Prêmio Indústria Nacional Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas anuncia vencedores em setembro

Exposição dos 30 finalistas acontece no Museu de Arte Brasileira, em São Paulo, a partir do dia 13 de setembro. Paralelamente, o Projeto Arte e Indústria celebra a obra de Anna Bella Geiger e exibe trabalhos de artistas contemporâneos que dialogam com o setor industrial
Em seis edições, já foram premiados 30 artistas e 3 curadores

Considerado o mais tradicional e relevante das artes visuais do Brasil, o Prêmio Indústria Nacional Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas vai revelar os cinco premiados da 7ª edição no dia 12 de setembro no Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Alvares Penteado (MAB – FAAP), em São Paulo. Os trabalhos dos 30 finalistas da premiação estarão em exposição no MAB – FAAP a partir do dia 13 de setembro.

Paralelamente, serão exibidas obras de mais 11 artistas do Projeto Arte e Indústria, que nesta edição presta homenagem a Anna Bella Geiger e reúne nomes como Adriana Varejão, Brígida Baltar, Carlos Mélo, Cristina Canale, Frida Baranek, Karin Lambrecht, Leda Catunda, Nelly Gutmacher, Paola Junqueira, Rosângela Rennó e Walmor Correa.

Neste ano, o prêmio recebeu 687 inscrições de 24 Estados e do Distrito Federal. O júri – composto pelos curadores Ana Avelar, Bernardo Mosqueira, Clarissa Diniz, Gabriela Motta, Josué Mattos e Marcus Lontra, e pela artista Rochelle Costi – selecionou 30 finalistas de gerações e trajetórias diversas, contemplando tanto artistas consagrados quanto emergentes.

Presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, na 6ª edição do Prêmio Marcantonio Vilaça

“O prêmio busca identificar, premiar e promover trajetórias artísticas, independente da faixa etária. Contemplamos tanto jovens, que possuem trajetória expressiva nas suas regiões e precisam desse prêmio para desenvolver suas carreiras, quanto artistas mais experientes e conhecidos, que merecem o reconhecimento nacional proporcionado pela premiação”, comenta o curador Marcus Lontra.

Esta edição da premiação foi pautada pela proposta curatorial de trazer à luz o protagonismo feminino em todas as suas instâncias, incluindo a do júri, que levou a proposta como premissa na decisão e na seleção dos 30 finalistas. “A presença feminina é enorme na arte brasileira e pode ser percebida com muita clareza, especialmente na passagem do moderno para o contemporâneo, porém, nem sempre tem o reconhecimento que merece. Como o prêmio tem abrangência nacional, deve refletir, dentro do possível, as características da produção artística brasileira”, comenta o curador.

Alan Adi (Sergipe);

Aline Motta (Rio de Janeiro);

Ana Hupe (Rio de Janeiro);

Ana Mazzei (São Paulo);

Ana Teixeira (São Paulo);

Anna Costa e Silva (Rio de Janeiro);

Clara Ianni (São Paulo);

Dalton Paula (Goiás);

Dora Longo Bahia (São Paulo);

Eduardo Frota (São Paulo);

Fabrício Lopez (São Paulo);

Guto Lacaz (São Paulo);

Haesbaert (Rio Grande do Sul);

Isabela Prado (Minas Gerais);

Ismael Monticelli (Rio Grande do Sul);

João Modé (Rio de Janeiro);

Juliana Notari (Pernambuco);

Letícia Ramos (Rio Grande do Sul);

Lívia Flores (Rio de Janeiro);

Mônica Nador (São Paulo);

Nydia Negromonte (Minas Gerais);

Osvaldo Carvalho (Rio de Janeiro);

Pedro França (São Paulo);

Pedro Marighella (Bahia);

Rafael Bqueer (Pará);

Raquel Nava (Distrito Federal);

Rodrigo Bueno (Ceará);

Ueliton Santana (Acre);

Vitor Cesar (Ceará);

Vivian Caccuri (São Paulo). 

Os cinco premiados receberão uma bolsa de trabalho no valor de R$ 50 mil, e serão acompanhados por um curador de arte durante um ano. Além disso, terão suas obras apresentadas em exposições itinerantes em cinco capitais brasileiras, em 2020. 

Desenho da carioca Anna Bella Geiger de 1978

PROJETO ARTE E INDÚSTRIA - Simultaneamente à 7ª edição do Prêmio Indústria Nacional Marcantonio Vilaça, será realizada a exposição da 4ª edição do Projeto Arte e Indústria, que homenageia artistas cujos processos de criação estão relacionados à produção industrial. 

A iniciativa já homenageou Abraham Palatnik, Amélia Toledo e Sérvulo Esmeraldo. Desta vez, irá celebrar a obra da pintora, gravadora, escultora e desenhista carioca Anna Bella Geiger. A homenageada do Projeto Arte e Indústria é uma das grandes expoentes da primeira geração de artistas conceituais latino-americanos e uma das artistas mais importantes do Brasil no século 20. 

Nascida em 1933 no Rio de Janeiro, Anna Bella possui formação em língua e literatura anglo-germânicas. Começou sua trajetória artística na década de 1950 e possui uma produção marcada pela multiplicidade de meios e de processos. Até os anos 1960, dedicou-se ao abstracionismo informal e, mais tarde, à gravura em metal ou guache, uma fase conhecida como Visceral.

Nos anos 1970, iniciou um trabalho de caráter experimental e passou a usar outros meios, como fotomontagem e fotocópia, tornando-se pioneira da videoarte no País. Nos anos seguintes, aproximou o seu diálogo com a antropologia e se aprofundou em geopoética. A partir da década de 1990, ampliou ainda mais o seu repertório material, usando mapas e outros elementos, como linhas e diagramas. 

A artista carioca continua a trabalhar, mantendo o frescor de sua produção e utilizando diferentes mídias, que revisitam e exploram seus principais temas. A exposição em sua homenagem percorre as fases do trabalho da artista desde os anos 1960 até 2017. Reúne 74 peças, entre cadernos e trabalhos emblemáticos, incluindo fotogravuras, fotomontagens, vídeos, desenhos, mapas, gravuras em metal e serigrafia. 

Além dos trabalhos da homenageada, a exposição irá apresentar 40 obras de mais 11 artistas cuja produção dialoga com a de Anna Bella. São eles: Adriana Varejão, Brígida Baltar, Carlos Mélo, Cristina Canale, Frida Baranek, Karin Lambrecht, Leda Catunda, Nelly Gutmacher, Paola Junqueira, Rosângela Rennó e Walmor Correa. 

Desde que foi criado, em 2004, as exposições itinerantes do prêmio já passaram por 17 estados

O PRÊMIO - A premiação é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), do Serviço Social da Indústria (SESI) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), que busca incentivar a produção e a exibição da arte contemporânea no Brasil. Neste ano, teve o nome mudado (era chamado Prêmio Marcantonio Vilaça Para as Artes Plásticas) para dar destaque à indústria nacional, que viabiliza a realização do projeto. 

PROGRAMA EDUCATIVO - Inspirado no prêmio, o SESI também desenvolve o ACESSE (Arte Contemporânea e Educação em Sinergia no SESI). O programa educativo, baseado na metodologia STEAM (com foco nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática), estimula a melhoria da qualidade do ensino médio.

A ideia é propor a criação de projetos ao longo dos três anos do ensino médio, envolvendo questões relacionadas ao trabalho, desenvolvimento humano, sustentabilidade e artes. As exposições do prêmio e um material didático exclusivo para professores fazem parte desta proposta. 

Prêmio Indústria Nacional Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas
Local: Museu de Arte Brasileira - Fundação Armando Alvares Penteado (MAB-FAAP) 
Premiação: 12 de setembro (evento fechado para convidados)
Exposição: 13 de setembro a 20 de outubro de 2019 
Visitação: Segundas, quartas, quintas e sextas-feiras, das 10h às 19h (última entrada às 18h);
Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h (última entrada às 17h).
(Fechado às terças-feiras, inclusive quando feriado) 
Endereço: Rua Alagoas, 903 – Higienópolis – São Paulo (SP)
ENTRADA FRANCA

Relacionadas

Leia mais

Conheça os finalistas do Prêmio Indústria Nacional Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas
5 motivos para assistir à série especial sobre o Samaúma, o barco-escola do SENAI
Após Festival SESI de Robótica, jovens conquistam 33 prêmios em torneios internacionais

Comentários