Brasília, 59 anos: SESI e SENAI fazem parte desta história

Em meio a construção, o Serviço Social da Indústria atendia os candangos. O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial chegou à capital ainda na década de 60 para dar formação profissional
Aula do curso de Mecânica de Automóveis, no Senai Taguatinga, em 1981. Foto: Tereza Hezim/Sistema Fibra

Uma das maiores obras da humanidade, Brasília foi erguida no centro de um Brasil que ainda tinha a urbanização concentrada nas regiões Sul e Sudeste. Um canteiro de obras de proporções colossais, que, mesmo depois da inauguração, em 1960, continuava a funcionar com o trabalho de milhares de operários.

Em 1958, os candangos já eram atendidos pelo Serviço Social da Indústria (SESI), sob a administração nacional da entidade. Em um galpão na Vila Operária da Novacap, na Candangolândia, eram oferecidos serviços de saúde e educação e atividades de lazer.

Dentistas do Sesi-DF fazem atendimento nos anos 1980. Foto: Arquivo/Sistema Fibra

Anos depois, em 1966, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) iniciou a atuação do Distrito Federal, por meio do departamento regional de Goiás. Era oferecida capacitação profissional em convênios com o Ministério da Educação, a Fundação do Serviço Social e o Banco Regional de Brasília, atual Banco de Brasília (BRB).

A união dos braços da indústria do DF no Sistema Fibra foi em 1972, quando seis sindicatos criaram a Federação das Indústrias de Brasília (FIBRA), que passou a atuar como a entidade de defesa dos interesses do setor. Em 1973 veio a fundação do Instituto Euvaldo Lodi (IEL) no DF.

Laboratório de curso de Eletricidade Predial, no Senai Taguatinga, nos anos 1980. Foto: Joaquim Meneses/Sistema Fibra

O ano de 1974 marcou a instalação do SESI-DF e a expansão da rede de serviços ao industriário e à comunidade. No mesmo ano, o SENAI-DF inaugurou a primeira escola, em Taguatinga. Havia centros de formação profissional e de desenvolvimento de pessoal, além de um centro de tecnologia especialmente para atender à grande demanda da construção civil. No ano seguinte, a escola do Gama foi aberta.

O SESI-DF inaugurou outras duas unidades, no Gama e em Sobradinho, que, com a de Taguatinga, que operava desde 1968, formaram uma rede de promoção de qualidade de vida ao trabalhador, com amplo atendimento em saúde e segurança do trabalho.

Na formação educacional, o SESI-DF é pioneiro na adoção das diretrizes do Novo Ensino Médio, que se tornará obrigatório em 2021, mas já é aplicado em cinco turmas. Tem no currículo regular a Educação Tecnológica, com destaque para a Robótica. No Festival SESI de Robótica, em março, no Rio de Janeiro, competiram três equipes brasilienses, das quais duas se classificaram para torneios internacionais.

A estrutura de formação profissional do SENAI-DF está em cinco regiões administrativas. Além de Taguatinga e do Gama, foram instaladas unidades em Sobradinho, no Itapoã e em Brazlândia. Juntas, atenderam em 2018 quase 21 mil alunos em cursos presenciais e mais de 7,4 mil em cursos a distância – 15 mil deles foram beneficiados com vagas gratuitas. São trabalhadores que receberam formação de qualidade em uma grade de cursos atualizada de acordo com as demandas das empresas, tendo melhores condições de se posicionar em um mercado de trabalho com alto desemprego e forte concorrência.

Relacionadas

Leia mais

SESI e SENAI: instituições essenciais para o desenvolvimento
Exposição no Congresso Nacional destaca produtos inovadores desenvolvidos no SESI e no SENAI
SENAI CETIQT está com vagas abertas para cursos de pós-graduação em moda e vestuário

Comentários