Brasil terá cinco executivas no BRICS Women Business Alliance

Secretariado pela CNI, mecanismo busca promover o empreendedorismo e desenvolver uma rede de negócios entre lideranças femininas do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul
As representantes brasileiras são da Natura, Petrobras, BRF, Serpa e Queiroz Galvão

O Brasil será representado por cinco executivas de grandes empresas na Aliança Empresarial de Mulheres do BRICS (BRICS Women's Business Alliance). Criado para promover o empreendedorismo e desenvolver uma rede de negócios entre lideranças femininas do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o mecanismo empresarial teve sua reunião inaugural nesta segunda-feira (20), de modo virtual. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) ficará responsável pela secretaria executiva da Seção Brasileira do WBA.

Cada país terá cinco mulheres no mecanismo. As executivas brasileiras escolhidas para representar o Brasil são Ana Beatriz Macedo da Costa (Natura), Andrea Marques de Almeida (Petrobras), Grazielle Parenti (BRF), Tania Reis (Serpa) e Viviane Saraiva (Queiroz Galvão) – veja perfil abaixo.

Aliança busca promover a criação de uma rede de negócios entre os países

A secretária-executiva da Seção Brasileira do Conselho Empresarial do BRICS (Cebrics), Fernanda Maciel Carneiro, explica que o mecanismo foi uma iniciativa da Rússia, aprovada em seguida pelos chefes de Estado do bloco. Segundo Fernanda, a proposta é que o mecanismo permita o diálogo, o desenvolvimento econômico e a criação de uma rede de negócios entre mulheres dos cinco países que compõem o BRICS.

“A ideia é que o mecanismo aumente a inserção de negócios liderados por mulheres nas cadeias globais de valor e estimule a cooperação internacional entre empresárias. A combinação do perfil das representantes brasileiras, com forte experiência nas áreas comercial, jurídica, financeira, de relações governamentais e de gestão de projetos, permitirá um debate amplo para aumentar a visibilidade feminina dentro do bloco, bem como para gerar negócios e investimentos”, afirma Fernanda.

De acordo com Fernanda, os primeiros desafios do novo mecanismo serão a definição das principais áreas de atuação e a sua consolidação como um mecanismo que contribua com a agenda do BRICS. “Existem vários mecanismos que compõe a estrutura de diálogo do bloco, tanto no nível governamental quanto privado, mas a Aliança Empresarial de Mulheres do BRICS é o único com foco na cooperação entre mulheres”. 

A secretária-executiva ressalta que fóruns como o WBA são um incentivo para a participação feminina em instâncias empresariais com capacidade de influenciar políticas voltadas para o desenvolvimento, objetivo que está em linha com a própria formação do BRICS.

PERFIL: Quem são e o que pensam as representantes do Brasil no WBA?

Grazielle Parenti - Administradora de empresas, com MBA em Marketing e pós-graduação em Políticas Públicas, tem 25 anos de atuação na área de relações governamentais. Também atua como diretora administrativa do Instituto BRF e como presidente do Conselho Diretor da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos.

Andrea Marques de Almeida - Engenheira de produção, com MBA em Finanças e MBA em Gestão. Atuou na Vale S.A. nas áreas de Finanças Corporativas, Tesouraria Global e Gerenciamento de Risco. Foi Chief Financial Officer (CFO) da Vale Canada.

Ana Beatriz Macedo da Costa - Advogada, atuou na área jurídica de empresas como Texaco, Telemar Norte Leste S.A., Chevron e Xerox. Também foi diretora executiva na Avon, responsável pela área jurídica e de relações com o governo.

Viviane Saraiva - Engenheira de produção, com MBA em Finanças, é especialista em Gestão de Projetos e em Empreendedorismo e Inovação. Atuou na área da Constellation Oil Service e Ipiranga Produtos de Petróleo.

Tania Reis - Diplomada pela Escola Superior de Guerra, tem 20 anos de atuação no Grupo Serpa. Foi responsável pela parte comercial e de relacionamento com clientes e fornecedores. É membro do Mulheres S.A, instituição que auxilia no desenvolvimento de mulheres empreendedoras de baixa renda.

Relacionadas

Leia mais

Países dos BRICS participam de treinamento conjunto em profissões 4.0
Presidente da CNI é eleito personalidade do ano na Cúpula do BRICS
VÍDEO: O que é o CEBRICS?

Comentários