Seminário RedIndústria reúne setor industrial para construção da Agenda Legislativa 2020

Mais de 300 representantes da indústria brasileira se encontram na CNI para analisar cerca de 1 mil propostas em discussão no Congresso e definir as prioridades do setor, neste ano
“Nossa agenda continua a manter o vigor e força de mobilização de nossas bases", disse o vice-presidente do Conselho de Assuntos Legislativos da CNI, Humberto Barbato,

O processo de renovação do Congresso Nacional trazido pelas urnas, em 2018, teve papel importante na aprovação de uma agenda de reformas e de propostas que contribuem para a melhora do ambiente de negócios. Ao abrir o Seminário RedIndústria, nesta terça-feira (4), o vice-presidente do Conselho de Assuntos Legislativos da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Humberto Barbato, relembrou um conjunto de avanços trazidos no ano passo, o primeiro ano da legislatura.

“O Congresso entregou para a sociedade um conjunto de reformas e marcos legais há muito esperados”, afirmou Barbato, que também é presidente da Associação Brasileira de Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). ”Podemos afirmar que os efeitos práticos de todo o conjunto de reformas protagonizadas pelo Parlamento, nestes últimos anos, já podem ser sentidos na economia real e no dia-a-dia do empresariado e da população”.

Seminário RedIndústria reúne 92 entidades do setor industrial

Realizado sempre no início de fevereiro, o Seminário RedIndústria reúne, em Brasília, representantes da base industrial brasileira, no principal foro de discussão para a montagem da Agenda Legislativa da Indústria, que chega à sua 25ª edição, em 2020. Neste ano, um total de 92 entidades – entre federações e associações setoriais da indústria – contribuíram com sugestões e posicionamento para um universo de mais de 1 mil propostas que foram analisadas.

“Nossa agenda continua a manter o vigor e força de mobilização de nossas bases porque passa pela maciça participação do setor em todo processo, o que confere legitimidade às propostas selecionadas e gera a coesão necessária para que possamos atuar de forma assertiva e alcançar resultados expressivos a cada ano”, avalisou Barbato.

Agenda Legislativa da Indústria teve balanço positivo em 2019

O vice-presidente do Conselho apresentou um balanço positivo dos debates legislativos, no ano passado. Além da reforma da Previdência Social, a aprovação de propostas como a Nova Lei das Agências Reguladoras e a ratificação do Protocolo de Madri sinalizam uma evolução significativa na redução da burocracia, no aumento da segurança jurídica e na redução de custos para as empresas. O avanço nas discussões de um novo marco legal para o saneamento básico, por sua vez, trazem otimismo quanto à possibilidade de atração de investimentos para o setor mais atrasado da infraestrutura.

Barbato, no entanto, apontou uma série de desafios que precisam ser afetados este ano. A reforma tributária, na visão da indústria, é o mais urgente. Além dela, as propostas do governo federal para ampliar o controle fiscal, incluídas no pacote “Mais Brasil”, que seguem na linha de modernização do Estado e, segundo ele, devem ser priorizadas pelo Congresso. “Estas reformas permitirão a redução do gasto público, a melhora do controle do orçamento e a redução dos custos de produção, conferindo maior competitividade à economia”, avaliou.

Relacionadas

Leia mais

CNI entra com ação contra lei estadual que proíbe saco de cimento de 50 quilos
Rede privada de centros de pesquisa acelera inovação no país
SENAI seleciona projetos de inovação para o setor automotivo

Comentários