Entre os treinamentos, competidor estuda inglês para representar Brasil na WorldSkills

Felipe Garcia vai competir na ocupação Eletricidade Industrial no mundial de profissões técnicas, na Rússia. Sempre que tem tempo, ele dá uma revisada no idioma universal
Além das provas práticas, o jovem, que vai representar o Brasil em Eletricidade Industrial, também está treinando bastante o inglês

A rotina do paulista Felipe Garcia de Almeida não é simples. No Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) de Bauru, ele dedica dez horas diárias à preparação para o maior torneio de educação profissional do mundo, a WorldSkills, que neste ano acontece em agosto na cidade de Kazan, a 800 quilômetros de Moscou.

“Estamos trabalhando muito para fazer o melhor. Tem de ter muito foco e determinação’, explica. Além do treinamento técnico, Felipe ainda se dedica a melhorar o inglês porque não se arriscaria em russo – embora o idioma e seu outro alfabeto não o assuste.

Em 2015, quando ingressou no curso de aprendizagem industrial de Eletricista de Manutenção no SENAI, ele queria apenas conquistar o primeiro emprego e ajudar nas contas de casa. Não sabia que aquele era só o começo de muitas mudanças na vida pessoal e profissional. “O SENAI mudou minha vida, me deu um rumo. Depois que entrei lá tenho outros objetivos e sei onde quero chegar", conta.

Com relação ao futuro profissional, o jovem competidor está tranquilo. Tem certeza de que participar da competição representa um diferencial no mercado de trabalho. E para avançar na formação, Felipe planeja fazer graduação em Engenharia Elétrica, e, depois, quem sabe, um mestrado e doutorado.

Relacionadas

Leia mais

Um sonho na cabeça e uma trajetória campeã
De tijolinho por tijolinho, competidor brasileiro construiu seu caminho para Rússia
Perguntas e respostas sobre a WorldSkills 2019

Comentários