Equipes do SESI ganham maior prêmio de inovação da robótica

Os competidores disputaram com equipes de todo o mundo nas categorias FLL, FTC e FRC

A Big Bang, equipe composta apenas por meninas do SESI Birigui (SP), foi a grande campeã do GIA na categoria FLL

#ÉDoBrasil! Na quarta-feira passada (30) foram anunciados os vencedores do Global Innovation Awards (GIA), o maior prêmio de inovação no mundo robótica. As três equipes brasileiras, de escolas do Serviço Social da Indústria (SESI) de São Paulo, selecionadas para concorrer ao GIA foram premiadas.

A equipe Big Bang, do SESI Birigui, foi a grande vencedora do GIA na categoria da FIRST LEGO League Challenge (FLL). O time só de meninas é composto por Ana Laura Araujo dos Santos, 14 anos; Ana Sofia Adão, 15 anos; Graziela Martins Polatto, 13 anos; Lara de Souza Santana, 14 anos; Leticia Vargas Frandsen, 13 anos; e Sthefany Thaynara Moroni, 15 anos. Eles ainda contam com a mentoria dos estudantes Bianca Gajardoni Bearare e Murilo Henrique Zucolotto Escardovelli.

De acordo com Sthefany Thaynara Moroni, de 15 anos, essa conquista não seria possível sem o apoio do técnico da equipe, Valter Moreno Carvalhal Júnior, e os profissionais do SESI Birigui, em São Paulo.


“Nós estamos muito felizes com o resultado do Global Innovation Awards e conseguimos ser campeões mundiais como uma das soluções mais inovadoras do mundo. É uma sensação incrível poder desenvolver projetos científicos inovadores para solucionar problemas cotidianos e ajudar as pessoas da nossa comunidade”, Sthefany conta.


O Projeto de Inovação desenvolvido pela SESI Big Bang para a competição foi o Fi-Glove, uma faixa inovadora utilizada na palma da mão, capaz de reduzir ou minimizar as dores das pessoas com fibromialgia durante a prática do exercício, possibilitando maior tempo e intensidade na atividade.

A voz do povo é a voz do GIA!

Pelo segundo ano consecutivo, a equipe Biotech, do SESI Barra Bonita, também foi uma das equipes da categoria FLL selecionadas como semifinalistas. A equipe apresentou o Move Bag, uma mochila que, com elásticos e pequenos adereços, possibilita uma grande variação de exercícios.

Nesta temporada, os jovens conquistaram o prêmio Community Choice Awards, onde a população escolhe qual equipe foi a mais inovadora.

Laura Resina de Almeida, de 17 anos, afirma que participar de uma competição como o GIA novamente proporcionou conhecimentos e experiências diferentes que vão ficar para a história da equipe.

“Estar entre as 20 equipes selecionadas para o Global Innovation Awards pela segunda vez foi uma grande surpresa para nós porque é uma seleção que envolveu várias etapas e conseguimos chegar até os 20 melhores Projetos de Inovação do mundo! Então, é muito gratificante e ficamos muito felizes pois é um reconhecimento de todo o trabalho em um projeto de pesquisa que a equipe vem realizando desde o ano passado. E ganhar o Community Choice Award pela segunda vez também foi muito incrível para gente e nós temos muito a agradecer as pessoas que acreditaram e votaram no nosso projeto porque, graças a elas, tudo isso foi possível”, a jovem agradece.

Já na categoria FIRST Robotics Competition (FRC), a equipe Megazord 7563, do SESI/SENAI de Jundiaí, foi a terceira equipe de São Paulo que representou o Brasil no GIA. Os jovens também foram escolhidos pelo voto popular e receberam o prêmio Community Choice Awards com o Personal Robot.

O robô desenvolvido pela Megazord utiliza tecnologia de inteligência artificial para ajudar e incentivar o exercício físico

O robô desenvolvido utiliza inteligência artificial para auxiliar a prática esportiva. Além de incentivar, ele apresenta treinos específicos e verifica se os movimentos da pessoa estão corretos.

Global Innovation Awards

Considerado o maior reconhecimento da robótica no quesito inovação, o prêmio destaca anualmente as melhores soluções para problemas do mundo real. As propostas precisam demonstrar originalidade e viabilidade.

Cerca de 110 países indicaram equipes para a seleção dos 20 finalistas de cada categoria, totalizando 60 equipes escolhidas pela FIRST para a premiação.

Para Ivanei Nunes, supervisor técnico educacional do SESI/SP, ter três equipes paulistas premiadas no GIA é mérito derivado de muito esforço e investimento na educação dos jovens.


“Nós valorizamos muito a participação dos alunos nos torneios robótica, feiras de ciências, exposições, em toda oportunidade que esses jovens são desafiados por projetos que os façam aprender mais, a crescer. Quando nos deparamos com resultados como esses obtidos no GIA, ficamos extremamente empolgados, tudo isso é fantástico, mas isso não se dá ao acaso. O SESI/SP tem adotado um currículo que privilegia a pesquisa, resolução de problemas complexos, exercício da criatividade, trabalho colaborativo, uso consciente e ético de novas tecnologias, entre outras ações. Então, essas premiações são um reflexo das ações que estão sendo praticadas nas escolas, é fruto de um grande investimento educacional para que esses estudantes não sejam apenas acumuladores de conhecimento, mas acima de tudo que eles sejam produtores de novos conhecimentos e que estejam preparados para viver nesse mundo em constante mudança”, relata Ivanei Nunes.


A robótica tá ON

Acompanhe as novidades da robótica aqui, na Agência CNI de Notícias, e nos perfis do Festival SESI de Robótica no Instagram e Facebook.

Relacionadas

Leia mais

Alunos do SESI são os campeões de torneio internacional de robótica na Grécia
Confira os campeões do Festival SESI de Robótica 2021
A nova geração de engenheiras formada pela robótica

Comentários