Disciplina e conhecimento movem competidor gaúcho que vai para a WorldSkills

Leonardo treina para disputar uma das mais complexas categorias do mundial de profissões técnicas: Manutenção Industrial
“Quero reunir competidores e ex-competidores da WorldSkills na minha empresa”, planeja Leonardo

Leonardo Almeida de Moraes, 18 anos, mora em Canoas, no Rio Grande do Sul, mas vai passar todo o primeiro semestre de 2019 em Brasília. O jovem gaúcho treina para participar da maior competição de profissões técnicas do mundo, a WorldSkills, na categoria Manutenção Industrial. As tarefas para os competidores não são simples, é preciso montar uma espécie de mini planta industrial. Logo, é importante saber montar, soldar, cortar peças e fazer o chamado comissionamento, ou seja, verificar o funcionamento dos equipamentos.

Quem concorre nessa modalidade precisa ter conhecimentos em diferentes áreas: usinagem, eletrônica, elétrica, soldagem e manutenção. Leonardo sonha não apenas com o pódio em Kazan, na Rússia, mas com o ouro.

Nos dois últimos mundiais, o Brasil conquistou medalhas em Manutenção Industrial: em 2015, o bronze. Em 2017, a prata. “Se formos seguir as superstições, em 2019, é a vez do ouro”, aposta o jovem.

Entrar no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) foi um dos passos do rapaz para ajudar os pais a progredir economicamente. “Eu estava fascinado em fazer 16 anos para ser jovem aprendiz. Disse para a minha mãe que queria um curso que me desse um currículo e então ela me disse para fazer SENAI”, lembra. Quando ele estava terminando o curso de mecânico de manutenção de máquinas, veio o convite para competir.

A categoria é a mais complexa pois o competidor precisa ter conhecimentos em diferentes áreas como: usinagem, eletrônica e manutenção

O garoto que adora bicicletas e nunca havia andado de avião, viajou pelo Brasil nas competições do SENAI e, como representante brasileiro na WorldSkills, fez intercâmbio na Coreia do Sul durante os treinamentos, que transformaram sua vida.

“Nosso diferencial é a disciplina e o conhecimento sobre as coisas, o contato diário com as tarefas”, diz. No futuro imediato, depois de trazer o ouro, Leonardo quer virar instrutor do SENAI e fazer faculdade de Engenharia Mecânica. Depois, pretende abrir uma empresa de manutenção de sistema automatizado. “Quero reunir competidores e ex-competidores da WorldSkills na minha empresa”, planeja.

Relacionadas

Leia mais

Aluno do SENAI vai à Coreia do Sul se preparar para a WorldSkills
Expert japonês treina alunos do SENAI para a WorldSkills
SENAI do Rio Grande do Sul é ouro em Manutenção Industrial nas seletivas para a WorldSkills 2019

Comentários