Santa Catarina recebe exposições do Prêmio Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas

A mostra, com obras de vários artistas, fica em Florianópolis até fevereiro
As obras podem ser vistas no Museu de Arte de Santa Catarina. A entrada é gratuita

Arte em Santa Catarina. A capital do estado é a última parada das exposições da 6ª edição do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas. Até fevereiro do ano que vem, quem estiver em Florianópolis pode conferir a mostra no Museu de Arte de Santa Catarina (MASC), que tem entrada gratuita. O Diretor Superintendente do Serviço Social da Indústria (SESI), de Santa Catarina, Fabrízio Machado Pereira, falou sobre a mostra, pela primeira vez no estado. “É uma grande honra receber o prêmio aqui. É uma grande oportunidade, além de trazer arte contemporânea, de artistas premiados, também trazer artistas catarinenses que foram premiados nesta edição”, disse.

O catarinense Fernando Lindote, um dos artistas premiados, falou sobre a emoção de expor seus quadros no estado “Talvez seja o lugar onde é mais tenso porque tem a apresentação para a minha cidade e o meu estado. Então é onde a gente fica um pouco mais apreensivo com a recepção. Não que os outros lugares não sejam importantes, mas eu acho que sempre que a gente mostra o trabalho da gente na própria cidade, a gente pensa mais na recepção”, afirmou.

Além das obras de Lindote, quem for ao Museu de Arte de Santa Catarina, vai conhecer os trabalhos dos outros quatro artistas premiados nesta edição: Daniel Lannes (RJ), Jaime Lauriano (SP), Pedro Motta (MG) e Rochelle Costi (SP). Nesta edição, a exposição passou por três estados, Rio de Janeiro, Goiás e Ceará, e pelo Distrito Federal, antes de chegar a Santa Catarina.

O mineiro Pedro Motta apresentou um trabalho de superposição de fotos. Ele trabalhou com paisagens de Minas Gerais que foram degradadas pela mineração. Motta diz que levar as obras a diversas cidades é muito positivo. “Eu acho que a importância maior é esta possibilidade do trabalho ser apresentado em vários lugares. A distinção de público. Esta possibilidade do trabalho atingir vários públicos. Tem uma distinção grande de público do norte, do sudeste, do sul. O trabalho não é só mais meu”, disse.

O Prêmio Marcantonio Vilaça foi criado em 2004, pelo Sistema Indústria. Para o curador da mostra, Marcus Lontra, o grande sucesso do prêmio é o casamento entre a indústria e a arte, “Eu acho que o prêmio é um projeto muito bem elaborado. Mas, antes de tudo, é uma vocação do compromisso da indústria brasileira com a arte, com a cultura nacional. Acho muito louvável que tenhamos o sistema S como um instrumento fundamental para criar esta compreensão”, destacou.

Além das obras dos premiados pelo Prêmio Marcantonio Vilaça, os visitantes também podem conferir a exposição “Verzuimd Braziel – Brasil Desamparado”, do curador premiado Josué Mattos, com trabalhos de outros 17 artistas. E tem ainda a mostra “A Intenção e o Gesto”, com obras do artista cearense Sérvulo Esmeraldo (1929-2017), homenageado dentro do projeto Arte e Indústria. Viúva de Esmeraldo, Dodora Guimarães Esmeraldo, acompanhou a abertura da mostra em Florianópolis. Ela explicou que algumas obras foram escolhidas para a última exposição organizada por ele, na cidade natal, Crato (CE).

“Todos estes trabalhos dizem muito do Sérvulo. É com grande emoção que a gente reencontra, eu diria mais do que o trabalho dele, ele. A sua alma, a sua essência. E toda esta homenagem, do Prêmio Marcantonio Vilaça, nos deu muita alegria. Quando Sérvulo recebeu a notícia da homenagem, ele ainda estava vivo mas infelizmente não pode viver as exposições. Eu sempre penso que esta homenagem foi como um presente que me foi dado para superar esta perda”, disse.

Alunos de escolas de Santa Catarina poderão fazer visitas guiadas à mostra. “Nosso grande desejo é despertar este lado da cultura. Fazer com que haja uma interação da cultura, com a história brasileira”, explicou o Diretor Superintendente do SESI/SC, Fabrízio Machado Pereira. 

O mineiro Pedro Motta e a viúva do homenageado pelo prêmio, Dodora Esmeraldo, na abertura da exposição em Florianópolis

O PRÊMIO – A 6ª edição do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas (2017-2018) recebeu inscrições de 637 artistas e curadores de todas as regiões do Brasil. Cada um dos cinco artistas vencedores recebeu uma bolsa de R$ 50 mil para a produção de trabalhos, e o curador uma bolsa no valor de R$ 25 mil. 

“O Prêmio é uma homenagem da indústria a Marcantonio Vilaça, um dos principais responsáveis pela institucionalização e projeção internacional da arte contemporânea brasileira”, destaca Marcus Lontra. “Colecionador e galerista, Marcantonio foi reconhecido como a principal referência do mercado latino-americano de arte nos anos 1990. E é em coerência com essa história que o Prêmio se constitui uma ferramenta de apoio à difusão e à articulação da produção artística brasileira em toda a sua força e variedade expressiva”, afirma. O Prêmio é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), do SESI e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI).

Exposição do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas

Período: 26/10/2018 a 03/02/2019 
Horário : de terça a domingo, das 10h às 21h 
Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) - Centro Integrado de Cultura 
Avenida Governador Irineu Bornhausen, 5600 – Agronômica - Florianópolis (SC) 
Informações sobre visitas mediadas às exposições e atividades da ação educativa pelo telefone: (48) 3664 - 2633 ou pelo email: educativopremiomvilaca@gmail.com
Entrada gratuita

Relacionadas

Leia mais

Conheça os vencedores do Prêmio Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas
Projeto inédito do SESI integra arte e educação no currículo do ensino médio
Educar para avançar

Comentários