Escola no pós pandemia terá ensino híbrido e mais uso de tecnologia

Especialistas em Educação enxergam possibilidade de alavancar o modelo que mistura aulas presenciais com atividades mediadas por plataformas tecnológicas, como forma de promover uma Educação mais equânime
O ensino híbrido permite o uso de plataformas e aplicativos no aprendizado dos alunos

Apesar da crise gerada pela pandemia de coronavírus, que atingiu todas as áreas, em especial a da Educação, especialistas acreditam que o momento pode ser uma oportunidade para a implementação de mudanças capazes de mudar a desigualdade educacional do Brasil.

Uma das mudanças seria o ensino híbrido, parte presencial, parte a distância, com uso de tecnologia, como plataformas e aplicativos. Uma das grandes vantagens disso, na visão deles, seria a possibilidade de o país poder expandir o acesso para alunos de regiões de baixa renda, que poderiam ter acesso aos mesmos conteúdos.

“Esse momento abre uma oportunidade de nós levarmos o debate para o modelo de ensino híbrido, no sentido de acelerarmos para uma direção de equidade”, afirmou Rafael Lucchesi, diretor de Educação e Tecnologia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), diretor-geral do SENAI, e diretor-superintendente do SESI.

Para a diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Claudia Costin, além da crise causada pela pandemia do coronavírus, o Brasil já enfrenta, há anos, uma grave crise na Educação, e lembrou que, em 2016, foi divulgado um estudo mostrando que apenas 9,1% dos estudantes que chegam ao ensino médio possuem conhecimentos considerados adequados em Matemática.

“Dos 79 países que participaram do PISA, teste internacional de qualidade da Educação, o Brasil ficou em segundo lugar de país mais desigual, então, há um problema grave”, disse ela.

Nesse contexto, veio a pandemia e ampliou ainda mais as desigualdades para crianças de baixa renda, sem acesso à internet, nem livros em sua residência. Ainda assim, a diretora acredita que as redes de ensino estaduais conseguiram se organizar para as aulas à distância, ainda que com ações de “mitigação de danos”, com aulas pela televisão e até pelo rádio em algumas cidades do país.

“Eu prefiro ser otimista e olhar o copo meio cheio. Houve um aprendizado muito intenso dos gestores educacionais e professores que estiveram na linha de frente”, disse. “E é nessa capacidade de se reinventar que a gente vai poder construir um futuro pensando em coisas como ensino híbrido, quando houver a volta às aulas”, afirmou.

No ensino híbrido, só há espaço para professor qualificado

Os especialistas debateram o assunto durante live realizada nessa semana para tratar de  mudanças na Educação após a pandemia. Na visão do professor Mozart Ramos, titular da Cátedra Sérgio Henrique Ferreira IEA-USP Ribeirão Preto, outro benefício da adoção do ensino híbrido será a necessidade de capacitação dos professores. Isso porque 74% dos professores afirmam não se senetirtem preparados para o desafio, o que na visão dos especialistas é natural já que o ensino à distância pegou todos de surpresa.

Para ele, o caminho mais curto para enfrentar os problemas da Educação no país é qualificar o professor. “Com professor bem formado, a gente consegue fazer a mudança”, disse ele. 

E a mudança seguirá necessariamente, segundo ele, um novo formato. “A pandemia foi o grande catalizador para trazer de vez a questão do ensino mediado por tecnologias”, disse.

“Esse é o momento de se pensar esse futuro, que é agora, e que nos leva ao ensino hibrido. Vai ser um ensino em que o conceito de aluno em tempo integral será cada vez mais relevante, o aluno vai ter parte de suas atividades na escola, no campo presencial, e a parte não presencial será desenvolvida por essas atividades, tanto síncronas, quanto assíncronas, utilizando essas novas tecnologias e aplicativos. Eu acho que esse é o momento da escola se reinventar”, concluiu.

Rafaell Lucchesi destacou que, no Brasil, o debate sobre uso da tecnologia, muitas vezes, segue a linha da polêmica em torno da substituição do professor pela inovação, o que acaba prejudicando o avanço de mudanças importantes. “O papel do professor não diminui com o uso das tecnologias, assim como a importância dos médicos não diminuiu com a telemedicina”, disse. 

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias

Relacionadas

Leia mais

Educação voltada para atividades produtivas será fundamental no pós-pandemia
SENAI oferece vagas em diversos cursos durante a pandemia
Escolas do SESI fazem simulado on-line para preparar alunos para o Enem digital

Comentários