A solução para o ensino médio está no técnico

Em entrevista publicada nesta quinta-feira (13), na edição online da revista Exame, o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, avalia que o ensino médio só vai melhorar com mais disciplinas técnicas em sala de aula
Rafael Lucchesi é diretor-geral do SENAI

O economista Rafael Lucchesi Ramacciotti é um entusiasta de uma reforma completa no ensino médio no país. Diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Lucchesi, como é mais conhecido, convive com queixas sobre a má formação da mão de obra no país. Para ele, a raiz do problema está numa educação voltada à minoria de jovens que pensam em seguir carreira acadêmica e que deixa uma grande massa alijada de propósitos.

Lucchesi está no Conselho Nacional de Educação, órgão do governo federal que discute como colocar em prática a reforma do ensino médio aprovada em 2017. A seguir, ele comenta os desafios para o país ter uma educação de qualidade.

REVISTA EXAME - Por que o ensino médio brasileiro é tão ruim?

RAFAEL LUCCHESI - No Brasil, consideramos que todos os jovens querem ir à universidade. O currículo do ensino médio é único, engessado, voltado à Academia. Mas só 18% dos estudantes chegam à universidade. Não há opção para os demais 82%. O sistema não empodera para depois da escola. Isso só existe no Brasil. Nos países ricos, mais de 50% dos jovens recebem formação técnica junto da regular. Na Finlândia, exemplo de excelência no ensino, em 2005, 30% dos jovens tinham o técnico. Hoje, 70%.

REVISTA EXAME - Como a reforma do ensino médio pode mudar isso?

RAFAEL LUCCHESI - A vida é flexível. A reforma adapta o ensino à realidade do trabalho. Pelas regras da reforma, uma das cinco opções ofertadas será a profissionalizante. É algo que faz parte do desejo de 80% dos jovens brasileiros.

REVISTA EXAME - O que falta para a reforma sair do papel?

RAFAEL LUCCHESI - Falta regulamentação. A base curricular do ensino médio - diretrizes do que deve ser ensinado nessa etapa educacional - não saiu ainda. Por isso, a reforma não deve começar em 2019, como planejado, mas em 2020.

REVISTA EXAME - Por que vai demorar tanto?

RAFAEL LUCCHESI - Porque a reforma tem resistências. No início da discussão do projeto no Congresso, no governo Dilma Rousseff, havia um arranjo suprapartidário favorável às mudanças. Isso está se perdendo. O Brasil está numa politização excessiva de temas de Estado, como a reforma do ensino médio. Virou um “Fla-Flu”.

REVISTA EXAME - Onde estão as resistências?

RAFAEL LUCCHESI - Há a ideia  de que vão faltar professores nos currículos criados com a reforma. Mas, na área técnica, a nova lei fortalece a presença em sala de aula do profissional de notório saber, vindo do mercado de trabalho. É assim que o SENAI trabalha há 76 anos. E as escolas SENAI funcionam: 83% dos egressos são empregados em até 12 meses. A ideia é expandir o modelo, mas há oposição por questões ideológicas.

REVISTA EXAME - Quais as consequências desse atraso para o país?

RAFAEL LUCCHESI - No passado, o Brasil podia dar-se ao luxo de perder uma geração de estudantes sem qualificação. Éramos um país de jovens — perdida uma geração, haveria outra maior à frente. Isso acabou. O Brasil atingiu o bônus demográfico sem ter alcançado uma educação capaz de expandir a produtividade e a renda per capita. Precisamos lidar com uma demografia de país rico. Lá, o sistema educacional trabalha com o conceito de não perder um estudante sequer. Um jovem despreparado para o trabalho traz um custo social muito elevado.

REVISTA EXAME - O Brasil já está consciente desse problema?

RAFAEL LUCCHESI - Já. Nas pesquisas da Confederação Nacional da Indústria (CNI) com lideranças empresariais, a qualificação da mão de obra é hoje um desafio maior à competitividade que os problemas historicamente caros para o setor, como a alta tributação e o câmbio desfavorável.

REVISTA EXAME - O SENAI daria conta de resolver as carências de educação técnica e profissionalizante no país?

RAFAEL LUCCHESI - O Brasil tem 77 milhões de adultos sem ensino médio numa população de 160 milhões com potencial de ser ativa. Boa parte da formação profissional é para quem estagnou no ensino regular. O SENAI atende 3 milhões de alunos. Mas as necessidades são maiores. Hoje há mais de 8 milhões de estudantes no ensino médio. Precisamos de mais oferta de ensino técnico.

REVISTA EXAME - Diante das propostas dos candidatos à Presidência, o que esperar para o ensino médio a partir de 2019?

RAFAEL LUCCHESI - O tema está na mesa em boa parte das propostas de campanha. Mas quem vai definir se a educação é uma prioridade é a sociedade, não os políticos. Os políticos são só servidores públicos. Estou otimista porque os brasileiros estão mais críticos com a educação. Caiu a ficha de que temos um problema na educação. Os projetos políticos precisam atender às demandas da sociedade. A pressão dela vai ser fundamental.

Relacionadas

Leia mais

4 motivos que vão te convencer a participar do Inova Talentos
Curso para você! SENAI abre novas vagas em todo o Brasil
Começa mais uma edição do SENAI Brasil Fashion

Comentários