Instituto SENAI de Inovação Biomassa poderá fazer testes de Covid-19 a partir de julho

A unidade fica em Três Lagoas (MS) e terá capacidade de realizar 200 testes por dia, totalizando cerca de 4 mil por mês
O projeto, que inclui nove institutos de inovação e de tecnologia do país, receberá um investimento total de R$ 22,8 milhões

A partir de julho, o Instituto SENAI de Inovação em Biomassa, localizado em Três Lagoas (MS), poderá fazer testes para Covid-19 após ter sido selecionado pelo Departamento Nacional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) para realizar diagnosticar o novo coronavírus em pessoas suspeitas de terem sido contaminadas. A iniciativa faz parte das ações da instituição no combate à pandemia da Covid-19 e integra a Rede SENAI de Biologia Molecular.

O projeto, que inclui nove institutos de inovação e de tecnologia do país, receberá um investimento total de R$ 22,8 milhões, financiados pelo SENAI e pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Conforme o diretor-regional do SENAI, Rodolpho Caesar Mangilardo, essa autorização para realizar os testes de Covid-19 representa o reconhecimento dos trabalhos realizados pela instituição em Mato Grosso do Sul.

“Desde o início da pandemia, envolvemos nossos colaboradores e colocamos toda a nossa estrutura em inovação e tecnologia à disposição para realizar ações que pudessem contribuir no combate ao novo coronavírus. O ISI Biomassa iniciou produção de álcool, está coordenando um projeto nacional em busca de novas fórmulas de álcool em gel para ajudar as indústrias e agora foi um dos institutos selecionados para realizar esses testes de Covid-19”, afirmou Rodolpho Mangilardo.

Ele acrescenta que para que as operações possam ser iniciadas será necessária uma adequação às estruturas tanto com relação à capacidade do laboratório como para atendimento ao público. “Nós teremos capacidade de realizar 200 testes por dia, totalizando cerca de 4 mil por mês. Para isso, faremos uma reforma rápida para atender todas as normas e exigências sanitárias, garantindo a saúde e segurança dos nossos colaboradores e de quem precisar fazer os testes”, destacou.

A diretora do ISI Biomassa, Carolina Andrade, explica que serão realizados testes moleculares para detecção do SARS-CoV 2, o vírus causador da doença. “É um teste que costumamos chamar de padrão ouro, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), por causa de precisão no diagnóstico. Nossa previsão é começar a atingir a capacidade total em julho, mas acreditamos que antes disso já teremos iniciado as operações com uma capacidade reduzida em nossos laboratórios que já têm certificação para trabalhar com NB2 (Nível de Biossegurança 2)”, detalhou.

Para ela, essa é mais uma ação que o SENAI vem desenvolvendo para dar suporte ao combate à pandemia. “Esse projeto de suporte à questão de análise e diagnóstico da Covid-19 é fundamental porque é mais uma forma de darmos apoio para que haja um retorno saudável e com segurança das atividades produtivas do País”, finalizou.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

VÍDEO: A gente acredita no poder da inovação - Conheça o Caninga
Queda da atividade industrial registra novo recorde negativo entre março e abril
Tempos difíceis, novos esforços

Comentários