Americana (SP), e Gracious Professionalism (Profissionalismo Gracioso), conquistado pela equipe Techmaker, do SESI de Blumenau (SC). A Jedi’s, do SESI de Jundiaí (SP), ficou em 2º lugar na categoria Estratégia e Inovação. 

O Serviço Social da Indústria (SESI) é o parceiro oficial da FIRST no Brasil. Desde 2013 promove torneios de robótica da FIRST LEGO League (FLL). Em 2019, passou a organizar mais uma categoria, a FIRST Tech Challenge (FTC). Desde 2006 o SESI investe em robótica em sala de aula. Todas as escolas da instituição possuem a metodologia no currículo.

Relacionadas

Leia mais

Brasil conquista prêmios no Campeonato Mundial de Robótica e se consolida como referência internacional
Ana Maria Braga mostra história de superação de aluno de robótica do SESI
7 motivos para seu filho estudar robótica na escola

Comentários