De estagiário no SESI a um dos melhores técnicos de robótica do mundo

Considerado um dos pioneiros em robótica educacional no Brasil, as equipes lideradas por José Junior já ganharam inúmeros prêmios nacionais e internacionais
Professor de Matemática e de Tecnologias Educacionais, José é, atualmente, técnico/mentor de três equipes de robótica que colecionam conquistas

Somar, subtrair, multiplicar e dividir são contas que fazemos diariamente e, por isso, são os primeiros ensinamentos na escola. A atração pelos cálculos levou José Nazaré Rodrigues Barros Junior, 39 anos, a iniciar a carreira na docência com o curso de Matemática.

Graças a ela, Junior ingressou como estagiário no Serviço Social da Indústria (SESI), em 2006. Anos depois, tornou-se professor de Tecnologias Educacionais e técnico de equipes bastante premiadas em competições nacionais e internacionais de robótica.

Tudo começou no ensino fundamental, quando José Junior já mostrava facilidade com os números ao ajudar os colegas de classe. Com o passar do tempo, o gosto pela área só aumentou. “No ensino médio a minha relação com a Matemática se intensificou depois que li o livro ‘O homem que calculava’, da Malba Tahan. Ele traz uma série de desafios lógico/matemáticos. É muito interessante”, conta.

Ele concluiu o ensino médio em 2000, mas só entrou na universidade em 2006, após conseguir uma bolsa no Programa Universidade para Todos (ProUni). Foi aí que começaram grandes mudanças: ele deixou a cidade natal, Tocantinópolis (TO), para viver em Goiás. No mesmo ano, conquistou uma vaga de estagiário no SESI em Aparecida de Goiânia, município a 20 km da capital de Goiás, onde teve os seus primeiros contatos com a robótica.

Ele lembra que os equipamentos de robótica presentes na escola não eram utilizados com frequência. Foi naquele ano que a rede SESI passou a adotar metodologia em todo o Brasil, em parceria com a organização americana FIRST e a LEGO. Ele aproveitou a deixa para propor projetos inovadores na área, com a finalidade de mostrar que aquilo poderia apresentar resultados positivos no ensino.

Em 2008, Junior começou a atuar como professor de Matemática no SESI Canaã, em Goiânia. Sem saber da existência de torneios de robótica, por iniciativa própria, ele começou a estudar e a ensinar robótica, sem imaginar que criaria a única equipe preparada para representar o estado no 1º Torneio Nacional SESI de Robótica, na temporada 2012/2013.

Prêmio de melhor técnico/mentor que José ganhou na primeira competição

“A primeira equipe tinha 4 pessoas e não sabia da existência das competições, apenas estudava robótica por curiosidade mesmo. Em Goiás, éramos a única equipe já pronta para os torneios mesmo sem saber que eles iam acontecer. No primeiro ano de torneio, a equipe cresceu e nós participamos com duas equipes dentro do torneio regional do Centro-Oeste”, relata o professor que, de cara, conquistou o 2º lugar geral na disputa, o 1ºlugar na categoria Gracious Professionalism e, ainda, um troféu de melhor técnico na competição.

Os primeiros prêmios serviram de pontapé inicial, pois a partir daí José Junior conseguiu implantar novos métodos de ensino nas aulas que funcionam até hoje. “Convenci a escola a comprar kits de robótica mais inovadores, porque poderíamos colher bons frutos com isso”, conta.

RESULTADOS – Atualmente como professor de Tecnologias Educacionais, ele ensina sobre a criação de robôs, softwares e aplicativos. Além disso, também é técnico de três equipes do estado de Goiás – SESI Canaã Robots, Life SESI Canaã e Geartech Canaã – e treina jovens para as competições da FIRST em parceria com o SESI e para a Olimpíada Brasileira de Robótica, organizada pelas universidades federais.

“Hoje nós já temos na nossa bagagem duas viagens aos Estados Unidos. Também temos títulos nacionais e internacionais, tanto de 2017 na NASA quanto agora de Houston. Hoje a equipe tem cerca de 25 alunos, trabalha de segunda a sábado e obtemos diariamente resultados fantásticos. Participamos de três a quatro torneios dependendo da época do ano”, explica o professor.

Na escola o sucesso é tanto que o professor é solicitado para contribuir com sua criatividade na elaboração de projetos que engradecem a unidade. “Todas as áreas da escola têm buscado a gente para ajudar de alguma forma. Por exemplo, nós lançamos agora em junho– quando falo nós eu quero dizer eu, a equipe de robótica e os outros professores – o projeto sala de aula invertida, que se assemelha ao método que usamos nos treinamentos de Robótica, nos quais os alunos são os protagonistas”, explica José.

Ele afirma que, devido a sua proatividade, iria pesquisar e desenvolver projetos diferentes em qualquer que fosse a área de atuação, mas se surpreendeu bastante quando conheceu a robótica.

"De imediato, superou todas as minhas expectativas enquanto professor. Tanto do que eu poderia fazer e aprender quanto do que eu poderia alcançar. Nunca imaginei que a gente pudesse chegar tão longe. Já são seis anos de trabalho em três categorias diferentes da robótica e o aprendizado é cada dia maior", conta o professor. 

Apaixonado pelo que faz, Junior também deu um jeitinho de misturar o hobbie com o trabalho. Neste mês de julho, ele organizou uma colônia de férias de robótica com o tema futebol, no SESI Canaã, em que os alunos desenvolveram robôs para disputar as partidas. O prêmio é a classificação para a próxima fase do processo seletivo para entrar em uma das equipes que representa a escola nas competições. 

FUTURO – A partir da experiência deste ano em Houston, no Campeonato Mundial de Robótica, novos planos surgiram e a meta agora é alcançar a FIRST Robotics Competition (FRC) - uma disputa totalmente voltada para Engenharia e que envolve alunos do ensino médio e superior. Nela, os jovens são desafiados a construir e programar robôs industriais de até 56 kg e ultrapassar um metro de altura.

“Demanda um trabalho muito maior da equipe, mas nós queremos ir para essa categoria porque quanto maior o desafio, mais conhecimentos nós conseguimos adquirir. A nossa curiosidade nos permite aprender cada vez mais”, conta Junior, que estimula o trabalho em equipe e a competição amigável entre os alunos.

Construir uma família e o próprio negócio na área de exatas também são alguns dos planos a longo prazo do professor de Matemática. Ele diz que não se imagina trabalhando em algo diferente e pretende continuar inovando na robótica. No tempo livre, ir ao cinema e jogar futebol são algumas das atividades que mais gosta de praticar. 

SAIBA MAIS - Quer saber tudo sobre os torneios de robótica do SESI? Acesse o site e já veja as novidades da temporada 2019/2020.

Relacionadas

Leia mais

Alunos do SESI participam de torneio de robótica nos Estados Unidos
Estudantes do SESI vencem maratona da criatividade baseada em Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
Alunos do SESI participam de torneio de robótica na Austrália neste fim de semana

Comentários