Revolução tecnológica depende do preparo para receber o 5G

Em artigo publicado no Poder360, diretora da CNI destaca a importância de os municípios trabalharem por avanços nas leis para viabilizar a instalação de antenas, condição essencial para o 5G se disseminar no país

Ilustração de antena com o símbolo do 5G e ao fundo prédios representando uma cidade inteligente

Um desafio histórico do Brasil tem sido aumentar a competitividade da sua economia. O mais recente relatório Competitividade Brasil, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostrou o país na penúltima posição, entre 18 economias avaliadas. O resultado não é diferente quando outros índices são consultados. Divulgado em junho, o ranking do Institute for Management Development (IMD), por exemplo, investigou o desempenho de 64 países -- e trouxe o Brasil em 57º lugar.

Mudar essa situação requer batalhas em diversas frentes, da educação à infraestrutura, passando pelas reformas estruturantes. Requer também estar alerta para não desperdiçar oportunidades de mudança acelerada. A chegada do 5G ao Brasil é uma dessas ocasiões em que os ganhos podem ser exponenciais. Mas a sintonia entre o setor privado e os agentes públicos será crucial para que o Brasil colha rapidamente os benefícios dessa revolução tecnológica.

Realizar o leilão das frequências 5G sem mais demoras é, obviamente, o primeiro passo. Os sinais são positivos, e o processo deve estar concluído até o fim deste ano. A partir daí, começa a corrida do setor de telecomunicações para cumprir os prazos previstos no edital. Um fator determinante será a legislação das capitais e dos municípios mais populosos de cada Estado, que devem ser os primeiros a receber o 5G. 

Um estudo concluído em julho pela CNI revela que, atualmente, 1.336 cidades do mundo já contam com 5G. O dado mais relevante, no entanto, é a velocidade com que a tecnologia se dissemina: em 2020 o número era de 378 localidades, o que significa que houve um crescimento de 350% em aproximadamente um semestre. Entre consumidores, a escolha de planos 5G deve ser muito mais acelerada que a registrada com o 4G. Segundo projeções da Ericsson, 3,5 bilhões de planos 5G deverão estar contratados até 2026, o equivalente a quase 40% do 8,8 bilhões de planos ativos nas diversas tecnologias (4G, 3G e 2G).

Essa é a razão por que a CNI apoia o Movimento Antene-se, que tem por meta sensibilizar os gestores municipais para o tema e ajudá-los a modernizar as regras de suas cidades. Leis de antenas antigas, que criam restrições desnecessárias à instalação dessas infraestruturas, ou burocratizam o seu licenciamento, podem atrasar a disseminação do 5G e frear as inovações que ele torna possíveis. 

Algumas cidades brasileiras, como Rio de Janeiro (RJ), Londrina (PR) e Santo André (SP), saíram na frente e já fizeram a lição de casa. Outras despertaram para o problema. São os casos de Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP), onde novas leis estão em debate nas Câmaras de Vereadores.

Os governos estaduais podem ajudar a acelerar a mudança, fomentando o debate ou propondo modelos de legislação. Foi o que fez o Rio de Janeiro, que divulgou em setembro um projeto padrão para seus municípios. Iniciativa semelhante foi tomada no plano federal.  A Anatel acaba de disponibilizar em seu site um projeto modelo de lei de antenas, desenvolvido em parceria com os ministérios da Economia e das Comunicações, e com a iniciativa privada.

Duas características definem a conectividade pelo 5G: baixo tempo de resposta (latência) e alta velocidade na transmissão de dados. Com enormes ganhos nessas duas variáveis em relação ao 4G, as redes 5G farão saltar o número de atividades passíveis de automação e digitalização.  

Do ponto de vista do setor industrial, grandes avanços virão da “conversa” entre máquinas e do monitoramento de processos em tempo real, aumentando a eficiência das linhas de produção; de sistemas mais inteligentes de controle de estoques e consumo de energia; ou de possibilidades hoje pouco exploradas na customização de produtos. Assim funciona a Indústria 4.0.

Para tirar proveito dessas e de outras inovações, muitas empresas deverão investir em redes privadas de 5G, utilizando a faixa de espectro reservada pelo governo para essa finalidade. Só assim estarão garantidos o volume de tráfego de dados e a segurança necessários para a atividade industrial.

Mas esses avanços acabarão se diluindo se não houver, em paralelo, o crescimento da rede pública de 5G. Afinal, nenhuma indústria é uma ilha. Se, pelo contrário, clientes e fornecedores também puderem se aproveitar das inovações trazidas pelo 5G para os seus respectivos segmentos, as conquistas obtidas pela indústria “da porta para dentro” só tendem a se potencializar. 

Ainda mais importante, o 5G oferece remédio para algumas das deficiências que compõem o Custo Brasil e que mais impactam a nossa competitividade. Problemas de logística poderão ser amenizados com novos sistemas de monitoramento de transporte, assim como sensores inteligentes operando em sintonia permitirão reduzir desperdícios na distribuição de recursos como água e energia. 

Seria uma injeção de competitividade na economia brasileira, que a implantação do 5G, com a urgência necessária, pode tornar real.

*Mônica Messenberg é diretora de Relações Institucionais da CNI

O artigo foi publicado nesta segunda-feira (25/10), no Poder360.

REPRODUÇÃO DO ARTIGO - Os artigos publicados pela Agência de Notícias da Indústria têm entre 4 e 5 mil caracteres e podem ser reproduzidos na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. Possíveis alterações para veiculação devem ser consultadas, previamente, pelo e-mail [email protected] As opiniões aqui veiculadas são de responsabilidade do autor. 

Relacionadas

Leia mais

5G a caminho
CNI avalia como positiva decisão do TCU sobre leilão do 5G no Brasil
Indústria, governo e setor de tecnologia reconhecem necessidade de formação de mão de obra para 5G

Comentários