Condefesa debate ecossistemas de inovação

Na pauta, alternativas para melhorar a interação entre academia, mercado e poder público com foco em desenvolver soluções para questões concretas da defesa e segurança
Inovação é uma forma de ajudar a reduzir a dependência do setor do mercado internacional

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) reuniu representas do governo federal, da indústria e da academia no Conselho Temático da Indústria de Defesa e Segurança (Condefesa) para debater a construção de ecossistemas de inovação em defesa e segurança. Participantes foram unânimes em reforçar a importância da interação entre o poder público, a iniciativa privada e a academia para encontrar soluções adequadas e reduzir a dependência do setor do mercado internacional. 

O presidente do Condefesa, Glauco Jose Côrte, destacou que o fórum é fundamental para o Brasil avançar no diálogo sobre a construção de um ambiente mais favorável aos negócios de defesa e segurança. “Em momentos como o que estamos vivendo, quando nos deparamos com os desafios impostos pela Covid-19, fica ainda mais claro que é preciso fortalecer a indústria nacional”, comentou.

Estudo realizado pela CNI com o Instituto FSB Pesquisa com mais de 2 mil brasileiros em julho, 77% dos entrevistados afirmaram que considera importante fortalecer a indústria nacional para diminuir a dependência do Brasil de matérias-primas e equipamentos importados em momentos de crise como esse da pandemia do novo coronavírus. 

Durante a reunião, foram apresentados os modelos do SOSA, maior hub de inovação do mundo; do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos; do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), em São Paulo, e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), espalhado pelo Brasil.  

“Há um consenso de que a educação de qualidade é a base de sustentação de um ecossistema de inovação. Israel, fundada na cultura do conhecimento, é uma inspiração”, comentou a diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio. Ela destacou que Israel é o país com o maior número de pesquisadores por habitante e com o maior percentual de investimento em pesquisa e desenvolvimento comparativamente ao PIB. 

Interação entre academia, estado e indústria

O reitor do ITA, professor Anderson Ribeiro, apresentou o modelo de interação da academia, estado e indústria implementado no ITA. Ele destacou a importância das instituições de ensino superior terem representantes da indústria e do comércio dentro dos seus conselhos. “A interação com o mercado é extremamente salutar”, enfatizou Ribeiro. Ele comentou que no ITA há uma estímulo institucional para os alunos criarem empresas voltadas ao setor aeronáutico por meio da Incubaero.  

O foco em problemas concretos também foi destaque na apresentação do gerente-executivo do SENAI, Marcelo Prim. “O ambiente de ideia livre é ineficiente. Ganha-se mais quando se trabalha num ambiente de problemas. Busca de soluções para questões reais. O que importa não é a inovação em si, mas resolver os problemas”, comentou. Ele listou oito passos importantes para a criação de um ecossistema de inovação.

1.    Identificar os principais problemas
2.    Tecnologias habilitadoras 
3.    Subvenção 
4.    Basic funding
5.    Empreendedorismo
6.    Difusão de conhecimento 
7.    Bolsas de graduação e pós
8.    Conexões internacionais

O presidente do IPT, Jefferson Gomes, também detalhou o formato de funcionamento do instituto com ênfase no desenvolvimento da maior cidade da América Latina, São Paulo. O secretário de Empreendedorismo e Inovação do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo César Rezende de Carvalho Alvim, foi responsável por mediar a reunião. “O país precisa fazer escolhas que gerem riqueza de valor agregado e qualidade de vida. Precisamos conquistar a nossa soberania tecnológica”, afirmou.  

O general Luis Antônio Duizit Brito sugeriu a criação de um observatório de inovação para catalogar e fazer a promoção comercial de produtos nacionais. “Temos de proteger a produção nacional. Por que importar equipamentos que produzimos com qualidade?”, questionou o general. O diretor-adjunto do SENAI, Sérgio Moreira, enfatizou a importância do debate sobre modelos de ecossistemas de inovação para o Brasil avançar no tema. 

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise

Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Relacionadas

Leia mais

Condefesa propõe maior engajamento da indústria no combate a covid-19
Empresas apostam em inovação aberta como estratégia competitiva
Parceria CNI-SOSA possibilitará que empresas brasileiras participem do desenvolvimento mundial, diz Robson Andrade

Comentários