É preciso persistir na agenda de reformas para o Brasil ter ciclo duradouro de crescimento, afirma presidente da CNI

No lançamento da Agenda Legislativa 2018, Robson Braga de Andrade reforçou importância do Congresso Nacional em promover o debate e avançar nos temas que compõem a agenda de competitividade do Brasil
"É importante que empresários, governantes, parlamentares e a sociedade se mobilizem em torno de um projeto para o país", afirmou o presidente da CNI

O Congresso Nacional precisa persistir na agenda de reformas e de medidas que aperfeiçoem o ambiente de negócios para que o Brasil possa sustentar um novo e duradouro ciclo de crescimento. Para o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, ainda que as eleições ocupem espaços no debate político nacional em 2018, é importante avançar em propostas que contribuam para reduzir ou eliminar a insegurança jurídica e para diminuir a burocracia que prejudicam quem produz e empreende no país.

“Mais do que nunca, é importante que empresários, governantes, parlamentares e a sociedade se mobilizem em torno de um projeto para o país, fazendo mais e melhor para nossas futuras gerações”, disse, durante a cerimônia de lançamento da Agenda Legislativa da Indústria 2018, documento que apresenta as propostas que estão em discussão no Congresso Nacional e são consideradas prioritárias pela indústria brasileira. Em sua 23a edição, a Agenda lista 129 proposições estratégicas, das quais 14 figuram na Pauta Mínima, o conjunto de matérias de maior impacto sobre a economia e a melhora do ambiente de negócios nacional.

Andrade destacou o papel da indústria como motor da economia e como o setor em que ocorrem os grandes avanços tecnológicos que impulsionam o desenvolvimento de um país. Para que as empresas industriais e o país prosperem, no entanto, ele reforçou a importância de se aprender com as lições deixadas pela mais grave crise econômica que o Brasil atravessou em sua história recente. “Mas é preciso destacar o muito que tem sido feito para consertar equívocos antigos para guiarmos o Brasil no caminho do desenvolvimento”, ressaltou.

REFORMAS - Nesse processo de recuperação, o presidente da CNI chamou atenção para o importante papel que o Congresso Nacional tem tido ao debater e aprovar reformas estruturais – como a das leis do trabalho – e outros projetos que contribuíram para dar novo ânimo à economia. Por exemplo, o projeto que acabou com a obrigatoriedade de a Petrobras ser operadora única na exploração de blocos da camada pré-sal e a regulamentação da terceirização, tema que tramitou por 20 anos até ser aprovado em março de 2017.

“A CNI e a indústria brasileira apoiaram aberta e ostensivamente a aprovação dessas propostas, sempre com argumentos e posições fundamentados para qualificar debates muitas vezes tomados por paixões e posturas exacerbadas”, lembrou Andrade. A reforma da Previdência é um das reformas apoiadas pela indústria e que a base de federações estaduais e associações setoriais decidiram manter na Pauta Mínima, embora a proposta não possa aprovada enquanto vigorar a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

Andrade relembrou que o sistema previdenciário federal é a principal causa do desequilíbrio das contas públicas e explicou por que o tema não sairá da agenda da indústria. “Vamos continuar a estimular o debate e a sensibilização da opinião pública sobre a necessidade da reforma. Essa é uma pauta de Estado, que, se não for efetivada neste ano, terá de ser enfrentada, necessariamente, pelo próximo governo, independentemente do partido que vencer as eleições”, afirmou.

Andrade relembrou que o sistema previdenciário federal é a principal causa do desequilíbrio das contas públicas e explicou por que o tema não sairá da agenda da indústria

MAPA ESTRATÉGICO – O papel da Agenda Legislativa em indicar caminhos que contribuam para uma economia mais dinâmica e competitiva é reforçado pelas diretrizes trazidas pelo Mapa Estratégico da Indústria (2018-2022), documento lançado pela CNI no início de março e que apresenta os principais desafios a serem superados pelo Brasil nos próximos cinco anos.

Um dos fatores-chave para a construção de uma economia inovadora e moderna é a significativa redução de focos de insegurança jurídica, entrave que afasta investimentos e encarece o custo de produção brasileiro em comparação a seus concorrentes. Andrade destacou alguns projetos da Pauta Mínima com significativo impacto para dar previsibilidade e segurança ao setor produtivo, como a nova Lei Nacional do Licenciamento Ambiental, o Marco Legal das Agências Reguladoras e a Nova Lei de Licitações.

O presidente da CNI reafirmou o compromisso da indústria em apoiar a agenda de competitividade em discussão no Congresso Nacional e urgência de superar os gargalos históricos ao crescimento. “O Brasil tem feito menos do que pode e do que precisa. Daqui a quatro ano, quandos comemorarmos 200 anos de nossa Independência, queremos ter uma indústria mais inovadora, uma economia mais global e um país mais sustentável. Essa é uma agenda de todos nós”, concluiu.

SAIBA MAIS - Acesse o site da Agenda Legislativa da Indústria e conheça a pauta mínima do setor.

Relacionadas

Leia mais

CNI lança publicações para promover uso eficiente de água no setor industrial
Depois da Previdência, reforma tributária deve ser prioridade do Congresso em 2018
Participação dos importados no consumo brasileiro sobe para 17%, informa CNI

Comentários