União para fazer mais e melhor

Em artigo publicado no jornal O Popular, o vice-presidente da CNI, Paulo Afonso Ferreira, defende a união para a construção de uma agenda de interesse nacional

União é algo imprescindível para todos nós, pois ninguém faz nada sozinho.  Como muito bem utilizada nas expressões populares e bíblicas “e quem comigo não ajunta, espalha”. Estamos sempre nos relacionando e quando os esforços são somados, os resultados se tornam mais fáceis.

O Brasil está vivendo um momento de grandes desafios e tem sido fundamental a consciência de buscarmos essa união, com objetivo de avançarmos na obtenção de crescimento e desenvolvimento para todos. Precisamos de mais diálogo e de uma aglutinação de esforços, unindo toda a representação política municipal, estadual e federal, poderes executivo, legislativo e judiciário, além dos diversos segmentos, afinal, as mudanças que tanto almejamos só serão obtidas por meio da sociedade organizada. 

Temos problemas? Muitos, mas como os mais experientes costumam dizer: “precisamos varrer para dentro”.

A quem interessa as crises institucionais e políticas? Onde chegaremos com a torcida de “ quanto pior, melhor”? Estamos no mesmo barco e precisamos remar para o mesmo lado, rumo a dias melhores para o nosso País.

É possível alcançarmos o lema de nossa bandeira: “Ordem e Progresso”. Precisamos deixar de lado as ideologias, partidarismos, interesses pessoais e corporativistas, a sobreposição de poderes, sermos menos reativos e atuarmos de forma propositiva. 

São necessárias reformas na legislação, no sentido de modernizarmos nosso arcabouço jurídico, aliando direitos e deveres como uma via de mão dupla. Precisamos refletir sobre os preceitos de uma Constituição de 1988, pois o Brasil está muito diferente de 30 anos atrás. É necessário vislumbrar uma agenda de País, com mudanças institucionais, políticas e econômicas. 

Podemos aprender com outras nações que têm como alvo o patriotismo, valorizam os ideais nacionais, a disciplina e mostraram como reconstruir um país em tempos de crises, como: Japão, Alemanha, Estados Unidos. Sabemos que cada um desses possuem seus desafios e problemas, mas nos deram lição com suas capacidades de reação,  estando nas mãos da população a vontade de mudar, progredir e crescer, sendo possível reconstruir a história, com a união e investimentos no processo produtivo, em pesquisa, inovação e educação. 

Em momentos de crises surgem oportunidades de transformação. O Brasil tem condições favoráveis para chegar a um novo patamar: terra fértil, clima favorável, recursos naturais e riquezas abundantes. 

Precisamos romper gargalos, resolvermos problemas internos, suplantarmos as dificuldades e nos consolidarmos como uma das nações mais desenvolvidas e prósperas do mundo. 

O conflito não nos leva a nada e nosso compromisso deve ser no sentido de buscarmos mais diálogo e construirmos uma agenda de interesse nacional, em que a força resultante nos conduza em caminhos de grandes realizações e conquistas. 

Paulo Afonso Ferreira é vice-presidente executivo da Confederação Nacional da Indústria (CNI)

O artigo foi publicado no jornal O Popular, nesta quarta-feira (5).

REPRODUÇÃO DO ARTIGO - Os artigos publicados pela Agência CNI de Notícias têm entre 4 e 5 mil caracteres e podem ser reproduzidos na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. Possíveis alterações para veiculação devem ser consultadas, previamente, pelo e-mail [email protected] As opiniões aqui veiculadas são de responsabilidade do autor. 

Relacionadas

Leia mais

Reforma trabalhista reduziu incertezas, mas inovações da lei exigem maturação
Agenda para inserção do Brasil na economia global
Investimentos previstos para transportes em 2020 são os menores já registrados

Comentários