Necessidade que se tornou paixão e base para competir na WorldSkills

Competidora de Minas Gerais vai representar o Brasil em Enfermagem na maior competição profissional do mundo após a mãe sofrer um AVC
Competidora fazia ballet e estava prestes a começar a viajar com a companhia de dança quando a mãe sofreu um AVC

Quem vê Miriam de Paula Soares da Silva, 22 anos, executar tão bem os cuidados de Enfermagem nem imagina que a mineira fazia ballet em uma academia de Belo Horizonte e não se via fora do mundo da dança. A jovem que vai representar o Brasil na categoria Cuidados de Saúde e Apoio Social, na WorldSkills, estava prestes a começar a viajar para outros países com a companhia de dança quando teve que assumir os cuidados da mãe que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC).

Ela conheceu o curso técnico em Enfermagem do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) quando concluiu o ensino médio e pesquisava possibilidades para a carreira profissional. Por já ter adquirido experiências no ramo desde os 15 anos, por causa dos cuidados com a mãe, ela não teve dúvida do que queria. “Me identifico muito com a Enfermagem e vejo várias possibilidades de atuação”, afirma a mineira.

Durante o curso, Miriam ficou sabendo da WorldSkills e, na hora, pensou que aquela era a sua chance de conhecer o mundo e viajar para fora. Ela estava certa. Em maio, a jovem foi para China e conquistou a primeira medalha de ouro em uma disputa na sua ocupação.

Miriam conquistou a primeira medalha de ouro na China, em maio

Quanto ao mundial na Rússia, a mineira está confiante. “Além da experiência e aprendizado que vou adquirir em Kazan, outra grande expectativa é representar com excelência minha profissão. Com toda certeza darei meu melhor para trazer mais uma medalha de ouro para o Brasil”, afirma Miriam.

A competidora sabe bem como é bom para o currículo ter a experiência e prêmios em competições como esse mundial de profissões. “O nível de excelência exigido para as competições é muito grande, com isso nos tornamos profissionais diferenciados no mercado de trabalho”, conta.

A jovem, que aproveita o tempo livre para ver filmes e andar de bicicleta, pretende concluir o curso técnico e começar uma faculdade de Enfermagem quando retornar da Rússia.

Relacionadas

Leia mais

Lucas entrou no SENAI para ser empreendedor e virou competidor da WorldSkills
Conectado! Chegou a hora de Eduardo representar o Brasil na WorldSkills
WorldSkills abre uma janela de oportunidades, destaca competidor

Comentários