Agenda Internacional da Indústria traça roteiro para integrar Brasil ao mundo

Documento entregue ao governo, apresenta 110 propostas em políticas públicas e serviços de internacionalização. Ideia é aumentar a inserção das empresas brasileiras no comércio exterior
Apresentação da Agenda Internacional da Indústria 2019, elaborada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI)

A Agenda Internacional da Indústria 2019, elaborada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), apresenta 110 propostas em políticas públicas e serviços de internacionalização para ampliar a presença das empresas brasileiras no comércio exterior.

O documento foi entregue aos ministérios da Economia (ME) e das Relações Exteriores (MRE), nesta quarta (20), pelo diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi. “A agenda reúne as prioridades do setor privado para inserir o Brasil de forma competitiva no mundo”, explica.

O texto foi bem recebido pelo governo e pelo setor privado, que participou da elaboração do conteúdo desde o início.

Secretária especial adjunta de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, do Ministério da Economia, Yana Dumaresq, recebeu a Agenda Internacional da Indústria

De acordo com a secretária especial adjunta de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, do Ministério da Economia, Yana Dumaresq, há uma grande convergência entre a Agenda Internacional da Indústria e a agenda do governo. “Ambicionamos desburocratizar o comércio exterior brasileiro. O Portal Único do Comércio Exterior é uma grande iniciativa, que caminha nessa direção. Existem também outras oportunidades para melhorarmos o ambiente de negócios para as empresas que operam em comércio exterior, e essa agenda sem dúvida nenhuma é um grande insumo para isso”, afirma a secretária.

Yana diz ainda que os acordos comerciais são uma ferramenta poderosa para liberalizar o comércio e que o governo está atento. “O foco, no momento, é concluir os acordos que já estão na mesa, sendo negociados”, explicou.

Diretor do Departamento de Promoção de Serviços e Indústria do ministério das Relações Exteriores, ministro Luiz Cesar Gasser, avalia que o documento tem elementos úteis para as ações do Itamaraty, em especial em promoção comercial para a indústria, atração de investimentos e infraestrutura. “É um documento muito concreto e o Itamaraty gosta de documentos nesse formato. Será muito útil”, diz o ministro.

CONHEÇA AS PRINCIPAIS PROPOSTAS DA AGENDA INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA 2019

1. Governança do comércio exterior brasileiro – Elaborar e adotar, pelo governo brasileiro, em consulta com o setor privado, de uma Estratégia Nacional de Comércio Exterior para o período 2019-2022, com objetivos claros e metas mensuráveis, incluindo todos os temas da política comercial brasileira. Além da criação do Adido de Indústria e Comércio para atuação em mercados estratégicos para a indústria;

2. Acordos comerciais – Negociar e concluir acordos com mercados estratégicos como: União Europeia, México, Aliança do Pacífico, Estados Unido, Japão, além de Irã, Sistema de Integração Centro-Americano (SICA) países do norte da África e países da Asean, preferencialmente Indonésia; e o aprofundamento do acordo com a União Aduaneira da África Austral (SACU).

3. Barreiras em terceiros mercados – Qualificar, pelo menos, 20 casos de novas barreiras identificadas pelo setor privado, por meio de análise técnica e legal, registrá-los no sistema SEM BARREIRAS e apontar possíveis soluções aos órgãos do governo brasileiro.  

4. Investimentos brasileiros no exterior – Defender acordos para evitar dupla tributação com países-chaves entre eles Estado Unidos, Colômbia e Alemanha; negociar acordos previdenciários com economias importantes na relação bilateral como África do Sul, Angola e China, e negociar acordos de cooperação e facilitação de investimentos (ACFIs) com países da América Latina, da África, dos BRICS, dos Estados Unidos e do Japão

5. Facilitação e desburocratização do comércio exterior – Defender a importância do programa e da alocação de recursos humanos, técnicos e orçamentários para a execução do Portal Único de Comércio Exterior; e apoiar a implantação do novo módulo de importação e a plena integração de controles e regulamentações de todos os órgãos anuentes do comércio exterior ao Portal Único de Comércio Exterior. Além de defender a eliminação das incompatibilidades jurídicas com as normas nacionais e internacionais de taxas e encargos exigidos no comércio exterior brasileiro.

6. Logística e infraestrutura do comércio exterior – Denunciar os acordos de reserva de carga marítima que o Brasil mantém com a Argentina e com o Uruguai; assegurar o cumprimento da decisão da Camex de não renovar o acordo com Chile, por meio da publicação de ato legalmente vinculante; e defender a inclusão de cláusulas, nos acordos de comércio em negociação pelo Brasil e pelo Mercosul, de liberalização e não exclusividade de cargas no transporte marítimo.

7. Tributação no comércio exterior – Eliminar as restrições impostas à compensação de créditos tributários federais; realizar ações junto ao Congresso Nacional e no âmbito estadual para utilização efetiva dos créditos tributários relativos ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS).

8. Financiamento e garantias às exportações e aos investimentos – Propor o pagamento regular da cota anual do Brasil ao Novo Banco de Desenvolvimento (NDB); defender a adesão do Brasil ao Fundo de Preparação de Projetos do NDB; apoiar a implantação do Escritório Regional das Américas; e apoiar o aumento do número de projetos brasileiros financiados pelo Banco.

9. Defesa Comercial – Defender a importância, para o setor privado, da manutenção e do fortalecimento do sistema de defesa comercial do Brasil, mantendo-se o modelo institucional vigente, com as análises de dumping, subsídios, surtos de importação, dano e nexo causal sob jurisdição do Departamento de Defesa Comercial (Decom).

SAIBA MAIS - Acesse aqui a Agenda Internacional da Indústria 2019

Relacionadas

Leia mais

Chile, México, Colômbia e Peru estão à frente do Brasil no ranking da competitividade, diz estudo da CNI
Apoio dos Estados Unidos deve acelerar entrada do Brasil na OCDE, afirma CNI
CNI apresenta 110 propostas para fortalecer comércio exterior brasileiro

Comentários