“A inovação transforma uma ideia que ainda não existe em algo concreto”, diz Steve Wozniak, pioneiro na criação de computadores

Conheça a história do engenheiro eletrônico que ajudou a moldar a indústria da computação. Wozniak foi um dos convidados do lançamento do 9° Congresso de Inovação

Steve Wozniak ressalta que as grandes empresas ainda têm um modelo engessado de ver a inovação como um processo transformador e necessário para o crescimento

O painel de encerramento do evento de lançamento do Congresso de Inovação da Indústria Brasileira foi feito por Pedro Wongstchowski e pelo cofundador da Apple Steve Wozniak. Um ícone no Vale do Silício e um dos principais nomes mundiais da inovação, pioneiro ao tornar computadores acessíveis ao consumidor comum, Wozniak contou a trajetória da sua empresa para percorrer os caminhos da inovação desde então e apontou tendências futuras. Conheça a história de Steve Wozniak, o engenheiro eletrônico que impulsionou a indústria da computação.

Steve Wozniak é um dos maiores nomes mundiais da inovação. Se interessou por tecnologia ainda criança, quando estava na sexta série. Ele começou a criar fórmulas para o jogo da velha, uma de suas inspirações para criar regras e lógicas, uma função útil e que poderia ajudar muitas pessoas a jogar e não perder. Wozniak tinha um sonho de ser engenheiro elétrico e dar aulas, porque ele acha que os professores têm muito a ver com o futuro. 

No ensino médio, ele encontrou um manual que descrevia arquitetura de um menin computador que dava para fazer várias configurações, mas era muito caro trabalhar com inputs e alt inputs, os custos eram muito altos. “Eu falei para o meu pai: um dia eu vou ser dono de um computador 4k, que terá uma linguagem de programação para que eu possa resolver problemas, como o que eu resolvi no jogo da velha. Meu pai disse que isso iria custar o equivalente a uma casa. Mas eu decidi que queria trabalhar com computadores, que eu iria ter um computador mais valioso que uma casa”, lembra.

A realização de um sonho

Para conseguir recursos para comprar materiais e criar seu próprio computador, Steve Wozniak começou a estagiar na empresa HP, ainda quando jovem, com apenas 16 anos. Ele desenvolveu diversos produtos, entre calculadoras científicas altamente tecnológicas e eficazes. Mesmo trabalhando, na corrida pela criação do seu primeiro computador, Wozniak desenvolveu a parte de designer e um executivo da empresa que ele trabalhava conseguiu comprar peças para ele, pois era muito dinheiro e ele não tinha recursos para isso. “Foi nessa época também que conheci o Steve Jobs, quando ele tinha 16 anos, e eu fazia estágio na HP. Ele tinha uma boa visão de negócios e eu trabalhava como engenheiro. Mesmo sem diploma, eu fazia os melhores produtos da época e o Steve Jobs já queria transformar minhas invenções em dinheiro”, relembra. 

Wozniak aprendeu sozinho a programar e projetar computadores. Ele sabia que para criar seu próprio computador era necessário criar conexões e sistemas de transmissão. Ao lembrar que a televisão era a única coisa que ele conseguiria comprar, passou a trabalhar com videogames. “Comprei microprocessadores a US$ 40, na época, e comecei a montar meu próprio computador. Ao levar meu computador, em criação, para o clube que eu frequentava, despertou o interesse das pessoas. Todo mundo queria ter um e as grandes empresas de computadores diziam que isso não era possível. Mas eu vi que era possível criar um computador paras as pessoas, ou até mesmo que elas conseguissem construir seu próprio equipamento sem usar apenas o da empresa”, disse. 

Os computadores seriam basicamente uma tela e um teclado. Foi quando o Steve Jobs disse para abrirem uma empresa, conhecida mundialmente como Apple. Mesmo assim, após dez anos que as pessoas começaram a aceitar a ideia de ter seu próprio computador e a comprá-lo. 

A inovação como tendência

Steve Wozniak ressalta que as grandes empresas ainda têm um modelo engessado de ver a inovação como um processo transformador e necessário para o crescimento. Em paralelo, as startups já possuem essa visão de crescimento e que precisa ser trabalhada. “A inovação pega algo que é virtual, que ainda não existe, uma ideia e transforma em algo concreto, que você possa segurar na mão, assim como fiz com os computadores. Transformei minha ideia em algo real”.

As startups se baseiam em novos dispositivos, produtos e em inovação. Para as empresas maiores é difícil lidar com essa velocidade da mudança. As empresas precisam aprender a manter o espírito de inovação e de empreendedorismo para buscar novas ideias. As grandes empresas têm muitos recursos e com isso conseguem facilitar a inovação. “Seria importante mudar a visão das empresas e fazer elas enxergarem como a inovação pode gerar receita, valorizando seus produtos. As startups têm pensamentos mais modernos e seguem as tendências de mercado. Elas têm muitas ideias e conseguem identificar produtos que o mercado precisa. As empresas precisam aprender a identificar também bons produtos”, destaca Wozniak.

O engenheiro destaca que as empresas precisam acompanhar as mudanças no mercado. Ele ressalta que na Apple, por exemplo, o que sempre aprendemos é que se o mercado mudar, temos que mudar. “A rentabilidade é uma forma de medir se a empresa está indo bem. Pensamos que não dá para criar o mesmo produto sempre, temos que inovar, pensar em novas tendências. A Apple sempre foi muito inovadora, porque pensamos em estilo de vida das pessoas, esse é o nosso novo conceito. Agora entramos em serviços como a Apple TV, que visa atender a novos estilos das pessoas”.

Para Wozniak, os maiores desafios para as gerações futuras serão encontrar boas tendências, entender o que é bom e o que é ruim. Hoje todos têm um smartphone na palma da mão, mas a privacidade dos seus dados está disponível. A revolução digital trouxe essa era de insegurança da informação com os dados expostos. “A cibersegurança vem para proteger esses dados e quem sabe projetar um novo tipo de internet, onde as pessoas podem pagar para manter seus dados guardados. A Apple já faz isso com seus clientes, que pagam um valor mensal para ter suas fotos, dados salvos em uma nuvem, em que apensas o dono tenha acesso”, declarou.

Relacionadas

Leia mais

Congresso de Inovação nos motivará a construir um país mais inovador e competitivo, diz presidente da CNI
Veja como foi o lançamento do Congresso de Inovação
80% das indústrias inovaram na pandemia e tiveram aumento de lucro e produtividade

Comentários