Geração de emprego é a pauta prioritária para o país, diz ministro José Múcio

Vice-presidente do TCU participou do encerramento do Encontro Nacional dos Advogados do Sistema Indústria (ENASI). Para ele, não há saída para o país se não o diálogo
"O nosso objetivo é um só. Que o nosso país seja melhor" - José Múcio Monteiro

O vice-presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro José Múcio Monteiro, disse nesta quinta-feira (8) que a prioridade número um do país é a criação de empregos. Ele fez a palestra de encerramento do Encontro Nacional dos Advogados do Sistema Indústria (ENASI), realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília. Múcio, que deve assumir a Presidência do TCU em dezembro, adiantou que pretende manter diálogo constante com a CNI para a condução de pautas prioritárias para o país.

“Todos sabem que sou explicitamente amigo do Sistema Indústria. Sem gerar nenhuma suspeição, sempre defendi esta pauta de geração de emprego. A primeira pauta é gerar emprego. Depois vem saúde, vem tudo”, enfatizou o ministro do TCU. “Somos oficialmente parceiros e temos certeza que desejamos a mesma coisa. Muitas vezes o seu caminho difere do meu, mas o nosso objetivo é um só. Que o nosso país seja melhor”, acrescentou, dirigindo-se ao presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

Para o vice-presidente do TCU, o caminho para o Brasil se desenvolver como Estado começa pelo diálogo e entendimento entre as instituições e os diversos setores da sociedade. “Acredito que aquilo que o país mais necessita no momento atual é exatamente o que fazemos agora: o diálogo, o debate de ideias, manifestação de pensamentos, opiniões sendo expressas, debatidas e discutidas dando espaço a todos, mesmo os de opiniões adversas”, opinou Múcio. “Patrão e empregado precisam se sentar na mesma mesa. Governo e iniciativa privada precisam se sentar na mesma mesa”, completou.

José Múcio Monteiro considera que o Estado tem sistematicamente falhado em prover os cidadãos por uma série de motivos, entre os quais recursos insuficientes e mal geridos, além da subtração ilícita de parte do dinheiro disponível para investimentos. Segundo ele, o papel do TCU vai muito além de ser um órgão fiscalizador e punidor - é um órgão educativo e propositivo. “O TCU existe para que as pessoas possam ter mais saúde, segurança, educação e melhores serviços”, afirmou.

UNIÃO - O presidente da CNI ressaltou que o país, de fato, precisa de união para buscar caminhos melhores para um futuro próximo. Ele observou que o Sistema Indústria tem trabalhado de forma incessante em prol de mecanismos de transparência e compliance, e vem investindo em escolas e centros de tecnologia e inovação para proporcionar melhorias à sociedade 

“É isso que temos procurado fazer no Sistema Indústria. Refletir e pensar de que maneira podemos ajudar o Brasil a crescer, a distribuir mais, a ter mais emprego, a ter pessoas com melhor qualidade de vida. A esperança da gente está se renovando. Com pessoas lutando para que as coisas aconteçam temos muita confiança no futuro. Temos confiança no seu trabalho a frente do TCU”, destacou Robson Andrade.

APRESENTAÇÕES - Antes da participação do ministro Múcio, houve um debate no ENASI sobre as alterações na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro promovidas pela Lei 13.655/18, com participação dos juristas Odilon Cavallari e Marco Aurélio Barcelos. Também na quinta, o professor de Direito da Universidade de São Paulo (USP) Elival da Silva Ramos fez palestra sobre as decisões do STF e o princípio da segurança jurídica.

Também participaram do ENASI o advogado Eduardo Mendonça, que fez palestra sobre a importância da segurança jurídica, e o advogado especialista em proteção dados Renato Monteiro, que encerrou o primeiro dia do ENASI, na quarta (7), em um painel sobre a Lei 13.708/2018, conhecida como nova lei geral de proteção de dados. A abertura do evento foi feita pela ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Relacionadas

Leia mais

Vivemos período em que os cidadãos sabem dos seus direitos, diz Cármen Lúcia
Sistema Indústria tem sido exemplo de boas práticas de governança, diz presidente da CNI
Não vejo espaço para rebeldia quanto ao cumprimento da decisão do STF sobre terceirização, diz especialista

Comentários