Simplificação de importação temporária ajuda no combate à Covid-19

Usuários do Ata Carnet não precisarão mais solicitar a isenção do ICMS para circular com equipamentos de trabalho e pesquisa no Brasil
Os fins profissionais e científicos já representam 75,3% das importações pelo Ata Carnet no Brasil

A partir desta quarta-feira (1º) a importação temporária amparada pelo ATA Carnet está simplificada no Brasil. Os usuários estrangeiros não precisarão mais solicitar a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas secretarias de estado de Fazenda. A medida ajuda no combate à Covid-19 uma vez que reduz a circulação de documentos entre os países e favorece a importação temporária de equipamentos de trabalho e para fins científicos.

“O Brasil passa a estar alinhado às melhores práticas globais para a importação temporária. Além de ajudar na guerra contra o coronavírus, a medida vai facilitar a participação de estrangeiros em feiras de exposição e congressos no país no pós-crise”, comentou a gerente de Serviços de Internacionalização na Confederação Nacional da Indústria (CNI), Sarah Saldanha.  

A medida de simplificação para a importação temporária só foi possível graças à articulação da CNI com o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e com a Receita Federal e ao desenvolvimento de um sistema que permite o monitoramento da circulação de bens e equipamentos com Ata Carnet pelos governos estaduais.  

O fim da exigência do pedido de isenção do ICMS para produtos com Ata Carnet é fruto de uma decisão tomada em dezembro de 2019 no Confaz. 

Apesar da medida ter sido adotada no fim de 2019, com vigência a partir de 1º de abril, ela se encaixa como uma luva no contexto atual de combate ao coronavírus. Primeiro porque reduz a circulação de papéis entre os países, um dos meios de contágio da Covid-19, e diminui o fluxo de pessoas nas secretarias estaduais de Fazenda, contribuindo para resguardar a saúde do servidor e do usuário do Ata Carnet.

Segundo porque facilita a importação temporária de equipamentos profissionais de alta tecnologia para fins de pesquisas contra a Covid-19.

Bom para as empresas, melhor para o combate ao coronavírus

Os fins profissionais e científicos já representam 75,3% das importações temporárias amparadas pelo Ata Carnet no Brasil deste setembro. O Brasil recebe bens principalmente de países, como os Estados Unidos, que emitiram 140 Atas Carnets para o país, seguido do Reino Unido (94), Alemanha (88), França (50) e Israel (36).

Países que também estão trabalhando para combater a Covid-19 e que, juntos ao Brasil, poderão trocar experiências e tecnologia para que seja possível eliminar esse vírus de todos os países do mundo.

As melhorias de processo do ATA Carnet no Brasil buscam ajudar o mundo tanto no cenário que estamos vivendo atualmente, como nos desenvolvimentos de tecnologias, divulgação de informações sobre o tema, divulgação de mercadorias para futuras trocas comerciais, entre outros.

Relacionadas

Leia mais

SENAI Amazonas cria respirador para pacientes infectados por coronavírus
FIEMG ajuda na ampliação de leitos hospitalares para pacientes com covid-19
Usinas doam 1 milhão de litros de álcool para o SUS

Comentários