Imersão da CNI apresenta principais iniciativas em inteligência artificial do Brasil

Grupo de gestores e líderes empresariais conhecerá institutos de PD&I em São Leopoldo (RS), Florianópolis (SC) e Campinas (SP) entre 4 e 6 de novembro
Instituto SENAI de Inovação em Soluções Integradas, em São Leopoldo (RS), desenvolve projetos de PD&I na área de sensoriamento e é um das unidades no roteiro do programa

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) vai acompanhar 25 gestores e líderes empresariais em viagem para conhecer renomados institutos de pesquisa, desenvolvimento e inovação nas cidades de São Leopoldo (RS), Florianópolis (SC) e Campinas (SP) entre os dias 4 e 6 de novembro. Eles participarão da 20ª edição do Programa de Imersões em Ecossistemas de Inovação da CNI.

Com o tema “inteligência artificial”, a iniciativa buscará aproximar a indústria brasileira a hubs de inovação nessas cidades, viabilizar projetos colaborativos de pesquisa e desenvolvimento e facilitar a criação de negócios intensivos em conhecimento em tecnologia.

Para a CNI, a inteligência artificial deve impactar diversos setores da sociedade, da saúde à indústria, passando pela própria administração pública. Na prática, essa tecnologia diz respeito à capacidade de máquinas realizarem tarefas por conta própria, simulando o raciocínio humano, a partir de algoritmos.

A diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio, afirma que mais de 20 países já desenvolveram estratégias nacionais para o tema, a partir do reconhecimento da sua importância. Ele ressalta a necessidade de o Brasil caminhar nessa direção e construir uma política nacional própria para essa área.

“Queremos aproximar as empresas brasileiras do que há de mais inovador nessa área no Brasil e, com isso, incentivá-las a investir em novas tecnologias”, afirma a diretora.

Números da pesquisa Indústria 2027, encomendada pela CNI, mostram que a inteligência artificial é uma das tecnologias com maior potencial de promover mudanças na indústria nos próximos anos, ao lado de tecnologias como Internet das Coisas (IoT, em inglês) e produção inteligente. Segundo o estudo, o mercado de inovações para inteligência artificial movimentará US$ 60 bilhões ao ano no mundo até 2025. Os números mostram ainda que quase 60% das empresas consideram alta ou muito alta a probabilidade de utilizarem, até 2027, processos automatizados com apoio de inteligência artificial e utilização de Big Data Analytics na gestão de seus negócios.

PROGRAMAÇÃO - No primeiro dia da imersão, em São Leopoldo, os participantes visitarão o Instituto SENAI de Inovação em Soluções Integradas em Metalmecânica. Trata-se de uma unidade credenciada pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) para desenvolver projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação na área de sensoriamento, com foco em três temas: desenvolvimento e integração de sensores; desenvolvimento de sistemas de visão computacional; e desenvolvimento de sistemas computacionais para sensoriamento.

Ainda em São Leopoldo, os participantes visitarão o centro de pesquisa e desenvolvimento da alemã SAP, empresa líder no mercado no ramo de softwares e aplicativos empresariais. Há quase 20 anos no Brasil, a SAP desenvolve soluções para simplificar os processos das empresas, tornando-as mais eficientes e produtivas, por exemplo por meio de aplicações em nuvem.

TECNOLOGIAS INOVADORAS - No dia 5, em Florianópolis (SC), o grupo visitará pela manhã a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI), que atua no desenvolvimento de produtos, processos e sistemas e apoia o processo de inovação tecnológica de empresas por meio de seus Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras. Também conhecerá a Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), que tem por missão apoiar o ecossistema local de ponta a ponta, das startups às empresas de grande porte.

No período da tarde, o grupo visitará o Instituto SENAI de Inovação em Sistemas Embarcados, no Sapiens Parque. Esse instituto atua junto à indústria nacional no desenvolvimento e aplicação de conhecimento nas áreas de dispositivos e equipamentos para computação embarcada, sistemas de aquisição e controle e sistemas de análise de dados. As soluções têm foco, de modo geral, em gestão do tempo, qualidade, custo e riscos.

No último dia, na quarta-feira (6), os participantes terão a oportunidade de conhecer o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD). Trata-se de uma unidade credenciada da Embrapii na área de comunicações avançadas. Eles visitarão ainda o Instituto Eldorado, um centro de pesquisa, desenvolvimento e inovação historicamente dedicado a tecnologia da informação e a telecomunicações. Por fim, haverá uma visita à Baita Aceleradora, que conta com um programa de aceleração com duração de seis meses, focado em startups de base tecnológica, com produtos, serviços ou modelos de negócios disruptivos, em fase inicial ou em crescimento.

PROGRAMA DE IMERSÕES – Desde o lançamento, em 2016, o Programa de Imersões em Ecossistemas de Inovação da CNI realizou 19 edições, tanto no exterior (Estados Unidos, Alemanha, Suécia, Holanda, Israel, Itália, Suíça e China) quanto no Brasil. Ao todo, 531 executivos participaram do programa, representando mais de 200 organizações.

Relacionadas

Leia mais

Inovação é chave para Brasil melhorar produtividade, aponta especialista
10 ferramentas que ajudam as empresas a inovar
Governo lança Finep InovaCred 4.0 para fomentar a inovação empresarial

Comentários