Lei 14.020 amplia segurança jurídica para adoção de medidas trabalhistas na crise, avaliam magistrados

Em live promovida pela CNI, ministro do TST Douglas Alencar e juiz Rodrigo Dias da Fonseca avaliaram que lei contribui para preservar empregos e renda, mas alertam para o estrito cumprimento das regras pelas empresas
A Lei 14.020/2020 dispõe medidas complementares para empresas no enfrentamento do estado de calamidade pública

A sanção da Lei 14.020/2020, que criou Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda, contribui para dar às empresas segurança jurídica na adoção de medidas trabalhistas para atravessarem o período de crise econômica. Na visão de magistrados do Trabalho, a nova legislação aperfeiçoou a Medida Provisória 936 ao dar alternativas e flexibilidade ao setor produtivo na gestão dos empregados na vigência do estado de calamidade e, assim, preservar ao máximo emprego e renda. Mas fazem um alerta: as regras devem ser seguidas estritamente, para se evitar eventuais questionamentos na Justiça. 

As observações foram feitas pelo ministro Douglas Alencar Rodrigues, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), e por Rodrigo Dias da Fonseca, juiz do Trabalho em Goiás, durante live promovida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), nesta terça-feira (14), para tirar dúvidas sobre as novidades da lei. “Acho que as medidas foram adequadas, razoáveis, proporcionais e necessárias e a prova disso são os 13 milhões de contratos de trabalho preservados até o momento”, avaliou o ministro.

Para Alencar, o fato de o Supremo Tribunal Federal (STF) ter validado a MP 936 em meio à sua discussão no Congresso Nacional reforça o entendimento de que as alternativas, mesmo que inovem o que chama de “noções clássicas do direito do Trabalho”, são constitucionais e podem vir a ser adotadas enquanto durar a crise acarretada pelo novo coronavírus.

“Significa o atendimento das expectativas para que empresas e empregados possam seguir suas atividades preservando emprego e renda”, avaliou. “Há muitas críticas no mundo do trabalho, mas confesso que essas críticas me parecem injustas”. 

Cumprimento estrito da legislação minimiza riscos de judicialização

Na avaliação do juiz do Trabalho, é previsível que haja aumento de demandas na primeira instância por se tratar de uma legislação nova, com instrumentos que preveem, por exemplo, a ampliação do poder de negociação individual em detrimento da negociação via sindicato das categorias em temas como redução de jornada e salário.

Para atenuar os riscos, Dias da Fonseca frisa que as empresas devem contar  com uma boa assessoria jurídica e o “cumprimento estrito” do que prevê a legislação. “Ausência de risco neste momento é impossível.  Ainda que as partes atuem de boa fé, é natural que surjam dúvidas e conflitos”, analisou. 

O ministro Douglas Alencar Rodrigues pondera que o desafio do Judiciário, neste momento, é dar respostas rápidas a empresas e trabalhadores para que haja segurança jurídica na aplicação das alternativas trazidas pela Lei 14.020. “Quanto mais demorar, mais conflito”, disse, destacando que a análise dos casos concretos pela Justiça deve levar em conta as condições extraordinárias impostas pela crise ao mundo do trabalho. “O direito é um instrumento de resolução de conflitos e ele se realiza dentro de determinados contextos. Não podemos operar com base em dogmas que já foram superados pela realidade que vivemos”.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Congresso amplia lei de transação tributária e beneficia 1,3 milhão de MPEs inscritas na dívida ativa
O que as empresas mais necessitam neste momento é de crédito, diz Robson Andrade
Países dos BRICS participam de treinamento conjunto em profissões 4.0

Comentários