Fique ligado! 12 temas para acompanhar em 2022

A revista Indústria Brasileira preparou uma lista com os temas econômicos e geopolíticos mais importantes para você acompanhar e ficar antenado em 2022

Um dos principais temas globais em 2022 deve ser o acesso às vacinas contra a Covid-19, que seguirá sendo a principal ameaça à recuperação mundial, segundo relatório do FMI

Inflação, pandemia, preço do petróleo, desemprego... 2022 promete e para você ficar por dentro dos principais assuntos do ano no planeta, a revista Indústria Brasileira preparou um resumão.

Temas como o acesso às vacinas contra a Covid-19 e o preço do petróleo devem dominar o noticiário Brasil afora e nortear as negociações e as políticas públicas no mundo todo. Confira abaixo as principais questões globais em pauta!

1. Elevação da taxa de juros (EUA)

O aumento da taxa básica de juros, que deve continuar em 2022 para tentar segurar inflação, pode reduzir o ritmo de recuperação da economia norte-americana, afetando o Brasil e outros países.

2. Pacote fiscal (EUA)

Aprovado em novembro pelo Congresso dos Estados Unidos, o pacote de investimentos em infraestrutura de US$ 1,2 trilhão, proposto pelo governo de Joe Biden, deve estimular a economia norte-americana.

3. Desemprego e pobreza extrema (América Latina)

Esses são os dois principais problemas a serem superados nos próximos anos. Relatório da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) mostra que a pandemia desencadeou a maior crise nos mercados de trabalho dessa região desde 1950.

4. Custo de energia e desabastecimento (Europa)

Além da deterioração da situação epidemiológica, a Comissão Europeia listou como riscos econômicos para 2022 os preços da energia e os problemas de abastecimento que têm assolado o velho continente, o que pode levar a um aumento da inflação.

5. Recuperação econômica mais lenta (África)

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a retomada mais modesta do crescimento na África em comparação com o restante do mundo será repetido em 2022, em parte por causa da baixa taxa de vacinação contra a Covid-19.

6. Reestruturação do mercado imobiliário (China)

Caso não sejam resolvidos, os problemas enfrentados pela Evergrande e pela Fantasia, duas das maiores incorporadoras chinesas, podem ampliar a crise no mercado imobiliário, prejudicando a recuperação econômica. Medidas já adotadas pelo governo foram consideradas positivas.

7. Acesso às vacinas contra a Covid-19

Relatório do FMI destaca que “o grande abismo no acesso às vacinas” entre as economias avançadas e de mercados emergentes e em desenvolvimento e as economias de baixa renda, onde a imunização ainda não avançou, segue sendo a principal ameaça à recuperação global.

8. Covid-19 e suas variantes

A descoberta de uma nova cepa (ômicron) na África e o aumento de casos na Europa podem gerar novas medidas de isolamento e restrições no setor produtivo, retardando a recuperação econômica.

9. Reorganização das cadeias produtivas e aumento da inflação

Ao desalinhar cadeias produtivas globais, a pandemia provocou escassez de insumos no mercado internacional e, com a falta de matérias-primas e a reabertura da economia, os preços ficaram mais caros em diferentes regiões.

10. Choques climáticos

Eventos mais adversos associados à mudança climática também podem contribuir com o aumento de migrações e estresse no mercado financeiro, colocando maiores desafios à recuperação econômica em curso.

11. Disputa geopolítica e comercial entre EUA e China

Um novo aumento na tensão entre os dois principais parceiros comerciais brasileiros poderá tanto beneficiar o Brasil, com empresas nacionais aumentando suas exportações, quanto prejudicá-lo, em caso de menor crescimento econômico dos dois países.

12. Preço do petróleo

O preço do barril do petróleo deve se manter em patamares elevados em 2022, entre US$ 70 e US$ 80, segundo estimativas da consultoria IHS Markit. Nesse contexto, o petróleo e seus derivados continuarão pressionando a inflação no próximo ano.

Relacionadas

Leia mais

71% da população veem recuperação da economia só em 2022, mostra pesquisa da CNI
Indústrias do Brasil e da Argentina divulgam ações prioritárias para a recuperação da economia
Exportações crescem 36% no primeiro semestre e ajudam na recuperação da economia

Comentários