Investimentos previstos para transportes em 2020 são os menores já registrados

Recursos federais para infraestrutura apresentam tendência de queda desde 2012. Retomada da capacidade de investimento depende de reformas e transferência de ativos ao setor privado
Levantamento da CNI mostra que o recurso para este ano é o menor da série iniciada em 2001 e inferior ao de 2019

Os investimentos aprovados no orçamento da União de 2020 para o Ministério da Infraestrutura somam R$ 7,9 bilhões. Os valores constantes, atualizados pelo IPCA, apresentam tendência de queda desde 2012, quando comparados com o orçamento do antigo Ministério dos Transportes. De acordo com levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o montante para este ano é o menor da série iniciada em 2001 e inferior ao de 2019, em R$ 113,4 milhões.

De acordo com dados da ONG Contas Abertas, o orçamento total do Ministério da Infraestrutura para 2020 é de R$ 22,1 bilhões. Desse total, R$ 7,7 bilhões são para reserva de contingência, R$ 6,5 bilhões para pagamento de pessoal e despesas administrativas, e apenas R$ 7,9 bilhões para investimentos em rodovias, portos, hidrovias, aeroportos e ferrovias.

A deterioração da infraestrutura nacional nas últimas quatro décadas ocorreu, fundamentalmente, pela contração dos investimentos públicos, tendência que se acentuou desde o início da recente crise fiscal e econômica no país. Os recursos efetivamente investidos pela União no setor de transportes já chegaram a patamares bem superiores, como em 2010, quando foram desembolsados R$ 22,4 bilhões, incluindo as despesas do exercício e os restos a pagar.

Reformas são essenciais para os investimentos em infraestrutura

Essa participação cada vez menor do poder público nos investimentos em infraestrutura indica a necessidade de continuidade da aprovação das reformas estruturais, iniciadas no ano passado pela previdenciária. Para a CNI, esse é o caminho para o governo retomar a capacidade de investimento, a partir da diminuição do peso com despesas correntes e obrigatórias.

De acordo com dados da consultoria Inter B., os investimentos em infraestrutura no Brasil, públicos e privados, representam apenas 1,8% do PIB, muito aquém da estimativa de 4,15% necessário para elevar, em duas décadas, o estoque de infraestrutura em relação ao PIB dos 36% atuais para a casa de 60%. Tal participação foi registrada no início da década de 1980, após um período de taxas recordes de investimento e crescimento econômico, e é tida como a mínima necessária para uma oferta de serviços de infraestrutura capaz de garantir a competitividade do setor produtivo e a qualidade no atendimento aos usuários.

Participação cada vez menor do poder público nos investimentos em infraestrutura indica a necessidade de continuidade da aprovação das reformas estruturais

“O caminho para a reversão do déficit de infraestrutura no Brasil passa pelo aumento da participação privada na gestão e nos investimentos do setor. Além da maior capacidade de mobilização de recursos, o setor privado é mais flexível e consegue responder mais rapidamente às oportunidades de mercado”, afirma o gerente-executivo de Infraestrutura da CNI, Wagner Cardoso.

Nesse sentido, o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) se mostra cada vez mais imprescindível para o desenvolvimento de infraestrutura brasileira. O programa centraliza uma carteira de projetos e cria condições para que empresas privadas possam investir no setor, a partir de concessões. Desde a criação, em 2016, até o fim de 2019, o PPI já realizou mais de 170 leilões, com investimentos totais de R$ 700 bilhões e arrecadação de R$ 137 bilhões em outorgas pelo poder público. Para 2020, a expectativa é de realizar novos leilões de pelo menos 40 projetos de infraestrutura.

Relacionadas

Leia mais

Nova tabela do frete agrava distorções no transporte rodoviário
Ministro da Infraestrutura pede investimento do BRICS em ferrovias no Brasil
Leilão das BRs-364 e 365 avança na direção de infraestrutura mais eficiente para o país, avalia CNI

Comentários