CNI lança publicações para promover uso eficiente de água no setor industrial

Manual desenvolvido com a FIESP e livro com boas práticas empresariais em economia de água, em parceria com o MDIC, foram apresentados hoje no Fórum Mundial da Água
Vice-presidente da FIESP, Nelson Pereira, e a diretora da CNI Mônica Messenberg

Em cinco anos, a indústria automobilística reduziu em 50% o uso de água na fabricação de veículos, com reúso, sistemas alternativos de captação, especialmente da chuva e de poços, reciclagem de água no processo produtivo e restritores de vazão nas águas das torneiras. Para incentivar ações como essas no setor industrial, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) lançou nesta segunda-feira (19), em seu estande no Fórum Mundial da Água, duas publicações para apresentar práticas de economia de água.

Em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), a CNI desenvolveu o manual O uso racional da água no setor industrial, que traz um passo a passo do aspectos financeiros, econômicos e técnico-tecnológicos a serem considerados para promover o uso eficiente da água, do monitoramento e avaliação de riscos hídricos e de questões institucionais da gestão das águas para ajudar na elaboração de estratégias empresariais.

Com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), a CNI produziu a publicação Água e Indústria, que traz experiências empresariais de sucesso no uso eficiente desse recurso. “O objetivo é contribuir efetivamente para otimizar o uso de água pelas empresas, reduzindo riscos já que a questão hídrica é fator cada vez mais relevante para os investimentos”, destacou a diretora de Relações Institucionais da CNI, Mônica Messenberg, na abertura da programação da CNI no 8º Fórum Mundial da Água, que vai até 23 de março.

Segundo o diretor de Meio Ambiente da FIESP, Nelson Pereira dos Reis, o manual nasceu em 2004, quando São Paulo enfrentou uma severa crise hídrica. “Agora, com a CNI, o guia foi revisado e ganhou escala nacional para que mais empresas façam uso para melhorar performance e indicadores de uso e consumo de água”, afirmou.

Embora o setor industrial tenha participação de 21% no Produto Interno Bruto (PIB), consome 10% da água captada no país. “A ideia é incentivar o setor a continuar investindo na racionalização do uso da água e na busca de soluções para superar a crise hídrica”, destaca o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo.

“O objetivo é contribuir efetivamente para otimizar o uso de água pelas empresas, reduzindo riscos já que a questão hídrica é fator cada vez mais relevante para os investimentos", disse Mônica Messemberg

REÚSO DE ÁGUA – O especialista da CNI Percy Soares apresentou resultados de estudos realizados em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) sobre viabilidade de negócios de reúso de água. Segundo ele, há grande viabilidade econômica para regiões de escassez hídrica. “No entanto, para o Nordeste, por exemplo, o limitador são os baixos índices de saneamento, necessário para alavancar os projetos de reúso”, disse.

O estande da CNI está com programação de palestras com especialistas em diversos temas relacionados à água. Confira aqui a programação e participe.

Relacionadas

Leia mais

Indústria é fundamental na solução de desafios de escassez de água
Desafios da água

Comentários