Estudo da FINDES mostra como países retomaram a economia após crise do coronavírus

O Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo reuniu as principais medidas dos outros países para a retomada das atividades econômicas
Estudo mostra como outros países retomaram as atividades na crise do coronavírus

A Federação das Indústrias do Espírito Santo (FINDES), por meio do Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo (Ideies), realizou um estudo que identifica as principais medidas adotadas em diversos países para a retomada da atividade econômica, depois da crise do coronavírus.

As medidas se dividem em categorias como: mobilidade urbana, escolas, estabelecimentos, empresas e saúde pública. De acordo com o diretor executivo do Ideies, Marcelo Saintive, o principal objetivo do estudo é buscar em outros países referencias de enfrentamento da crise e estabelecer estratégias assertivas para a retomada das atividades produtivas.

“A transição para o fim do período de distanciamento social requer que a capacidade instalada da rede saúde pública e privada esteja preparada para receber os infectados pelo novo coronavírus, de alta complexidade. Deve haver também uma conscientização por parte da sociedade capixaba das medidas de higiene e segurança da saúde em tempos pandemia. A retomada das atividades econômicas deve estar intimamente ligada ao acompanhamento acurado do desenvolvimento da epidemia e à adoção de medidas de política de segurança da saúde, para contê-la. Essas medidas incluem, por exemplo, as cartilhas setoriais para o combate ao novo coronavírus elaboradas pelo SESI/ES”, explicou Saintive.

A União Europeia (UE), por exemplo, revelou que fará uma saída gradual do confinamento, para proteger a economia sem colocar em risco a saúde dos cidadãos. Nos países da região, o fim do isolamento social será baseado em três critérios: uma redução considerável da propagação, um sistema de saúde suficientemente equipado e a capacidade de realizar testes de detecção em larga escala. Áustria e Dinamarca lideram o retorno à normalidade na UE.

Sem calendário de saída

O estudo não propõe um calendário específico para o fim do confinamento, e sim pautas e recomendações que diversos países estão adotando para uma retomada gradual e segura. Na Eslováquia, a recomendação é que os idosos e portadores de doenças crônicas devem permanecer confinados por mais tempo. Para funcionamento de estabelecimentos comerciais, somente as lojas que adotarem medidas higiênicas mais rigorosas poderão abrir. O número de pessoas dentro da loja será limitado e a desinfecção será necessária ao entrar. Caso as regras não sejam cumpridas, o estabelecimento será novamente fechado.

Iniciativas da FINDES para enfrentar o coronavírus

Desde o início da crise a FINDES adotou uma série de medidas para superar este momento. No dia 15 de março foi instituído um Comitê de Crise, coordenado pelo presidente da Federação, Léo de Castro, para deliberar sobre as principais questões.

Confira algumas medidas a seguir:

Protocolo de orientações às empresas de todos os setores da indústria

Por meio do Serviço Social da Indústria (SESI), a federação elaborou uma série de orientações para as empresas capixabas para que elas funcionem de maneira segura, longe da contaminação do coronavírus. O objetivo principal do protocolo é dar sugestões e orientações para cada um dos 13 setores industriais do Estado, em seus processos específicos, levando informações valiosas para afastar a pandemia do Covid-19 reduzindo ao máximo a propagação do vírus.

Boletim diários do Ideies

O Ideies está acompanhando diariamente a evolução dos casos de Covid-19 no Espírito Santo, Brasil e Mundo. Esse trabalho tem resultado em boletins analíticos sobre o assunto. Já foram mais de 30 edições.

Indústria do Bem

A indústria do Espírito Santo está mobilizada desde o primeiro momento para ajudar a sociedade capixaba e o governo estadual a enfrentar a crise do coronavírus.

Para facilitar a ação que diversas empresas já vinham adotando e estimular a participação de outras, a FINDES organizou o movimento #industriadobem. O movimento identifica as principais demandas do sistema público de saúde e estabelece a conexão com empresas, trabalhadores e a população, em geral, para que todos possam colaborar e atender a demanda.

Os recursos são todos colocados à disposição do governo do Estado, que conhece as necessidades da rede pública de saúde e faz a alocação das contribuições de acordo com as carências de cada área.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

FIESC repassa testes para centro de triagem de Covid-19
SENAI Cimatec cria túnel de desinfecção para profissionais de saúde
FIEAC reúne informações de produtos bancários disponíveis para empresários

Comentários