Campanha de vacinação do SESI já alcançou mais de 720 mil pessoas em 2018

Além de aplicar a dose contra a gripe Influenza A e B, equipe de saúde do SESI dá orientações às empresas sobre a campanha e os efeitos da vacina
Anualmente, as empresas têm um prazo entre janeiro e fevereiro para aderir à campanha do SESI e agendar as datas de vacinação

A campanha de vacinação 2018 do Serviço Social da Indústria (SESI), iniciada em janeiro, já alcançou 10.823 empresas industriais de todo o país, beneficiando 723.996 pessoas, entre trabalhadores e dependentes. A campanha consiste numa única dose contra a gripe Influenza dos tipos A e B, seguindo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Na unidade da Cremer em Blumenau (SC), onde trabalham 1.600 funcionários, foram aplicadas 1.200 vacinas durante os quatro dias em que a equipe de saúde do SESI esteve na empresa - fabricante de itens de primeiros socorros, cirurgia, tratamento e higiene.

“Nossa região é muito fria, sobretudo em junho, o que favorece o aparecimento de doenças pulmonares. Por isso, a vacinação é extremamente importante. Para nós, é uma estratégia de controle do absenteísmo”, afirma Edson Galisa, gerente de saúde ocupacional na unidade catarinense da Cremer.

A fábrica da Volvo do Brasil em Curitiba (PR) realiza a vacinação contra gripe todos os anos em parceria com o SESI. Em 2018, a campanha resultou em 2.405 vacinas, o que representa pouco mais de dois terços dos 3.522 funcionários daquela unidade da montadora à época da vacinação.

“A proposta da Volvo com a vacinação está focada na promoção da saúde dos empregados e suas famílias, tanto assim que a empresa subsidia a vacinação para os familiares. É uma das ações do Programa Volvo de Qualidade de Vida”, informa a enfermeira do trabalho Gisele Baer Paulus.

Anualmente, as empresas têm um prazo entre janeiro e fevereiro para aderir à campanha do SESI e agendar as datas de vacinação. Além da aplicação, realizada nas dependências das indústrias, elas recebem orientações sobre a campanha e os efeitos da vacina -- considerada pelo Ministério da Saúde como uma das medidas mais eficazes para evitar casos graves e óbitos por gripe.

A influenza dos tipos A e B pode ser contraída por um indivíduo várias vezes ao longo da vida. Ela propaga-se facilmente e é responsável por elevadas taxas de hospitalização, por isso a necessidade da campanha. Idosos, crianças, gestantes e pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, ou imunodeficiência são mais vulneráveis aos vírus.

Relacionadas

Leia mais

Indústria defende padronização de dados na saúde suplementar
Indústria apresenta propostas para assegurar sustentabilidade do sistema de saúde suplementar
Sustentabilidade do sistema de saúde suplementar preocupa empresas do setor industrial

Comentários