Empresa projeta e constrói máquina para fabricação de máscara-respirador em 40 dias

Com o apoio do SENAI, a JGB, de São Jerônimo (RS), superou-se em um dos maiores desafios em 35 anos de mercado e agora vai expandir faturamento com nova linha de produtos de proteção contra riscos biológicos
O fundador da empresa explica que a importação de uma máquina não atenderia rapidamente a demanda gerada pela pandemia

Estabelecida no mercado, a empresa JGB, de São Jerônimo (RS), é pioneira no mercado de segurança do trabalho. Fabrica equipamentos de proteção para profissionais submetidos a riscos químicos ou de altas temperaturas, entre outros. A pandemia de Covid-19, porém, fez a indústria superar-se em um dos seus maiores desafios em mais de três décadas. Com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), projetou e construiu, em apenas 40 dias, uma máquina para fabricação de máscaras-respirador PFF2/N95, capazes de proteger os usuários de gotículas que contenham vírus.

O fundador da empresa, José Geraldo Brasil, explica que a importação de uma máquina, um processo demorado, não responderia à necessidade de atender rapidamente à demanda gerada pela pandemia. Por isso, a indústria encarou e venceu a empreitada.

“O bom relacionamento entre as áreas técnicas da JGB e do SENAI foram fundamentais para o andamento do trabalho. Desenvolver tecnologia de altíssimo nível sem haver nenhuma reunião presencial é para poucos, assim temos orgulho em dizer que pesquisadores brasileiros projetaram e fabricaram uma máquina e um produto 100% brasileiro”, conta ele.

A máscara-respirador do tipo PFF2, sigla de Peça Facial Filtrante, possui um filtro que impede contaminantes do ambiente de entrar no sistema respiratório do usuário. O empresário conta que foi uma novidade para a equipe de 165 colaboradores trabalhar com esse tipo de produto. “Somos uma fábrica de equipamentos de proteção individual que atua há 35 anos nos segmentos de riscos térmicos e químicos, mas nossa equipe não tinha o conhecimento necessário sobre riscos biológicos para criar um produto do zero”, diz ele.

A parceria com os Institutos SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros, de São Leopoldo (RS), e o de Biossintéticos e Fibras, no Rio de Janeiro, foram determinantes na tarefa de criar um produto com o nível de segurança exigido para uso profissional.

“A atuação da rede de inovação e tecnologia do SENAI frente à pandemia de Covid-19 foi por meio da implementação imediata de soluções tecnológicas, muitas vezes complexas, que apoiam a agenda de enfrentamento ao novo coronavírus e expandem a capacidade do parque industrial brasileiro”, explica o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi.

Além do respirador, a empresa desenvolveu um face shield incolor para riscos biológicos, macacões e aventais descartáveis. Os novos produtos estão em fase de registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que atendam a todas as normas de segurança e boas práticas de fabricação. De acordo com o empresário, a máquina projetada, que tem capacidade para produção de 1 milhão de unidades ao mês, também foi pensada para ampliar o leque de produtos no portfólio. A previsão é que a nova linha, chamada Impermax, represente, no mínimo 10% do faturamento da empresa.

“Os resultados deste projeto se constituem em um bom exemplo e demonstram as vantagens para as empresas industriais de desenvolver projetos de PD&I de forma consorciada, com compartilhamento de esforços, conhecimentos, riscos e custos”, avalia a gerente de operações do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros, Viviane Lovison.

“A plataforma de inovação em fibras trabalha em soluções inovadoras que envolvem o mapeando de matérias-primas alternativas, o desenvolvimento de funcionalização de substratos têxteis e ajustes de processo aplicação. Temos o apoio do Instituto SENAI de Tecnologia Têxtil e de Confecção na produção de protótipos de itens hospitalares”, complementa Adriano Passos, coordenador da plataforma de Fibras do Instituto SENAI de Inovação em Biossintéticos e Fibras, organização integrante do SENAI Cetiqt.

Missão contra a Covid-19 

O projeto da JGB foi um dos 34 selecionados na categoria Missão contra a Covid-19 da Plataforma Inovação para a Indústria (antigo Edital de Inovação para a Indústria). A categoria surgiu da parceria do SENAI, da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

Foram investidos R$ 29 milhões nas propostas selecionadas, que ajudam a prevenir, diagnosticar e tratar a Covid-19. Entre os projetos já desenvolvidos estão equipamento que utiliza raios ultravioleta para desinfecção de transportes públicos; o uso de supercomputação e inteligência artificial para diagnosticar a doença; monitor que avalia se a ventilação pulmonar de pacientes graves está correta; um spray para superfícies e tecidos que eliminam o novo coronavírus, entre outros.

A Plataforma Inovação para a Indústria é uma iniciativa do SENAI e do Serviço Social da Indústria (SESI). Desde que foi criada, em 2004, foram selecionados mais de mil projetos inovadores, nos quais foram investidos mais de R$ 711 milhões. As propostas recebem recursos e apoio para desenvolvimento de uma prova de conceito, passando por processos de validação, de protótipo e de teste na rede de inovação e tecnologia do SENAI. O objetivo é estimular o desenvolvimento de soluções inovadoras para a indústria brasileira, sejam novos produtos, processos ou serviços de caráter inovador, incremental ou radical.

A rede de Inovação e de Tecnologia do SENAI

Os Institutos do SENAI possuem pesquisadores qualificados, equipamentos e infraestrutura de vanguarda para desenvolvimento de produtos e processos inovadores, assim como para a oferta de serviços de consultoria e metrologia. Desde que a rede de 27 Institutos SENAI de Inovação foi criada, em 2013, mais de R$ 1 bilhão foi aplicado em 1.086 projetos concluídos ou em execução. A estrutura conta com mais de 700 pesquisadores, sendo que cerca de 44% possuem mestrado ou doutorado. Atualmente, 15 centros são unidades Embrapii, e têm verba diferenciada para financiamento de projetos estratégicos de pesquisa e inovação. A rede de 60 Institutos SENAI de Tecnologia possui corpo técnico de cerca de 1.200 especialistas e consultores que prestam serviços buscando melhorar a qualidade de produtos e serviços, a produtividade e a competitividade dos negócios.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Números do CAGED mostram que a indústria tem ajudado na recuperação econômica da Paraíba
Alunos do SENAI criam plataforma para aproximar artistas do público
Cursos do SENAI: Há mais de 3 mil vagas disponíveis pelo país

Comentários