Em cinco anos, canteiros de obras reduzem em 55% acidentes de trabalho

Segurança e saúde na construção prometem elevar produtividade com tecnologia e capacitação
O evento, que tradicionalmente era realizado em outubro, passa agora a ser realizado no mês do Abril Verde

Erguer edifícios, armar pontes ou pavimentar rodovias são atividades importantes social e economicamente para um país e exigem cuidados específicos com os profissionais que nelas atuam. Felizmente, o Brasil reduziu em 55% o número de acidentes laborais nos canteiros de obras entre 2012 e 2017, economizou R$ 31 milhões em procedimentos hospitalares na rede pública em 2017 e a indústria da construção tem perspectivas para avançar no fomento da qualidade de vida do trabalhador e na produtividade das empresas. Combate à informalidade, tecnologia e educação são aliados neste esforço.

Os dados constam no livro Segurança e Saúde na Indústria da Construção – Prevenção e Inovação, lançado na manhã desta terça-feira (16/04), durante o V Encontro Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho na Indústria da Construção, no Windsor Brasília Hotel, em Brasília. O evento, que tradicionalmente era realizado em outubro, passa agora a ser realizado no mês do Abril Verde.

Realizado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), por meio da Comissão de Política de Relações Trabalhistas (CPRT), com a correalização do Serviço Social da Indústria (SESI), o encontro fortalece a discussão sobre o tema, dentro da ação estratégica da CBIC de disseminar a cultura de prevenção de acidentes, ao abordar quatro importantes temas:

  • Indicadores em Segurança e Saúde no Trabalho
  • Segurança e Produtividade
  • Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho
  • Inovações Tecnológicas

Paulo Mól, diretor de Operações do SESI, destacou que “um dos desafios do SESI é apoiar os trabalhadores e, por isso, a agenda de Segurança e Saúde no Trabalho é tão importante e tão relevante”, completando que o foco da instituição é a inovação e por isso os vários centros tecnológicos do sistema voltados à agenda de SST.

A combinação de segurança e saúde fortalece a indústria da construção e protege o trabalhador. “O esforço que temos feito, em correalização com o SESI e em parceira com outros atores, já produz frutos como a redução dos índices de acidentes na indústria da construção. Esse trabalho também é coerente com o combate à informalidade no setor. Nossa meta é garantir ao trabalhador as melhores condições de trabalho, de forma profunda", explica o presidente da CPRT e vice-presidente de Política de Relações Trabalhistas da CBIC, Fernando Guedes Ferreira Filho.

Já a presidente da Fundacentro, Marina Batilani, representando a Secretaria do Trabalho, destacou que a Fundacentro tem um papel muito relevante com esse cenário de preocupação de segurança e saúde do trabalhador. “Temos como premissa básica a prevenção de acidentes de trabalho e uma agenda de desburocratização, visando não burocratizar a criação de novos empregos”, disse.

O LIVRO - Os dados divulgados e debatidos durante o V Encontro Nacional fazem parte do livro Segurança e Saúde na Indústria da Construção – Prevenção e Inovação. Seus autores participaram de debate sobre os temas abordados. Tratam-se de consultores especializados em diferentes temas relacionados ao bem-estar do trabalhador da construção, que abordam em seus artigos pesquisas, estudos de caso, métodos diferenciados, soluções e propostas inovadoras, além de informações relativas à gestão de saúde e segurança do trabalho bem como exigências legais em vigor.

A publicação é uma realização da CBIC em correalização com o SESl e traz para as empresas e profissionais que se envolvem com a prevenção na indústria da construção orientações sobre aspectos relevantes a serem considerados durante o trabalho neste complexo segmento. Profissionais com amplo conhecimento e experiência tratam nessa publicação de temas modernos e de extrema relevância, como:

  • Estatísticas de acidentes do trabalho;
  • Custo financeiro do acidente;
  • Indicadores proativos de segurança nas obras;
  • Produtividade e saúde e segurança;
  • Gestão de segurança e saúde no trabalho na indústria da construção;
  • Trabalho em altura;
  • Uso de novas tecnologias em saúde e segurança, incluindo drones e aplicação do BIM (Building Information Modeling).

O livro explica que, além de produzir um efeito positivo na produtividade dos trabalhadores, os programas de saúde e segurança do trabalhador também colaboram com outros efeitos positivos, como a redução de custos com a perda de materiais, a atração e retenção de colaboradores, e a melhoria da imagem institucional da empresa.

Os artigos apresentam ainda ações relevantes que devem ser implementadas, sendo indicada como principal medida a qualificação da mão de obra por parte das empresas. A conclusão é de que quanto menos anos de educação formal, quanto menos capacitado para a atividade for o trabalhador, maior é o risco de ocorrência de eventos acidentários.

O livro está disponível para download, no site da CBIC.

Relacionadas

Leia mais

Permissão para digitalizar documentos de SST reduzirá burocracia, avalia CNI
SESI firma parceria com empresa canadense para projetos inovadores em educação e SST
Sistema Indústria apoia Movimento Abril Verde

Comentários