Professor José Pastore destaca importância do Sistema S para melhoria do capital humano no Brasil

Em artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo, o professor da USP ressalta que o Sistema S atua na proteção materno-infantil, à saúde do adulto, à prevenção de acidentes do trabalho, à criança na pré-escola, ao ensino fundamental e médio, à qualificação profissional em vários níveis e à difusão de valores da ética do trabalho
Quais são os resultados dos investimentos no Sistema S? As suas entidades têm sido valorizadas pelas famílias que disputam suas vagas, pelas empresas que reconhecem a qualidade dos egressos e pelos educandos que usufruem mais emprego e menos rotatividade

O ministro da Economia e sua equipe parecem empenhados em cortar os recursos das entidades do Sistema S. É claro que tudo o que puder ser feito para melhorar a eficiência dessas entidades deve ser perseguido. Mas convém avaliar o impacto de cortes lineares no campo do capital humano.

De maneira acertada, o Banco Mundial criou um índice para medir o capital humano dos países que inclui mortalidade infantil, mortalidade na idade adulta, cuidados gerais com a saúde, quantidade e qualidade da educação. Esse índice varia entre 0 e 1, sendo 1 o padrão mais alto de capital humano. Entre as 157 nações analisadas, o país que possui mais capital humano é Cingapura, seguido por Coreia do Sul, Japão, Hong Kong, Finlândia e Irlanda. O Brasil ocupa a 81.ª posição, estando abaixo de Peru, Colômbia, Uruguai, Equador, México, Argentina, Costa Rica e Chile, para citar apenas os da América Latina (World Development Report, Washington: World Bank, 2019, p. 62).

No campo da educação, o Banco Mundial acentua que não basta ter mais escolas e mais matrículas, porque uma coisa é ensinar, outra é aprender. Esta depende da boa qualidade da educação.

As entidades do Sistema S se dedicam à proteção materno-infantil, à saúde do adulto, à prevenção de acidentes do trabalho, à criança na pré-escola, ao ensino fundamental e médio, à qualificação profissional em vários níveis e à difusão de valores da ética do trabalho por meio de exemplos e atividades culturais e esportivas, ou seja, atuam na melhoria do capital humano do Brasil.

A dimensão dos valores sempre chamou a minha atenção. Ao longo de uma extensa carreira de professor e pesquisador, visitei dezenas de escolas do SENAI e do Senac. Nunca vi um aluno terminar o dia sem antes arrumar a bancada e deixar tudo em ordem. Nunca vi um aluno ofendendo professores, uma parede pichada, um banheiro sem manutenção, um gramado abandonado, a promoção sem mérito ou o desprezo pelo trabalho.

Como se explica isso, se as escolas do SENAI e do Senac estão na mesma comunidade e atendem a mesma população? Penso que a transmissão desses valores tem origem na cultura das empresas que dirigem essas escolas. 

Não conheço nenhuma empresa bem-sucedida que seja suja, desorganizada, relapsa, tocada por profissionais desleixados e que desprezam o sistema de mérito. Para vencer a concorrência, as empresas precisam ser eficientes e contar com profissionais competentes. Para tanto, elas buscam recrutar colaboradores capazes de resolver problemas, que tenham lógica de raciocínio, que gostam de estudar, que sejam versáteis para se ajustar às mudanças tecnológicas e que possuam habilidades socio emocionais para trabalhar em grupo, com zelo, amor, disciplina e comprometimento â elementos básicos da ética do trabalho. As empresas sabem que tudo isso conta muito para a produtividade.

Paul Krugman, Prêmio Nobel de Economia em 2008, costuma dizer que, para o crescimento econômico, a produtividade não é tudo, mas é quase tudo. Não é exagero afirmar que para a produtividade a educação de boa qualidade não é tudo, mas é quase tudo.

José Pastore é professor da Universidade de São Paulo (USP), é presidente do Conselho de Emprego e Relações do Trabalho da Fecomercio-SP e membro  da Academia Paulista de Letras.

Quais são os resultados dos investimentos no Sistema S? As suas entidades têm sido valorizadas pelas famílias que disputam suas vagas, pelas empresas que reconhecem a qualidade dos egressos e pelos educandos que usufruem mais emprego e menos rotatividade.

Por isso, convém examinar com cuidado o reflexo de eventuais cortes lineares de recursos de instituições que vêm contribuindo para a melhoria do nosso capital humano.

REPRODUÇÃO DO ARTIGO - Os artigos publicados pela Agência CNI de Notícias têm entre 4 e 5 mil caracteres e podem ser reproduzidos na íntegra ou parcialmente, desde que a fonte seja citada. Possíveis alterações para veiculação devem ser consultadas, previamente, pelo e-mail imprensa@cni.com.br. As opiniões aqui veiculadas são de responsabilidade do autor.

Relacionadas

Leia mais

O Sistema "S" e a faca da economia: um legado sob risco
Empresários destacam importância do SENAI e do SESI para a indústria
Um país que precisa gerar 10 milhões de empregos não deveria atacar o Sistema S

Comentários