CNI entra com ação contra lei estadual que proíbe saco de cimento de 50 quilos

Confederação Nacional da Indústria argumenta que o Estado do Espírito Santo invadiu competência federal ao legislar sobre direito do trabalho e comércio interestadual
CNI argumenta que o estado do Espírito Santo invadiu competência federal ao legislar sobre direito do trabalho e comércio interestadual

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) protocolou nesta sexta-feira (31) ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a Lei nº 10.995/2019, do Espírito Santo, que obriga todas as empresas de cimento do estado a oferecer embalagens de 10, 15 e 25 quilos do produto. Na petição, a CNI argumenta que o Estado invadiu competência federal ao legislar sobre direito do trabalho e comércio interestadual. A ação recebeu o número de ADI 6311. O relator é o ministro Marco Aurélio Mello. 

Na avaliação da CNI, a legislação do Espírito Santo também interfere diretamente na livre iniciativa e no livre exercício da atividade econômica, ao obrigar as empresas cimenteiras do estado a mudar seu processo de fabricação e ensacamento do cimento. A lei capixaba foi editada sob a alegação de preservar a saúde dos trabalhadores da construção civil. Por padrão, os sacos de cimento têm peso de 50 quilos.

“O STF já destacou em diversos julgados a importância de que legislação estadual não constitua embaraço a circulação de bens, não sendo possível admitir que legislação local tenha impactos sobre os demais entes da Federação”, destaca a CNI na ação, assinada pelos advogados Cassio Borges e Leonardo Estrela.

Os advogados da CNI alertam na petição que não há justificativa plausível que autorize restrições apenas para as empresas situadas no Espírito Santo. “Como o comércio deste produto não se restringe à jurisdição estadual, há clara predominância de interesse federal em legislar sobre o tema”, afirmam.

Na ação, a CNI observa ainda que a medida representa um custo adicional a todas as fábricas que não dispõem dessas embalagens, o que viola a livre concorrência entre as diversas empresas do setor, sediadas nas diversas Unidades da Federação. 

Relacionadas

Leia mais

Faturamento da indústria fecha 2019 com queda
Pequenas indústrias prontas para atender grandes clientes
SENAI seleciona projetos de inovação para o setor automotivo

Comentários